Array

Array

Navegue por assunto


pessoas sentadas no sofá descobrindo os tipos de trader que melhor combinam com os seus perfis.

Decidir investir, assim como conhecer os tipos de trader, são apenas os primeiros passos de muitos que você dará antes de ter resultados positivos investindo em renda variável.   

Se você é iniciante, vai precisar estudar alguns conceitos antes de sair comprando e vendendo ações.  

Nessa fase, é muito comum se questionar sobre quais ativos comprar, por que e quando. Outra dúvida frequente é sobre qual método de análise você deve usar para montar sua estratégia.  

Muitas dessas respostas virão por meio do autoconhecimento, e compreender os tipos de trader é um ponto chave para fazer as melhores escolhas de acordo com o seu perfil de investidor.  

Porém, também é fundamental estar a par das alternativas disponíveis e, por isso, trouxemos este artigo completo para você.  

Acompanhe! 🤜🤛 

Tipos de trader: quais são?

Vamos descobrir qual, entre os diferentes tipos de trader, é o que mais se encaixa com você?  

Existem 5 tipos de trading no mercado financeiro. São eles:  
 

  1. Day trade 
  1. Scalping trade 
  1. Swing trade 
  1. Position trade 
  1. Buy and hold trade 

1. Day trade  

O Day trade é uma operação de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores (B3) em curto prazo.  

A operação é realizada via Home Broker, disponibilizada pelas corretoras de valores como a Clear Corretora.  
 
A principal característica do Day trade é que a operação deve começar e encerrar no mesmo dia.  

2. Scalping trade 

O scalper trader é o trader que opera na Bolsa de Valores (B3) por meio de scalping, uma estratégia de daytrade onde o principal objetivo é lucrar com movimentos rápidos e curtos do mercado, durante várias vezes em um dia só. 

O objetivo do scalping é ganhar com uma grande quantidade de ações ou contratos futuros, mesmo que os ganhos sejam pequenos. 

3. Swing trade 

O Swing Trade é uma operação que se caracteriza por acontecer entre a abertura e fechamento em pregões distintos na Bolsa de Valores (B3).  

A operação requer conhecimentos de Análise Técnica,  Análise fundamentalista e ou mista, que permite o trader analisar o movimento das ações durante um tempo específico para compreender o melhor momento de comprar e vender ações.  

O que diferencia o Swing trade e o Day trade é que o primeiro permite ao trader analisar o cenário ideal para agir entre 2 dias ou semanas, enquanto o segundo exige que o trader a agir no mesmo dia.  

A tributação de IR também é diferente.  20% para Day Trade e 15% para Swing Trade

4. Position trade 

Operação ideal para o investidor que visa o médio e o longo prazo. A operação Position Trade pode durar de semanas a meses.  

É uma ótima opção para o tipo de trader que tem pouco tempo para operar ou que está começando a investir.  

5. Buy and hold trade 

Modalidade com foco no longo prazo.  

Na operação Buy and hold trade o holder compra ações e as mantêm na carteira por um longo período de tempo, visando a valorização ao longo do tempo.  

Metodologias

pessoa sentada na mesa, em frente ao  notebook, qual tipo de trader que melhor combina com os seu perfis e as principais metodologias trader

O mundo dos traders está repleto de estratégias e, para ganhar dinheiro no pregão, você precisará dominar técnicas diferenciadas.   

Há diversas escolas de análise que podem ser adotadas por diferentes tipos de traders  para auxiliar na tomada de decisão.  

Entre as principais, podemos destacar o Tape Reading, a Análise Técnica e o Price Action.  

Quer conhecer melhor? Continue acompanhando! 👇  

Tape Reading

O Tape Reading, também conhecido como Leitura ou Análise de Fluxo de Ordens, é uma técnica que permite identificar a movimentação dos preços (o fluxo) por meio da análise das ordens de compra e venda no mercado com o intuito de identificar desequilíbrios entre oferta e demanda que levam ao deslocamento de preço. 

Esse método atrai cada vez mais a atenção dos traders por se apresentar como uma ótima ferramenta para fisgar boas oportunidades.  

Nesse tipo de análise, os traders fazem a leitura dos negócios fechados (Times and Trades) e da dinâmica do Book de Ofertas, com o objetivo de identificar mudanças criadas pelos grandes players nos movimentos dos preços e de se posicionar na mesma direção.   

Usar o Tape Reading é como surfar na mesma onda dos traders de peso seguindo os seus movimentos no mercado.  

Logo, o Tape Reading é excelente para identificar o que chamamos de Momentum: situações bem rápidas (segundos ou minutos) que representam oportunidades no mercado.  

É uma técnica muito usada por quem prefere operações mais curtas.  

Por se basear em uma análise em tempo real do que está acontecendo no mercado, o Tape Reading traz um grande volume de informações importantes para aumentar a taxa de acerto nas operações, ajudando o trader a definir o ponto exato de entrada, por exemplo.   

Porém, se você já sabe em qual dos tipos de trader se encaixa e pretende adotar esta técnica, saiba que é preciso estudo e tempo para alcançar os resultados esperados.  

Além disso, a efetividade da Leitura de Fluxo também está relacionada a um home broker estável, um computador robusto e internet rápida para garantir que nenhuma informação do mercado seja perdida.  

Por isso, é essencial uma plataforma operacional que tenha recursos para leitura de fluxo de ordens.  

Análise Técnica  

A Análise Técnica estuda os movimentos do mercado por meio de gráficos.  

Com ela, todos os tipos de traders buscam identificar situações que aconteceram no passado e que podem se repetir no presente.   

São utilizados setups que representam a força do mercado, volatilidade e sinais de compra e venda.   

Sua base gráfica dos preços sinaliza os pontos de resistência, suporte e tendência. .  

A Análise Técnica pode ser adotada em qualquer mercado para prever o cenário mais provável para um ativo. 

É uma estratégia muito apropriada para identificar quando o preço vai subir, cair ou se manter para quem busca boas oportunidades no dia, na semana ou precisa se desfazer rapidamente de uma posição.  

Lembre-se: o aprendizado da Análise Técnica é diferente do Tape Reading, pois é possível aprender os padrões sem estar operando de fato, pois há uma grande literatura sobre esta escola de estudo, diferentemente da Leitura de Fluxo.  

Na Clear você conta com corretagem zero nos melhores produtos do mercado. Abra sua conta, é online, rápido e 100% grátis. 

Price Action

Também chamado de Naked Trading, o Price Action é um tipo de Análise Técnica que não utiliza indicadores.  

Podemos considerá-lo como um conjunto de conhecimentos sobre os movimentos ilustrados no gráfico à medida que o preço se move.  

Esses movimentos representam pistas das intenções dos operadores, proporcionando perspectivas de movimentos futuros.  

As decisões dos traders farão o preço se movimentar, criando uma trilha no gráfico sob a forma de candles, representações gráficas da queda de braço entre comprados e vendidos.  

Esses desenhos revelam a disposição do mercado para continuar derrubando ou aumentando os preços.   

Portanto, Price Action é tomar decisões de compra e de venda baseadas somente no movimento realizado pelo preço.  

Os tipos de trader que optam por esta escola de estudo apontam a limpeza do gráfico como sua principal vantagem em comparação com a Análise Técnica, afirmando que é possível ter menos informações na tela e mais qualidade na informação.  

Qual metodologia escolher?   

Escolher a metodologia trade ideal depende exclusivamente do que faz sentido para cada um. É importante estar ciente que nenhuma estratégia dá dinheiro fácil.  

Agora que você já conhece os tipos de trader e sabe qual te representa, lembre-se: todo trader precisa aprender a gerenciar os riscos das operações na medida em que controla sua exposição e busca retornos superiores ao risco incorrido, pois nenhuma técnica é capaz de prever de fato o mercado.    

É necessário saber trabalhar com probabilidades.  

O tempo que você tem disponível, seu grau de conhecimento e perfil de risco são fatores que devem ser levados em consideração.   

Forçar uma técnica ou outra simplesmente não funciona. O que vale é o que dá certo para você. 😉  

Agora que você já sabe qual o seu tipo de trader, abra sua conta e opere com corretagem ZERO na Clear ! 

AIA: como potencializar suas operações? 

A fim de minimizar as perdas durante as operações de Day Trade, a AIA (assistente de inteligência artificial para traders), é essencial para desenvolver suas habilidades e conhecimentos. 

A ferramenta atua como uma espécie de personal trader, exclusiva apenas para clientes Clear, que auxilia em diversos aspectos relevantes para suas operações.  

Desse modo, nossos traders podem avaliar seu desempenho e identificar o que deve ser melhorado.  

Tendo ao seu lado uma ferramenta de alta tecnologia que conta com recursos que orientam os investidores a atingirem os seus objetivos, por meio de relatórios precisos, que auxiliam a garantir uma boa performance nas operações.

Assim, a AIA envia dicas em momentos importantes das operações. São eles:  

Além disso, a Clear Corretora oferece diversas vantagens para nossos traders como corretagem zero, plataforma zero e sala de análise.  

E aí, vai ficar de fora dessa? 😎 

Para saber mais, solicite uma demonstração hoje mesmo dessa ferramenta exclusiva e aumente os seus resultados no mundo do trade.   

Abra sua conta, é online, rápido e 100% grátis. Ao escolher a Clear você tem ao seu lado as maiores vantagens do mercado financeiro. 

Array

Array

Navegue por assunto


Conheça 3 opções de simuladores day trade para testar antes de começar a operar na modalidade que podem ser contratados pela Clear de forma simples e rápida. 

A foto mostra as mãos de um homem segurando um celular, mexendo em uma plataforma trading, em referência aos simuladores day trade.

Depois de muitos meses de dedicação e incansáveis horas entendendo, desenvolvendo e lapidando um setup, chegou a sonhada hora de colocar em prática todo esse trabalho. Porém, antes de colocar efetivamente seu dinheiro em jogo, o trader tem a alternativa de usar os simuladores day trade.

Os simuladores day trade são importantes na vida do trader, especialmente nos primeiros meses de vida do setup, para testar em tempo real seu sistema e sua adaptação sem precisar gastar seu próprio dinheiro logo de cara. Utilizado de forma correta, ou seja, levando de fato a sério e não apenas um videogame (não estou aqui para dar sermão), a conta demo é uma boa forma de aprender como funciona o mercado e ficar familiarizado com sua ferramenta de trabalho, para quando operar com seu dinheiro apenas se preocupar em trabalhar seu emocional.

Neste quesito, a Clear oferece ferramentas que possuem simuladores day trade que você pode contratar para treinar antes de investir de fato. Afinal, treino nunca é demais!

+ Quer saber ainda mais sobre o mundo Trader? Inscreva-se no curso “Introdução ao Universo de Trading

Conheça algumas ferramentas que são simuladores day trade que você pode contratar para treinar suas operações:

Tradezone

Na Clear, é possível contratar o Tradezone. Com o custo de R$ 62,00 + impostos, você tem acesso à diversos indicadores técnicos para facilitar suas análises.

É possível contratar o Tradezone acessando sua conta na Clear.

+ Ainda não tem conta na Clear? Abra sua conta para contratar o Tradezone!

Metatrader

Outra ferramenta que também possui simulador day trade e você pode contratar aqui na Clear é o MetaTrader (Simulador). Para assinar essa plataforma, você precisa ir em “Plataformas” dentro do seu Home Broker e contratar o programa. Ele tem custo de 9,90 mais imposto de 10,68%.

Em até 24 horas você receberá um e-mail com o login e a senha da conta.

Uma vez instalada a plataforma, basta se conectar a uma conta de negociação existente, no caso sua conta na Clear. Pronto, agora basta configurar seu setup dentro da plataforma e começar a operar.

Flashchart

ferramenta flashchart também conta com um simulador day trade, onde você pode treinar as operações antes de colocar seu dinheiro no investimento. Para contratar a ferramenta, basta acessar sua conta na Clear.  A ferramenta tem um custo de R$ 29,90 ao mês.

Quer conhecer os outros simuladores Day Trade que você pode contratar na Clear? Basta acessar nossa página de plataformas.

Agora que você já conhece as plataformas que pode contratar pela Clear, deixe as desculpas de lado, abra sua conta e comece a operar com Corretagem ZERO.

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Quando pensamos em fazer uma boa análise, como a de margem líquida, um dos primeiros requisitos essenciais é conhecer e entender os dados que serão avaliados, certo?  

Uma empresa precisa saber exatamente como está sua saúde financeira, principalmente para tomar decisões mais assertivas relacionadas à gestão do negócio.  

Ao mesmo tempo, um trader também precisa se sentir seguro para investir em um determinado empreendimento, e, portanto, conhecer sua lucratividade é fundamental.  

Ou seja, tanto para a empresa como para o mercado, conhecer a margem líquida do negócio é indispensável. Mas o que é margem líquida? Para exatamente o que ela serve? Por que você precisa saber deste indicativo de uma empresa? Como calculá-la?  

Isso é o que respondemos agora! Acompanhe o conteúdo e descubra tudo sobre o assunto! 😉 

Margem líquida: o que é?

No mundo dos negócios, é fundamental avaliar constantemente a lucratividade da empresa, mesmo porque esse é o objetivo do negócio. 

Nesse sentido, a margem líquida nada mais é do que a porcentagem de lucro líquido alcançado pela organização em relação à sua receita. 

Isso significa que a margem líquida mostra o lucro que a empresa obteve em um determinado período, após o pagamento dos custos fixos e variáveis, como aluguel, contas de energia e água, salário dos colaboradores, impostos e tantos outros.  

Esse valor é exposto em forma de um percentual em relação a toda a receita alcançada no período. Dessa forma, é possível descobrir se a empresa está alcançando um resultado positivo ou negativo. Vale ressaltar que esse não é o único indicador de análise fundamentalista, mas é um dos principais.  

A margem líquida é essencial para se descobrir o ROE (Return on Equity ou retorno sobre o patrimônio) da empresa, ou seja, o indicador que relaciona o lucro e o patrimônio líquido do empreendimento para apresentar sua rentabilidade. 

Para que serve a margem líquida?

A margem líquida é um indicador de extrema importância para qualquer empresa, não importa o tamanho ou seu ramo de atuação.  

Trata-se de um dos indicadores-chave de desempenho (conhecidos como KPIs), que serve para avaliar a saúde financeira do negócio por uma perspectiva fundamentalista

Quanto maior a margem líquida da organização, maior é sua capacidade de registrar lucro a partir das receitas obtidas, e essa condição é fundamental para que a empresa ofereça retorno para os acionistas e possíveis investidores. 💸 

Quem decide comprar ações de uma empresa na Bolsa de Valores, por exemplo, o faz porque acredita no seu potencial de crescimento, na lucratividade e na rentabilidade daquele negócio. 

Em resumo, a margem líquida é como um raio-x sobre os resultados da organização. 

Veja o vídeo a seguir e descubra 3 indicadores INDISPENSÁVEIS para avaliar uma empresa!

Como calcular a margem líquida?

Muito bem, nós já entendemos o que é e para que serve, mas como calcular a margem líquida de uma empresa? 🤔 

Não é nada difícil: para se descobrir esse indicativo basta dividir o lucro líquido por sua receita total. O resultado encontrado deve ser multiplicado por 100, para que se tenha a porcentagem. 

Margem líquida = lucro líquido / receita bruta X 100. 

Por exemplo, digamos que uma pequena papelaria registre um lucro líquido de R$ 10 mil, diante de um faturamento de R$ 50 mil. Ao dividir o primeiro valor pelo segundo o resultado é 0,2, que multiplicado por 100 chega a 20%. Esta é a margem líquida deste pequeno comércio. 

Como analisar a margem?

Analisar a margem líquida é fundamental para o negócio, e por vários motivos. O principal deles, você já sabe, é indicar o quanto a empresa está transformando em lucro a partir do quanto recebe de receita.  

Mas também funciona como um indicador de vantagem competitiva: uma margem maior significa um melhor resultado.  

Imagine duas empresas que oferecem produtos iguais, com o mesmo preço, mas têm margens líquidas diferentes. Aquela que tem o indicador maior é mais produtiva, portanto, tem perspectivas melhores. 

Instituições financeiras também olham para ela, no caso da concessão de grandes empréstimos, por exemplo. Atualmente, uma margem líquida alta é sinal de segurança

E, caso a margem esteja baixa, pode ser necessário mudar algo na operação para modificar este quadro. Será preciso analisar o cenário, rever a precificação e buscar uma maior produtividade para aumentá-la. 

Enfim, a análise da margem líquida é crucial para a tomada de decisões e para a gestão empresarial. 

A seguir, confira outros tipos de margem que são interessantes para serem analisadas na hora de investir! 👇 

Outros tipos de margem

A margem líquida, a margem bruta e a margem de contribuição são, entre outros, indicadores de análise fundamentalista. Saiba mais sobre eles! 

Margem bruta

Para você medir a rentabilidade de uma empresa, deve encontrar e analisar sua margem bruta. Esse indicador apresenta a porcentagem de lucro que sua empresa alcança em cada venda. 

Se um produto é vendido por R$ 10,00, mas a empresa gasta R$ 6,00 para disponibilizá-lo aos clientes, o ganho é de R$ 4,00. A divisão desse valor pela receita, expressa em porcentagem, totaliza a margem bruta, ou seja 4 dividido por 10 vezes 100, que totaliza 40%.  

Não é possível fazer uma boa precificação de produtos sem analisar os cenários de margem bruta que ele pode alcançar. Ao fechar o preço de cada produto, a margem bruta precisa ser calculada e considerada. 

 A foto mostra uma mão usando um celular que está com uma calculadora aberta em referência ao cálculo da margem liquida.

Margem de contribuição 

Já que estamos tratando sobre margem líquida, lucro e resultado, cabe entender também a margem de contribuição.  

Essa margem mostra o quanto sobra do preço da venda, depois que você subtrai os custos e as despesas variáveis relacionados a essa venda. Ou seja, a margem de contribuição é o lucro bruto da venda. E é com esta margem que a companhia pagará os custos e despesas fixas. 

👉 Quer investir? Fique por dentro do que é spread no mercado financeiro! 

Qual a diferença entre margem bruta e margem líquida?

Esta é uma excelente pergunta. Enquanto a margem líquida mostra a lucratividade geral do negócio, a margem bruta traz a lucratividade do produto. 💰 

Se a empresa tem uma margem líquida baixa, mas uma alta margem bruta, possivelmente os custos fixos gerais estão muito elevados e devem ser revistos. 

Já a margem de contribuição ajuda a calcular a quantidade mínima de produtos que a empresa precisa ter e vender para começar a lucrar — trata-se do chamado ponto de equilíbrio. 

Os três indicadores devem ser calculados e avaliados para que se tenha um raio-x ainda mais preciso. Juntos, eles trazem informações essenciais para o próprio negócio e para quem quer analisá-lo de forma mais profunda. 

Agora que você sabe o que é a margem líquida e como ela é importante para medir a saúde financeira de um negócio, procure sanalisá-la antes de investir em uma empresa.  

Decidiu investir? Vem pra Clear! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Você sabe o que são minicontratos? 🤔 Negociados no mercado futuro, os minicontratos são acordos de compra e venda que serão concretizados futuramente. 

Esse tipo de operação negocia ativos como moedas, índices e até commodities. Não à toa, essa modalidade é uma das mais populares da Bolsa de Valores, principalmente entre os adeptos do Day Trade

Acessíveis para pessoas físicas, os minicontratos ajudaram a democratizar as operações na Bolsa de Valores e hoje representam grande parte do volume negociado diariamente.  

Além disso, as corretoras possibilitam que o investidor opere alavancado, aumentando seu potencial de negociação por meio da alavancagem

Pensando em pessoas que tem o objetivo de ganhar com a oscilação dos preços dos ativos e estejam dispostas a enfrentar a adrenalina do mercado diariamente, Rafael Ribeiro, analista do #TeamClear, listou 5 dicas para usar em sua estratégia para minicontratos.  

Confira! 😉 

Estratégia para minicontratos em 5 passos! 

A foto mostra as mãos de uma mulher segurando um tablet, que está ligado numa plataforma trading, relacionada às estratégias de minicontratos

Chegou a hora, vamos conferir em 5 passos diretos e simples uma ótima estratégia para minicontratos! 

1º passo – Manejo de risco

A primeira dica, que será fundamental na sua sobrevivência do mercado, é ter bem determinando seu Manejo de Risco. Ou seja, quanto você pode perder em cada operação que irá alocar.  

Como está operando minicontratos, fica muito fácil determinar seu Manejo de Risco em detrimento das ações, uma vez que o valor do lote operado é fixo. 

No InfoTrade, nós utilizamos como métrica de lote cheio 4 minicontratos de dólar/índice, sendo que o lote reduzido é operado com 3 minicontratos, uma operação que geralmente vai contra a tendência.  

Nessa operação fica obrigatório fazer uma parcial de lucro para zerar o risco da operação, garantindo um lucro mais do que suficiente para não perder mais do que pode. 

Essa métrica de 4 minicontratos de lote cheio está totalmente ligada ao máximo de prejuízo permitido por nosso Manejo de Risco e a média do stop loss em minicontratos de dólar e de índice. 

2º passo – Entender muito bem o setup utilizado

Assim como em qualquer coisa da vida, saber o que está fazendo é extremamente importante para o sucesso, ainda mais operando day trade em minicontratos, não é mesmo?  

Entender muito bem o seu setup é fundamental para tomar decisões rápidas, como também aprimorar seu setup quando as coisas não caminham bem. 

Por isso, fazer o que chamamos de Diário de Trade, que seria registrar todas suas operações, é muito importante para aprimorar seu setup e também conhecê-lo. 📝 

Na sua construção, invista bons meses fazendo backtest (automático ou manual) antes de colocar ele na prática. Além disso, é importante entender qual método operacional você prefere: rompimento ou pullback. 

Abra sua conta na Clear e opere minicontratos de índice e dólar com corretagem ZERO! 

3º passo – Book de ofertas 

Seguindo, uma vez definido seu método de entrada e saída das operações, uma das coisas mais importantes para operar minicontratos é a leitura do fluxo de ordens, o famoso Tape Reading

Entender e interpretar o book de ofertas possibilitará entradas mais rápidas e certeiras devido à intensidade medida pelos players, pois você será capaz de entender se o teste daquele ponto que está de olho na compra/venda do seu setup possui interesse comprador/vendedor. 

Afinal,não adianta querer peitar o mercado sozinho, né? 

Para entendermos melhor, vamos pensar em um semáforo 🚦  

4 º ponto – Ajuste do dia

Além dos suportes e resistências gráficas, outro ponto muito importante que deve estar no seu gráfico de day trade em minicontratos é o Ajuste do Dia.  

Esse mecanismo de proteção utilizado pela B3 realiza um ajuste financeiro nas contas dos traders que passam comprados/vendidos naquele mercado futuro, sendo que dependendo da sua posição esse ajuste será positivo (crédito em conta) ou negativo (débito em conta). 

Muito mais do que uma referência de preço, podemos dizer que ele é um marco para o posicionamento dos players que passam comprados/vendidos naquele dia e a tendência que eles vão defender seu preço para serem creditados em conta.  

No caso “eles” são as tesourarias dos grandes bancos e fundos de investimento, por exemplo. Ou seja, tem muito dinheiro envolvido no tal Ajuste do Dia. 💰 

Por isso, o teste ou rompimento do ajuste do dia irá trazer volatilidade e, consequentemente, boas operações, pois sem dúvida existirá uma briga por posições no preço de ajuste, tanto para zeragem ou aumento de posição. 

5º ponto – Controle Emocional

Por fim, mas não menos importante, nada disso irá funcionar se você não tiver controle emocional. Por isso, minha dica é: comece utilizando os simuladores de mercado. Eles são importantes na vida do trader, especialmente nos primeiros meses de vida do setup, para testar em tempo real seu sistema e sua adaptação sem precisar gastar seu próprio dinheiro logo de cara. 

Utilizado de forma correta, ou seja, levando de fato a sério e não apenas um videogame, a conta demo é uma boa forma de aprender como funciona o mercado, ficar familiarizado com sua ferramenta de trabalho e ter o primeiro contato com a emoção de apertar o botão de compra e venda. 

Neste quesito, a Clear oferece dois simuladores day trade gratuitos: Tradezone e MetaTrader. 

Plataforma Zero

Até aqui conseguimos perceber que encontrar a plataforma ideal para o seu perfil também acaba sendo um passo fundamental. Portanto, para facilitar e encorajar isso, a Clear lançou a campanha de plataforma zero.  

Para ser elegível à campanha basta a realização de, no mínimo, um minicontrato, seja ele de índice ou dólar, com RLP ativo no mês.  

Pronto, sem segredos, só sucesso!  

Mas, vale ressaltar que, caso contrário, o valor integral da plataforma será cobrado no mês subsequente em que não for realizada uma operação de um minicontrato com RLP ativo.  

Algumas das plataforma que se aplicam são:  

Além de muitas outras.  

Importante: A gratuidade é válida somente para uma plataforma, no caso, a de maior valor.  

Não deixe essa oportunidade passar, aproveite agora mesmo! A campanha irá durar 12 meses, podendo ser cancelada a qualquer momento com aviso prévio de 30 dias.  

Bora pra cima com a Clear! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Escorregões devem sempre ser evitados, porque podem acabar nos machucando e o prejuízo pode ser grande, como uma perna quebrada, por exemplo. No mercado financeiro isso também pode acontecer – e ocorre com muito mais frequência do que gostaríamos. Por isso, é preciso evitar a Slippage, que pode transformar uma operação promissora em um mal investimento. 

Mas você sabe o que é Slippage? Sabe o que significa, como acontece e o mal que ele pode te causar? Você sabe a diferença entre Slippage e spread, por exemplo? 🤔 

Todos que operam na Bolsa de Valores, sejam traders ou investidores, experientes ou não, precisam estar muito atentos a este escorregão, se valendo de estratégias que o evitem. 

O Slippage pode ter um impacto bem negativo em sua operação de compra e venda de ações na Bolsa de Valores, que já é um mercado absolutamente volátil; portanto todo cuidado é pouco.  

Entenda exatamente o que é Slippage e como se proteger dele, tirando todas as suas dúvidas sobre o assunto neste conteúdo produzido para você. Boa leitura! 😉 

O que é Slippage? 

Traduzido para a nossa língua, Slippage significa algo como “uma escorregada” ou “um escorregão”. No mercado financeiro, é um termo muito utilizado pelos traders que operam na Bolsa de Valores, que se refere a uma ordem de compra ou de venda de ações que não ocorreu exatamente como foi prevista. 

Portanto, Slippage é um verdadeiro escorregão que o trader leva depois que uma ordem de compra ou venda de papéis não acontece exatamente como foi planejada. E, claro, isso não é nada bom!  

A foto mostra um homem em uma sala, mexendo em um notebook que está sobre uma mesinha de centro, em referência às pesquisas sobre slippage

É importante deixar claro que um Slippage pode acontecer não apenas com ações, mas também com qualquer outro ativo negociado na Bolsa de Valores. 

O Slippage não acontece de forma coletiva, atingindo um grupo de traders ao mesmo tempo, simultaneamente. É um movimento individual, um escorregão de um determinado trader ou investidor. 

O que é spread?

O spread, ou spread bancário, nada mais é do que a diferença entre o preço de compra e o de venda de alguma coisa, uma ação, por exemplo.  

É o spread, então, que define o lucro bruto de uma transação financeira. Portanto, é sempre fundamental que o trader fique de olho nele. 

Como acontece a Slippage?

Imagine que um investidor resolve comprar um lote de ações cujo papel está sendo vendido a R$ 34,00. Ele fez suas análises e decidiu que o negócio vale a pena e parte para a compra efetiva dos papéis, mas na efetivação do negócio o preço da ação foi alterado, subindo para R$ 34,30. 

Pode acontecer exatamente o contrário: na hora da efetivação, o valor da ação pode ter diminuído e o papel vendido a R$ 33,80, por exemplo. Isso significa que o Slippage pode ser negativo ou positivo, favorável ou não à posição do trader. 

O sistema realiza a compra pelo valor maior, naturalmente, e este é um exemplo clássico de Slippage, um verdadeiro escorregão que pode atrapalhar – e muito – os planos do investidor ou trader.  

É preciso destacar que o Slippage não é um movimento do mercado financeiro, mas sim a informação de que o spread, ou seja, o lucro da operação foi diferente do esperado. 

Mas como o Slippage acontece? Por que sua ordem de compra pode se transformar em um Slippage? São vários os motivos que podem ocasionar essa escorregada, mas os principais são: 👇 

Ou seja, não há um momento exato em que o Slippage pode acontecer – seria ótimo se uma simples equação indicasse este momento. Mas em geral, acontece em períodos de alta volatilidade, com pouco volume negociado.

A foto mostra um grupo de pessoas ao redor de uma mesa de escritório, conversando sobre slippage
Existem inúmeros motivos que podem acabar ocasionando Slippage, por isso, é importante estar por dentro do assunto para conseguir se preparar e proteger de possíveis escorregadas.

O que Slippage e book de ofertas têm em comum?

O book de ofertas, também conhecido como livro de ofertas, é o ambiente da plataforma de negociações da Bolsa de Valores onde os traders podem visualizar os preços dos ativos em negociação.  

São duas colunas, a que mostra o preço de compra e a que traz o preço de venda consolidado. O trader sabe, ali, o preço do momento. A partir daí, emitirá sua ordem de compra e venda, e é nesse momento que pode acontecer o Slippage. 

Qual a diferença entre Slippage e Spread?

Você deve estar se perguntando, então: qual a diferença entre o Slippage e o spread? 🤔 É uma excelente pergunta. Você já sabe que spread é a diferença entre o valor de compra e de venda de um ativo qualquer. 

A diferença é que a Slippage é a diferença entre o preço teórico de ordem e o preço real, que consta na ordem efetivamente executada.  

Enquanto isso, o spread de uma ação é brusco. É possível que tenha havido um Slippage nas ordens enviadas naquele instante, e consequentemente o lucro ou o prejuízo podem ser maiores do que o esperado. 

Qual o impacto da Slippage? 

Você também já sabe que um Slippage pode acontecer quando há alta volatilidade do mercado, acompanhada da falta de liquidez daquela ação específica. E isso afeta diretamente as operações em day trade, claro. 

O trader tem em mente uma estratégia toda montada para alcançar os resultados esperados, e tudo é milimetricamente calculado – mas é claro que inúmeras situações podem minar esta estratégia e não permitir que os resultados aconteçam como previstos. 

Um Slippage pode por abaixo uma estratégia excelente, transformando uma operação promissora e muito bem estudada em uma operação perdedora, mesmo diante de uma pequena diferença na alteração dos preços da ordem de compra e venda das ações. 

Portanto, o Slippage pode significar, em uma palavra direta e objetiva: prejuízo. É preciso estar bem atento e evitar este verdadeiro escorregão. Vale lembrar que ela também pode gerar lucro, quando o preço de compra da ação acaba sendo menor do que o previsto, mas em geral não é o que acontece. 

Como evitar uma Slippage?

Na verdade, o Slippage é uma realidade e é difícil – poderíamos dizer até impossível – apontar algum trader experiente que não tenha vivido ao menos um ou mais escorregões destes em suas operações.  

É preciso tomar alguns cuidados, que podem ajudar muito a evitar essa ocorrência. Traders experientes trabalham com três condições básicas para se defenderem da possibilidade de um escorregão que cause prejuízos: 👇 

  1. Operar ativos de grande liquidez: operações de trading, que são naturalmente mais especulativas, devem ser realizadas com ativos de maior liquidez. Lembra que a baixa liquidez é um dos motivos preponderantes da Slippage? 
  1. Evite operar com grandes lotes: é sempre mais difícil vender um lote grande de uma só vez, por exemplo, e ainda é condição básica de uma Slippage. 
  1. Mais operações, mais chances de Slippage: é muito comum que day traders percam dinheiro com estes escorregões, não previstos. Operar com baixa frequência é uma outra forma de se proteger. 

Confira algumas dicas para se preparar: 

#01: Automatize sua estratégia

Uma boa dica é automatizar sua estratégia, que oferece um gerenciamento de risco muito mais preciso.  

É possível delimitar o número de entradas e saídas durante o intervalo de negociação dos ativos, daí se ocorrer um Slippage negativo um plano de contingência aos riscos já definido pode ser lançado, evitando maiores prejuízos. 

#02: Usando robôs

A verdade é que o tempo de envio de uma ordem pode ser, também, um dos culpados pelo Slippage. O uso de um robô pode reduzir o tempo de execução a uma fração de segundos, e isso pode ser determinante. 

#03: Retail Liquidity Provider (RLP)

A Bolsa de Valores passou a aceitar ofertas Retail Liquidity Provider (RLP), ou seja, o investidor ou trader pode comprar lotes maiores em que a própria corretora é contraparte nos negócios de compra e venda, garantindo o melhor preço do book de ofertas (ou livro de ofertas). 

A vantagem é a geração de liquidez para a execução da ordem, o que pode ajudar a evitar a Slippage. 

#04: Utilize uma conexão estável

Pode até parecer óbvia essa dica, e é mesmo. Mas muitas vezes, o trader opera a partir de uma conexão à internet instável – e nem sabe disso. Uma das causas da Slippage é justamente a falha e a instabilidade de conexão.  

Uma conexão por cabo é sempre mais segura, estável e veloz do que a conexão wi-fi. Fique de olho nisso. 

#05: Plataforma segura, confiável e estável

Pois é, como é o home broker que você está utilizando em suas operações. É fundamental que a plataforma seja segura, confiável e plenamente estável, e isso pode, sim, fazer toda a diferença, evitando uma Slippage. 

No blog da Clear você encontra inúmeros conteúdos produzidos por nossos especialistas, que vão lhe ajudar a entender melhor como funciona o mercado financeiro e como investir com mais assertividade.  

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


No campo jurídico, a arbitragem tem como objetivo conciliar as duas partes antes que elas recorram aos tribunais. No esporte, é quem define a validade das jogadas.  

No mercado financeiro, porém, a chamada arbitragem financeira busca o lucro na compra e venda de ativos a partir da diferença de preços entre eles em mercados diferentes. 

Ou seja, é sobre a distorção de preços de um mesmo ativo que a arbitragem financeira acontece. 

Mas o que é arbitragem no mercado financeiro? Quais são os tipos de arbitragem financeira, suas vantagens e seus riscos? É o que veremos agora neste conteúdo preparado para que você possa entender tudo sobre esse assunto – e lucrar com ele também. 😉 

Continue acompanhando e boa leitura!  

O que é arbitragem financeira?

A arbitragem financeira é uma operação caracterizada pela compra e venda de um determinado ativo em diferentes mercados, e o objetivo é sempre alcançar uma boa lucratividade sobre a discrepância de preços entre eles.  

Quando o trader busca a arbitragem financeira, ele explora os diferentes preços de instrumentos financeiros idênticos, mas negociados em mercados distintos. 

Isto significa que a arbitragem financeira será o resultado da distorção de preços de um mesmo ativo, negociado em mercados diferentes. 

Como a arbitragem financeira funciona?

Imagine que uma pessoa queira vender sua Smart TV novinha, ainda na garantia, por R$ 1.500,00, e que outro indivíduo procura exatamente este televisor, seminovo, e está disposto a pagar até R$ 2 mil por ele.  

Uma terceira pessoa entra nesta história como intermediador, identificando esta distorção de preços entre a oferta e a demanda, e viabilizando a negociação, ganhando sobre ela. 

Esse exemplo explica muito bem o que é arbitragem financeira e como ela funciona.  

Agora imagine um trader que quer comprar uma commodity de café, por exemplo, e sabe que o preço da saca do produto está sendo negociado a, digamos, R$ 120,00. Mas olhando para o mercado futuro, para liquidação em seis meses, o preço está sendo negociado a R$ 140,00. 

Este trader toma um empréstimo que lhe custará, nestes seis meses, o montante de R$ 10,00. Com os R$ 120,00 tomados, faz a compra da saca de café, mantém o produto armazenado por seis meses, o vende por R$ 140,00, salda o empréstimo e, no final das contas, alcançará um lucro de R$ 10,00 sem utilizar um centavo sequer de seu capital próprio. 

Quando acontece a arbitragem financeira?

A arbitragem financeira acontece sempre que um bem comprado em um mercado for vendido simultaneamente em outro por um preço maior, gerando lucro para o investidor. 

Não é uma tarefa das mais fáceis identificar distorções de preço no mercado financeiro, e quando são identificadas sempre há traders muito atentos e dispostos a aproveitá-las.  

Com a melhoria dos recursos tecnológicos, a eficiência é cada vez maior e os preços são corrigidos mais rapidamente. Assim, se o trader identificar uma arbitragem financeira, precisa realizá-la imediatamente se este for o seu objetivo. Caso contrário, outro o fará. 

Pessoa sentada em uma mesa com um notebook prata aberto e um pote de canetas e lápis ao lado. Ela está usando uma camisa de botões preta e está segurando uma caneta com a mão direita.
Existem diferentes tipos de arbitragem financeira. Para ficar por dentro do tema, é importante entender o que são e como funcionam os diferentes tipos, além de entender como eles se aplicam.

Conheça os tipos de arbitragem financeira!

Agora você já sabe o que é arbitragem financeira, como funciona e quando acontece. Mas é preciso conhecer os tipos de arbitragem financeira.  

Vamos falar de cinco diferentes tipos: 

  1. arbitragem cambial; 
  2. arbitragem de futuros; 
  3. arbitragem de ações; 
  4. arbitragem do mercado fracionário; 
  5. arbitragem de ADRs.  

Todas podem proporcionar bons resultados para os traders, confira: 👇 

#01 – Arbitragem cambial 

A arbitragem cambial é caracterizada por negociações de uma mesma moeda em dois mercados diferentes, cujo objetivo é alcançar uma boa lucratividade a partir da diferença de valores entre elas. 

#02 – Arbitragem de futuros

A arbitragem de futuros acontece a partir de uma boa análise feita com base em contratos futuros, quando o trader lucra com a compra e venda de ativos. O lucro virá das variações dos valores de mercado atuais e suas perspectivas futuras. 

#03 – Arbitragem de ações

O trader realiza operações em arbitragem de ações quando a competência das ações preferenciais (PN) e ações ordinárias (ON) de uma mesma empresa proporciona distinção entre os valores, e isto pode gerar lucratividade. 

#04 – Arbitragem do mercado fracionário 

O trader compra ou vende as ações no fracionário até adquirir 100 ações e vendê-las (ou comprá-las) no lote cheio. Nesta situação poderá acontecer distorções de preço, o que viabiliza a arbitragem do mercado fracionário. 

A arbitragem do mercado fracionário é mais cara se comparada a compra da ação por lote cheio porque tem mais liquidez.  

#05 – Arbitragem de ADRs 

Por fim, na arbitragem de ADRs, o trader faz compras e vendas de ativos de outros países (em bolsas de valores de países nas quais não estão a sede da companhia) e estas negociações são realizadas por meio de certificados de depósitos de valores mobiliários – os ADRs ou BDRs.  

A arbitragem acontece efetivamente quando o trader encontra uma alteração de valores entre os ativos negociáveis de outro país com o valor das ações de negociação no Brasil. 

Vantagens da arbitragem financeira

É claro que o lucro é o objetivo final da arbitragem financeira, e adotá-la como estratégia para operar no mercado financeiro pode trazer excelentes resultados. Mas a isenção de risco por parte do ativo é, sem dúvidas, a principal vantagem da operação de arbitragem financeira.  

Isso acontece porque o trader não está segurando alguma posição, mas sim comprando em uma ponta e vendendo em outra. 

Riscos da arbitragem financeira

Como tudo nesta vida, a arbitragem na Bolsa de valores também envolve riscos, e é preciso estar consciente e atento a isso. O trader precisa estar bem atento porque a operação também pode se transformar em prejuízo. 

#01: Oscilação e liquidez

Um dos riscos mais comuns é a oscilação de valores de um ativo em um curto prazo que pode ser interessante para a arbitragem financeira, mas também pode apresentar alterações na liquidez. 

#02: Risco operacional

O risco operacional é outra desvantagem da arbitragem financeira. É quando o trader não consegue finalizar a operação propriamente dita, portanto a agilidade é primordial para o sucesso da arbitragem financeira.  

O uso de um robô ou um sistema automatizado de ponta podem ser muito úteis neste caso. 

#03: Risco de governança

É verdade que este é um risco mais raro, mas acontece e é relevante: o risco de governança pode trazer movimentos atípicos e ações ordinárias (ON) podem ficar mais caras que as ações preferenciais (PN), atingindo até mesmo os dividendos.  

Agora você já conhece o que é arbitragem financeira e está por dentro das vantagens e dos riscos, não é mesmo? Ficou com alguma dúvida, deixe nos comentários e confira outros conteúdos completos no nosso blog Master Clear

Bora pra cima! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Utilizar as ferramentas disponíveis para identificar, analisar e confirmar tendências do mercado de ações é realmente fundamental para os traders e investidores em geral, mesmo os iniciantes. Uma das características mais importantes deste conjunto de indicadores técnicos é a média móvel. Mas será que você sabe o que é média móvel e, mais do que isso, a diferença entre média móvel simples e média móvel exponencial? 🤔 

Pensando nisso, preparamos este conteúdo para explicar o que é média móvel simples e média móvel exponencial, como calcular essas médias, como utilizá-las e, ainda, o porquê.  

Continue acompanhando e boa leitura! 😉 

Média Móvel Simples x Média Móvel Exponencial

A foto mostra uma mulher, em um escritório, fazendo anotações sobre média móvel simples em um caderno. À sua frente, na mesa, ainda há um notebook e um vaso de plantas.

A média móvel é, de fato, uma ferramenta fundamental, pois oferece mais segurança ao trader na hora de decidir pela compra ou venda de ações na Bolsa de Valores, já que é capaz de confirmar tendências e ajudar a apontar a hora de sair ou entrar em uma posição. 

São dois os tipos de média móvel disponíveis para análise: a média móvel simples e a média móvel exponencial. É muito importante que você entenda o que são e como funcionam, para utilizar os dois indicadores técnicos na busca pelos resultados mais assertivos. 

Vamos entender, então, o que são média móvel simples, média móvel exponencial e como utilizá-las? 

O que é média móvel?

Um dos mais importantes indicadores técnicos disponíveis, utilizados por traders (inclusive os mais experientes), é a média móvel. Ela oferece a possibilidade de identificar tendências e reversões nos movimentos da Bolsa de Valores, e isso é fundamental para se buscar os melhores resultados na compra e venda de papéis. 

A média móvel é uma espécie de rastreador de tendências, uma ferramenta fundamental para promover a análise técnica das ações que você pretende comprar ou vender. O objetivo é apontar o preço médio de um ativo, em um determinado período, além da sua mudança neste tempo observado. 

Isto significa que a média móvel mede as tendências de queda e de subida de uma determinada ação na Bolsa de Valores. A média móvel parte do preço de fechamento do ativo por um determinado número de dias.  

Em geral, os traders mais experientes costumam optar por 9, 21 e 34 dias, para acompanhar as tendências de curto, médio e longo prazo na Bolsa de Valores. Mas é você quem irá determinar o período a ser analisado. 

Média Móvel Simples

Também conhecida como MMS ou SMA, a média móvel simples é a mais comum entre as duas.  

O que é?

A média móvel simples aponta a média dos preços de fechamento para um determinado período definido pelo usuário da ferramenta. Se você definir um período de 30 dias, a SMA mostrará o preço médio do ativo nestes 30 dias. 

Elas são muito populares entre traders e investidores porque ilustram de uma forma bem fácil e simples as tendências de longo prazo de um determinado papel. 

Como utilizar? <h4> 

A fórmula para utilizar a média móvel simples é bem simples e fácil:  

MMS = (v1 + v2 + v3 + … + vn)/N. 

O V equivale ao valor do papel e o N é o número de dias considerados no cálculo.  

Digamos que você opte por fazer a média móvel simples de 12 dias. Sua equação será:  

MMS = (v1 + v2 + v3 +v4 +v5 + v6 + v7 + v8 + v9 + v10 + v11 + v12) /12.  

Trata-se de uma média aritmética, onde o somatório de um conjunto de valores números é dividido pela quantidade de elementos somados. 

Média Móvel Exponencial

A média móvel exponencial também é chamada de MME ou EMA. Ela é diferente da média móvel simples e um pouco mais complexa.  

O que é? 

Na média móvel exponencial o foco está no preço mais recente. Ela é a média “mais no momento” porque está concentrada nos pontos de dados mais recentes. 

O cálculo da MME é um pouco mais elaborado porque os preços mais próximos dos dias recebem mais peso do que os preços mais antigos. E esta é uma diferença marcante dela para a MMS: a base móvel exponencial se baseia em dados históricos recentes em vez de dar um peso igual a todos os preços em um intervalo de tempo, como a média móvel simples faz. 

O objetivo maior da média móvel exponencial é acompanhar de forma mais veloz a mudança do preço de uma ação, o que é muito importante em um mercado tão volátil como a Bolsa de Valores. 

Como utilizar?

O cálculo da média móvel exponencial é um tanto mais complexo do que o da média móvel simples. A equação é a seguinte:  

MME = (V1 – MME anterior) x (2/(n + 1) + MME anterior, onde o n é o número de períodos e o v é o valor. 

As MMEs são muito utilizadas para confirmar tendências de curto prazo. Ela dá menos importância aos preços antigos. 

Conclusão 

A média móvel simples e a média móvel exponencial – os dois tipos de média móvel – são das mais populares ferramentas utilizadas por traders, iniciantes ou não, para entender o movimento do mercado de ações. Ambas apontam tendências, e como diz o jargão: “a tendência é a melhor amiga do investidor”. 

É sempre bom lembrar que a alta volatilidade da Bolsa de Valores é um fato e utilizar as ferramentas disponíveis é apenas uma das várias condições para se alcançar bons resultados.  

Também é preciso estar muito bem informado, contar com a assessoria de especialistas dedicados e ter paciência, calma e foco. 

Você deve utilizar ambas as médias móveis. A média móvel simples é bem mais fácil de utilizar e seu forte é confirmar tendências de longo prazo. Já a média móvel exponencial apresenta as mudanças de tendências.  

Portanto, não se trata de identificar qual é a melhor. O ideal é utilizá-las em conjunto com outros indicadores para que você possa alcançar seus objetivos e lucrar bastante com a compra e venda de ações na Bolsa de Valores. 

No blog da Clear você encontra inúmeros conteúdos produzidos por nossos especialistas, que vão lhe ajudar a entender melhor como funciona o mercado financeiro e como investir com mais assertividade.  Não deixe de conhecê-lo e explorá-lo!

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Para alcançar sucesso na Bolsa de Valores, é preciso ter conhecimento sobre o mercado financeiro, estar muito bem informado e utilizar ferramentas que ajudam na leitura do cenário financeiro ーe principalmente na tomada de decisão. O book de ofertas é uma delas: relevante, assertivo e muito utilizado por quem está começando a investir na Ibovespa, mas também por traders e mais investidores experientes. 

E você, sabe como funciona o book de ofertas ou pra quê ele serve? Como ele pode ser útil para as suas análises? Bora descobrir? 😉 

O que é um book de ofertas? 

Book de ofertas (ou livro de ofertas) é onde são registradas e apresentadas as intenções de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores. 

O nome dessa ferramenta se refere ao processo feito antigamente: antes do uso dos potentes computadores do mercado financeiro, as intenções de compra e venda eram escritas em um livro e repassadas para um quadro, que ficava disponível para todas as pessoas presentes no pregão. 

O book de ofertas é uma importante ferramenta para traders que operam em curtíssimo prazo na Bolsa. Isso porque ela permite o acompanhamento da movimentação dos preços dos ativos, o desenvolvimento de estratégias, como as de minicontratos, e dá suporte na tomada de decisões mais assertivas. 

+Especulação financeira: tipos, livros e como especular 

Ah! É válido lembrar que o livro de ofertas é disponibilizado através do Home Broker, que pode ser acessado por meio de uma corretora de valores, como a Clear.  

Como o book de ofertas funcionava antes dos computadores? 

Pode parecer uma cena inimaginável para os dias de hoje, e é mesmo. Mas antes do uso de computadores na Bolsa de Valores, na época em que o pregão acontecia viva voz, quem investia informava os valores de compra ou de venda dos ativos, um funcionário da Bolsa anotava tudo em um caderno e, depois, este conteúdo era informado por meio de uma grande lousa. Isso mesmo, tudo escrito à giz. 👨‍🏫 

Ali, todos os presentes no pregão (presencialmente, é bom pontuar), podiam conferir tais valores. À medida que as ordens eram atendidas, era preciso apagar o que estava escrito na grande lousa e escrever as novas ofertas. E assim aconteciam as negociações e as operações de compra e venda.  

Não à toa ainda é conhecido no mercado de ações, até hoje, o termo “colocar a ordem na pedra” – que era o ato da escrita das ofertas. 

O book de ofertas era imprescindível, e ainda é para os traders, mas hoje é absolutamente informatizado, é claro! 

Como funciona o book de ofertas hoje? 

Na atualidade, o book de ofertas funciona de forma on-line: as ordens de compra de ações ficam listadas no livro em ordem decrescente, de acordo com o valor estabelecido. Isso significa que, no topo da lista, estarão as especificações das ordens de compra de maior valor. 

Já as ofertas de venda são listadas ao contrário, ou seja, em ordem crescente, de acordo com o valor. Assim, as ordens de menor valor estarão no topo do livro de ofertas. 

Mas e as ofertas de compra e de venda iguais, como ficam? 🤔 Nesse caso, ambas aparecem de acordo com a ordem cronológica, ou seja, de chegada. Quem insere primeiro tem prioridade na lista. 

O negócio é executado quando o sistema registra ordens de compra e de venda do mesmo valor e, consequentemente, estas ordens são removidas da lista automaticamente. No lugar delas, novas ofertas são apresentadas. 

Além disso, o book de ofertas tem três pontos principais:  

  1. O preço das ofertas; 
  2. A quantidade ofertada;
  3. A instituição que está promovendo a oferta. 

Para que serve o book de ofertas?

O book de ofertas serve para que traders, principalmente, consigam entender onde estão as oscilações, identificando movimentos de alta e baixa, verificando, assim, como um determinado papel de seu interesse está sendo precificado. 

Outro ponto importante é que o livro de ofertas serve para estudar as perspectivas de valorização e de liquidez de papés ーmas é preciso ter cuidado com blefes, porque podem existir algumas pessoas que lançam as ordens de compra e venda, e as cancelam logo em seguida com o objetivo de confundir e testar o mercado. 

Não deixe de conferir o vídeo em que ensinamos a olhar o book de ofertas dentro do Clear PRO, nosso Home Broker: 

Tipos de books de oferta 

Existem dois tipos de livro de ofertas, e é importante entender a diferença entre cada um deles. Vamos lá? 👇 

Tipo#01: book de preços 

O book de preços é uma ferramenta que apresenta o total de ofertas que existem por faixa de preço, sem indicação do player (a corretora) de onde a ordem foi enviada. Cada linha do book de preços vai apresentar um preço diferente. 

Ou seja, o book de preços traz a cotação dos papéis de uma maneira geral. O trader acompanhará nele o melhor preço de compra e venda de cada ação, mas não poderá acompanhar a quantidade de ofertas e o volume de negociação. 

Tipo #02: book de ofertas  

O book de ofertas, propriamente dito, apresenta ao trader, seja ele um scalper ou um swing trader, as operações de compra e venda por lotes de ações.  

Isso significa que o trader poderá monitorar todas as ordens de compra e venda individualmente. A grande vantagem é poder fazer uma análise muito mais assertiva de cada papel, e isso pode ser fundamental para o sucesso do investimento. 

Vantagens de se utilizar o book de ofertas 

Se liga por que é interessante utilizar o book de ofertas na hora de negociar seus ativos: 

👉 Você pode definir a melhor estratégia na hora de executar uma ordem de compra ou venda; 

👉 É possível entender melhor o “humor” do mercado e se beneficiar com isso; 

👉 Promove análises mais precisas e assertivas sobre as ações que estão sendo negociadas; 

👉 Você consegue emitir ordens de compra e venda mais rapidamente. 

Como utilizar o book de ofertas?  

São apenas 4 passos que você precisa dar para utilizar o book de ofertas a seu favor. Veja só:  

1º passo: Definir os papéis que você quer acompanhar e negociar 

As corretoras permitem que você customize o home broker, então se a ideia é simplificar a análise dos papéis escolhidos e tomar decisões, defina quais são as ações que você pretende comprar ou vender. 

2º passo: Analisar o livro de ofertas  

Com o home broker devidamente personalizado, agora você pode fazer sua análise, que é fundamental para entender como está a volatilidade das ações escolhidas e quais são os maiores preços de compra e de venda desses papéis. 

3º passo: Tente chegar primeiro! 

As execuções de compra ou venda acontecem naturalmente por ordem de chegada, quem emite primeiro tem prioridade. Portanto, certifique-se da quantidade de ofertas e veja se há alguém disposto a comprar ou vender os papéis que você quer vender ou comprar, respectivamente. 

4º passo: Pense estrategicamente 

Depois de analisar o livro de ofertas, é preciso montar uma boa estratégia para alcançar o melhor preço de venda ou compra.  

De nada adianta comprar por um preço muito baixo e, ainda assim, perder dinheiro com sua compra, ou, ao contrário, definir um preço muito alto pelos seus papéis e não encontrar um comprador para eles. A prática de análise do book de ofertas vai te ajudar a montar a melhor estratégia para suas investidas na Bolsa de Valores. 

Por fim, book de ofertas vale a pena?

A foto mostra uma mulher deitada na cama, tomando café e mexendo no notebook, pesquisando sobre book de ofertas
No fim das contas, é você quem vai poder dizer se o book de ofertas faz sentido para a sua estratégia 

E aí fica a pergunta final: será que vale a pena utilizar o book de ofertas? Este uso fará alguma diferença para você, trader, ou investidor iniciante? 

Bom, o livro de ofertas é uma dentre diversas ferramentas que podem teajudar a investir com mais assertividade no mercado financeiro, especificamente na Bolsa de Valores.  

Ele ajuda a lidar com as negociações no curto prazo, oferece a chance de se promover uma boa análise dos papéis e a entender a volatilidade do mercado e, desta forma, torna-se bem útil e oportuno. 

Se o book de ofertas efetivamente auxilia na tomada de decisões, em busca dos melhores resultados, é claro que vale a pena utilizá-lo! Mas é muito importante lembrar que esta é uma ferramenta de interpretação, ou seja, que auxilia na análise e na interpretação do mercado –obviamente, ele não substitui e nem exclui o seu poder de decisão. 

E aí, gostou de entender um pouco mais sobre como funciona o book de ofertas? Preparado pra começar a investir com a gente? 🚀

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Se você está interessado em começar a investir na Bolsa de Valores e não sabe qual modalidade escolher, a primeira coisa a fazer é analisar o seu perfil de risco.  

Entender quanto tempo e dinheiro você está disposto a investir para depois escolher o estilo de operação que melhor se encaixa no seu perfil é uma maneira muito mais fluida de entrar no mundo dos negócios 

Mas, entre tantas opções disponíveis no mercado, o Position Trade se destaca para quem visa o médio e o longo prazo. Essa modalidade pode durar de semanas até anos, dependendo do objetivo final e do ganho desejado.  

Por isso ela é indicada para pessoas que não têm tempo de acompanhar todos os dias o movimento da bolsa e preferem ter uma baixa margem de risco de prejuízo. 

Se interessou? Confira o conteúdo completo que separamos para você e fique por dentro do Position Trade! 😉 

Position Trade: Como investir?

Antes de começarmos, a escolha da empresa que será alvo do investimento é um ponto primordial no Position Trade, já que algumas companhias apresentam boas projeções no curto prazo, enquanto outras só manifestam tendências lucrativas em meses e até mesmo anos.  

Portanto, analise bem o capital que será aplicado e em quanto tempo deseja ver o lucro esperado. Cada detalhe deve ser observado e considerado antes de fazer a aquisição, evitando possíveis frustrações. 

Ainda que o Position Trade seja uma boa opção para quem não tem tempo de acompanhar a bolsa todos os dias, o ideal é verificar a operação pelo menos uma vez por semana.  

A observação do desempenho da empresa e a conferência dos gráficos do mercado financeiro são indispensáveis para identificar possíveis mudanças nos rumos da organização que possam indicar a necessidade de rever a estratégia. 

Por isso, fique de olho! 👀 

Outro ponto que você deve ficar atento são as notícias sobre a empresa, tendências do mercado, andamento dos lucros, tamanho das despesas e demais informações.  

A análise fundamentalista costuma ser uma grande aliada dos investidores, pois oferece referências reais e palpáveis, que podem ser averiguadas de forma prática e com segurança.  

Dessa forma, a leitura dos cenários irá ajudar a identificar a hora certa de vender os ativos e realizar o lucro. Só sucesso, não é mesmo? ⭐ 

Riscos do Position Trade

Assim como qualquer operação de renda variável, o risco de prejuízo sempre existe. Mas, nesse caso, em comparação com modalidades como o Day Trade e o Swing Trade, as chances de perdas são menores. 

Com o Position Trade você estabelece um objetivo e seu investimento continua em ação até que esse lucro seja alcançado. 

Position Trade x Buy and Hold

O Position Trade e o chamado Buy and Hold são operações muito semelhantes e que acabam sendo confundidas. A principal diferença é que no Buy and Hold a pessoa investe em uma empresa que tem expectativa de lucros futuros, com prazos que podem durar décadas.  

No Buy and Hold é criada uma mentalidade de sociedade na empresa, pois a ação é comprada e mantida. Já no Position Trade, quando o objetivo almejado é alcançado, a ação já é vendida e o lucro obtido.  

É uma ótima opção caso você deseje ver seu lucro mais rapidamente, em um período de semanas ou meses, sem precisar analisar os gráficos do mercado financeiro diariamente. 

Quais são os conhecimentos que um Position Trader precisa ter?

Embora seja uma operação que não demande tanto estudo e dedicação quanto outras, ainda assim é importante dedicar algumas horas na semana para análise e especialização na área, lembrando que quanto mais tempo dedicado, maiores as chances de sucesso. 

No Position Trade, o investidor vai fazer uso das análises técnica e fundamentalista e, se não houver um conhecimento prévio, a chance de se perder nas informações e ter prejuízo é muito grande. 

Qual a diferença entre análise técnica e fundamentalista?

A análise técnica é basicamente o estudo dos gráficos diários, semanais e mensais da Bolsa de Valores. Já a análise fundamentalista se baseia nas informações sobre a situação atual da empresa, perfil da gestão, resultados financeiros e etc. 

Alguns investidores costumam se especializar em apenas uma dessas análises, mas é importante lembrar que quanto maior o conhecimento, maior a possibilidade de altos lucros. 

Vantagens do Position Trader

Como vimos até aqui, o Position Trade possui diversas vantagens. Algumas das que mais chamam atenção são: 👇 

Baixo custo

Por ser uma operação de longo médio a longo prazo, as taxas são menores e, consequentemente, haverá economia por parte do investidor; 

Menor risco

Essa modalidade não demanda uma antecipação dos movimentos do mercado, ou seja, você pode esperar a confirmação da projeção para depois realizar a ação desejada; 

Menos tempo dedicado

Diferentemente do Day Trade, você não precisa acompanhar diariamente as tendências do Mercado Financeiro, o que o torna uma ótima opção para quem não pode dedicar muito tempo à observação e ainda assim quer se tornar um investidor; 

Oscilações diárias não afetam

Por ser uma operação mais longa, as ações adquiridas não são afetadas pelos ruídos do mercado, pelo contrário, você só realiza a venda quando vir uma projeção favorável ao seu bolso. 

Com isso, vemos que o Position Trade é uma ótima opção para quem deseja fazer um investimento de médio a longo prazo com risco reduzido e sem necessidade de dedicar tempo diariamente ao estudo e acompanhamento do mercado. 

Quer investir utilizando Position Trade? Abra sua conta na Clear! Você não paga nada e tem taxa zero de corretagem para todos os nossos produtos. Aproveite! 

Array

Array

Navegue por assunto


A foto mostra uma mulher, na rua, mexendo no celular enquanto caminha.

Se você investe em renda variável, já deve saber que é muito importante redobrar a atenção com a volatilidade, especialmente se considerarmos os acontecimentos mais recentes que vêm ocorrendo aqui no Brasil. 

Por isso, separamos duas estratégias que permitem proteger seu patrimônio em tempos como esse: 

1. Diversifique sua carteira 

A primeira estratégia para driblar a volatilidade é considerar investir seu dinheiro em outros ativos, países ou moedas, porque, nesses casos, sua rentabilidade não irá depender exclusivamente de oscilações do Brasil.  

É possível, por exemplo, internacionalizar uma parte dos seus investimentos através de BDRs e ETFs, ou investir em ativos, como as commodities, que protegem seu capital do aumento da inflação. 

Na sequência, a gente te fala um pouquinho mais sobre cada um deles: 

O que são BDRs e como investir? 

BDR é a sigla que representa os Brazilian Depositary Receipts, certificados de ações que são negociadas no Brasil, no pregão da B3, mas que são emitidas por empresas do exterior. 

Ainda vale lembrar que os BDRs são caracterizados como um investimento de renda variável

Para investir em BDRs, é necessário ter uma conta em uma corretora de valores. Assim, você escolhe os tipos de ações que deseja e pode começar a operar; depois é só ficar de olho no desempenho dos seus papéis. 

Tipos de BDRs para investir 

Existem dois tipos de BDRs: os patrocinados e os não-patrocinados. 

Quando falamos de BDRs patrocinados, estamos nos referindo àqueles que têm participação direta na emissão dos papéis em território brasileiro. Esse tipo de BDR pode ser dividido em três níveis, de acordo com as informações que devem ser fornecidas ao mercado. 

Já no caso dos BDRs não-patrocinados, ocorre o contrário: eles são emitidos sem a participação da empresa e, inclusive, podem ser emitidos por mais de uma instituição financeira. Esse tipo de BDR é sempre classificado como BDR nível I. 

De maneira geral, todos os BDRs nível I devem ter suas informações divulgadas aqui no Brasil —as mesmas informações que foram divulgadas em seu país de origem. Além disso, a empresa que emite as ações desses tipos de BDRs não precisa estar registrada na CVM

Os BDRs nível II e III, diferentemente, são emitidos por empresas que, obrigatoriamente, possuem registro na CVM, e a principal diferença entre os dois níveis é que os BDRs nível III são registrados “na hipótese de distribuição pública simultânea no exterior e no Brasil”

O que são ETFs e como investir? 

A foto mostra um homem sentado à mesa, na frente de um notebook. Ele leva uma das mãos ao rosto e olha para a tela, numa expressão pensativa.

ETF é a sigla que representa os Exchange Traded Funds, ou fundos de índices negociados na Bolsa. Os ETFs têm sua rentabilidade relacionada a algum índice de referência, como o Ibovespa e o S&P 500. 

Alguns dos principais ETFs listados na Bovespa são: BOVA11, BRAX11, IVVB11 e DIVO11. A relação atualizada, o código de negociação, agentes autorizados e o histórico de cotação de todos os os ETFs podem ser encontrados no site da B3

As principais características que diferenciam os ETFs de outros fundos de investimento são: 

Depois de entender o conceito de ETF,  talvez você se pergunte, por exemplo, se existe um valor mínimo para começar a investir ou qual é o caminho mais simples para isso. 

Bem, só é possível investir em ETFs através de uma corretora de valores, como a Clear, dado que as negociações são feitas por meio de um home broker um por um app de investimentos.  

A dica é estudar a respeito do índice no qual sua rentabilidade é espelhada. E não se esqueça dos seus objetivos principais. Essa pesquisa sobre o índice ainda vai te ajudar a entender qual é o valor mínimo da cota de negociação, que varia de acordo com o tipo de ETF. 

O que são commodities e como investir? 

Commodities, segundo a tradução literal, são mercadorias. No mercado de investimentos, dizemos que as commodities são matérias-primas fabricadas em ampla escala, mas com um grau de industrialização pequeno, que podem ser estocadas durante muito tempo sem perder sua qualidade. 

Existem quatro categorias de commodities: 

Investir em commodities pode ser uma boa estratégia para lidar com a volatilidade, já que a oscilação dos preços desses produtos varia de acordo com a oferta e a demanda. 

Além disso, as commodities são negociadas no mercado futuro, por meio dos contratos futuros, que funcionam como uma garantia em relação às variações de valores, e nos quais é possível operar grandes quantidades sem, necessariamente, ter todo o capital. 

2. Stock Picking 

A segunda estratégia que você pode utilizar para proteger seu patrimônio é escolher ativos de qualidade e com potencial de crescimento. Ou seja, optar por empresas sólidas, com uma boa perspectiva de valorização. 

No caso de empresas brasileiras, pode ser preferível investir em ações com tese de crescimento que não depende apenas do cenário local, ou, então, investir em ações de empresas líderes de segmento, que são referência de gestão. 

E existem, ainda, as empresas exportadoras, que não dependem somente de consumidores brasileiros.  

Por fim, pode ser interessante considerar o investimento em ações defensivas (como energia, saneamento, telecomunicações ou varejo alimentar), que não são muito ligadas a ciclos econômicos, não dependendo de fortes recuperações econômicas para continuar entregando potencial de valorização. 

No vídeo abaixo, você encontra todas essas informações e, se ficou alguma dúvida em relação a esse assunto, é só deixar um comentário pra gente: 

Na Clear, você pode diversificar sua carteira investindo em ETFs, BDRs e muito mais. Tudo sem pagar nenhuma taxa. Abra sua conta de forma on-line e 100% gratuita! 

Até a próxima! 

Clique e abra sua conta na Clear