Array

Array

Navegue por assunto


Procurando bons livros para traders? Essa é uma atitude inteligente.

Operar na bolsa de valores é uma atividade que exige dedicação, mas também requer capacitação.

E é nesse sentido que ler pode ajudar – e muito.

Como não é necessária nenhuma formação acadêmica específica para se tornar um trader, você é capaz de aprender sozinho sobre a atividade.

Claro, é desejável que se tenha uma certa aptidão com números e raciocínio lógico, porém as prateleiras das livrarias serão grandes aliadas.

Seja para quem está começando ou já tenha experiência, obras que tratam do assunto são capazes de, através de diferentes formas, melhorar sua prática e fazer você lucrar.

Pensando nisso, separamos uma lista com as melhores leituras sobre esse campo para você aprender e praticar as lições em seus investimentos de renda variável.

Siga lendo e aprendendo!

Importância e vantagens de ler livros para day trader

Um day trader é um investidor que opera no mercado financeiro através de uma estratégia de curto ou curtíssimo prazo, aproveitando as oscilações da bolsa de valores para obter ganhos.

Entre a compra e a venda de ações, por vezes, se passam apenas alguns minutos.

Tudo acontece no mesmo pregão, em um único dia.

É uma atividade que demanda conhecimento sobre conceitos de economia, aplicações, influências do mercado e até controle emocional.

Quem quer se tornar um trader não precisa ter nenhuma graduação acadêmica, porém, é necessário bastante estudo e prática.

Um dos principais fundamentos exigidos é o domínio da análise técnica, onde se observa gráficos para acompanhar as oscilações dos preços das ações.

Outro fator importante é ter clareza dos seus próprios objetivos com os rendimentos e saber que a chance de perder dinheiro existe.

Saber gerenciar riscos, então, é outro requisito básico.

Especialmente sobre esses dois princípios – técnica e emocional – a leitura pode ser de grande valia.

A experiência dos autores permite que conceitos sejam transmitidos em um vocabulário mais prático.

Além disso, as histórias pessoais servem de inspiração e reforço para quem está entrando no negócio.

Mesmo para quem já tem certa bagagem no mercado, os ensinamentos sempre irão ajudar a refinar suas habilidades, tomar melhores decisões e alcançar resultados mais certeiros.

Melhores livros para traders

Independente do seu nível de experiência, existem obras indispensáveis para day traders.

Estas que listamos abaixo são algumas delas.

O Investidor Inteligente – Benjamin Graham

Desde o seu lançamento, em 1949, essa publicação é considerada a Bíblia do mercado de ações.

Da Editora HarperCollins, o livro é escrito por Benjamin Graham, um dos investidores mais bem-sucedidos dos Estados Unidos entre as décadas de 1950 e 1970.

O conteúdo trata dos princípios pessoais e comportamentais que um trader deve conduzir perante suas aplicações.

Você vai aprender como evitar erros e conhecer importantes estratégias de longo prazo para ganhar dinheiro na bolsa.

A obra é indicada por outro mestre no assunto, Warren Buffet, que afirma ser “de longe, o melhor livro sobre investimentos já escrito”.

O Jeito De Warren Buffett De Investir – Os Segredos do Maior Investidor do Mundo – Robert G. Hagstrom

Outro livro que não pode faltar na sua prateleira, conta de forma simples as técnicas e métodos de Warren Buffett, o investidor mais famoso e admirado na atualidade.

Na obra, da Editora Benvirá, são relatadas histórias sobre as decisões de investimentos que fizeram o nome do bilionário.

Promete fazer você ver o mercado financeiro com outros olhos.

É um livro que fala sobre obstáculos, estudos de caso, aspectos psicológicos da atividade e ainda aborda os “12 princípios imutáveis” que orientam a compra de ações.

Fora da Curva: Os segredos dos grandes investidores do Brasil – e o que você pode aprender com eles – Pierre Moreau, Florian Bartunek e Giuliana Napolitano

Como já diz no título, a obra reúne a história de dez dos maiores investidores do Brasil.

Nomes como Guilherme Affonso Ferreira, Guilherme Aché e Meyer Joseph Nigri foram entrevistados para a elaboração do conteúdo e revelam importantes lições sobre negócios.

Segundo os próprios organizadores do livro, da Portfólio Penguin, não se trata de um manual de como ganhar dinheiro, mas um meio para aprender muito sobre o mercado financeiro.

Para conferir mais dicas de livros para traders, assista a sala educacional com Filipe Fradinho, analista técnico da Clear Corretora, no vídeo abaixo:

Livros para Traders Iniciantes

Se você está apenas nos primeiros passos para se tornar um trader de verdade, é ainda mais importante que busque conhecimentos através da leitura.

São diversas obras direcionadas a quem está começando – veja três sugestões:

Aprenda a Operar no Mercado de Ações: Um Guia Completo para Trading – Alexander Elder

Nada como um guia para ensinar a você as primeiras noções de como gerenciar seu dinheiro e seu tempo em operações de mercado.

Alguns dos fundamentos indicados nesta obra, da Alta Books, abordam análises técnicas e comportamentos individuais e de psicologia.

O autor passa lições sobre em quais mercados operar, como lidar com obstáculos e como interpretar as diversas teorias financeiras.

Com a ideia de que os operadores bem-sucedidos precisam dos “3Ms”, mind (mente), method (método) e money (dinheiro), Elder afirma que é preciso gostar de aprender e não ter medo do risco para ser bem-sucedido.

Trading in the Zone – Mark Douglas

Esse é um conteúdo indicado por diversos especialistas da área, pois dá uma boa noção de como se ganha e como se perde no universo dos investimentos.

O escritor analisa tanto traders de sucesso quanto os que não conseguem alcançar seus objetivos – e destaca fatores de cada um dos grupos.

Além do conhecimento aprofundado sobre psicologia do mercado, a publicação da Editora Bookout conta com entrevistas com diversos traders experientes.

Reminiscências de um Especulador Financeiro – Edwin Lefèvre

Se você não é adepto aos livros mais técnicos, este vai agradar, já que a sensação é de estar lendo uma história.

E, na verdade, está, pois a obra conta a trajetória de Jesse Lauriston Livermore, um notável especulador americano do início do século XX, considerado o maior ícone da história de Wall Street.

O texto é narrado em primeira pessoa, mas não menciona o nome do personagem.

Porém, é do conhecimento de todos que o livro do jornalista Edwin Lefèvre é sobre Livermore.

Os acontecimentos relatados vão desde 1890, quando o americano começa a ganhar dinheiro no mercado, até o final dos anos 1920, no momento em que ele ganha em torno de 100 milhões de dólares com a quebra da bolsa de Nova York.

É da Editora Albatross Publishers.

Quer mais dicas de livros para iniciantes? Assista ao vídeo abaixo:

Livros para Traders Avançados

Ainda que você já entenda dos principais movimentos do mercado e tenha experiência prática, a busca por mais conhecimento nunca deve se encerrar.

O mundo dos investimentos é quase infinito.

Portanto, seguimos a lista com algumas obras para quem já tem certa experiência.

Candlestick – Um método para ampliar lucros na bolsa de valores – Carlos Alberto Debastiani

Candlestick (vela) é um dos métodos de análise de gráficos utilizado pelos operadores das bolsas de valores.

Saber fazer a leitura de um candlestick é essencial para avaliar o comportamento do mercado e acompanhar as tendências.

A vantagem deste livro, da Editora Novatec, é a linguagem acessível e o esforço que o autor faz para deixar o conteúdo o mais claro possível, inclusive utilizando diversas ilustrações.

Para cada padrão de análise é apresentado um modelo com sua figura clássica, o que facilita muito a visualização.

Até mesmo fatores psicológicos atrás de cada negociação são abordados.

Magos do Mercado – Jack D. Schwager

O sucesso de alguns traders que conseguem lucrar milhões de dólares por ano pode até parecer magia, mas não é.

A obra da Editec é baseada na ideia de desvendar os segredos dos operadores mais brilhantes espalhados pelo mundo.

Com depoimentos bem detalhados e outros nem tanto, o autor consegue ver uma fórmula comum de sucesso entre todos eles: metodologia sólida somada a uma atitude mental apropriada.

As respostas dos entrevistados resulta em um grupo de princípios norteadores que o leitor pode se inspirar para alcançar o êxito.

All About Asset Allocation – Richard A. Ferri

Este livro é ideal para quem quer entender de plano de investimentos e gerenciamento de riscos.

A obra trata sobre estratégias inteligentes de alocação de ativos e diversificação de investimentos com ações, títulos, imóveis e outras ideias.

Com linguagem simples e didática, o escritor oferece conselhos práticos e cautelosos para você construir um portfólio repleto de bons resultados.

Ainda não existe versão em português para a obra da Editora McGraw-Hill.

Livros sobre Análise Técnica

É fundamental a leitura sobre análise técnica (ou gráfica) para o estudo do mercado.

E como não tem como fugir dela, confira três obras que podem ajudar:

Manual de Análise Técnica: Essência e Estratégias Avançadas – Marcos Abe

Este é mais um livro completo que ensina os traders a lucrarem em diversos cenários do mercado.

O autor oferece conceitos clássicos da análise técnica de uma forma a não só esclarecer o básico, mas também o raciocínio lógico para a utilização dos gráficos.

Da Editora Novatec, o livro ensina que, mesmo o mercado estando em alta ou em baixa, é possível lucrar se souber boas estratégias para abrir, conduzir e fechar operações.

Análise Técnica dos Mercados Financeiros – Flávio Alexandre Caldas de Almeida Lemos

Com conteúdo que contempla a análise técnica de todos os mercados financeiros atuais, a publicação fornece ao leitor o conhecimento necessário para as tomadas de decisões na compra e venda de ativos.

Em meio a histórias como a quebra da bolsa do Rio, a saga dos Kennedy e os “traders-tartarugas”, o escritor garante um conteúdo completo sobre planejamento, riscos, psicologia do investidor, tipos de gráficos, teorias, indicadores e muito mais.

A editora é a Saraiva Uni.

O Melhor da Análise Técnica de Ações – Marcelo Piazza

Esta obra da Editora Saraiva conta desde o nascimento da análise técnica e seus conceitos até os princípios fundamentais, como a teoria de Dow.

O autor ainda apresenta as figuras de gráficos que “sempre se repetem” e os significados de cada um dos diversos candles da técnica japonesa.

Também ensina métodos para a previsão do futuro, podendo identificar o melhor momento para compra e venda de ações e como aproveitar bem as oportunidades.

Lançamento Livro Traders 2021

As obras que listamos até aqui já são conhecidas pelo público investidor.

Porém, tem novidade vindo por aí.

Não é ótimo quando encontramos uma tradução tão esperada de um best-seller?

Temos um livro para traders em pré-venda para indicar!

O Mais Importante para o Investidor: Lições de um Gênio do Mercado Financeiro – Howard Marks

A tradução da brilhante obra de Howard Marks chega no mês de dezembro de 2020 às livrarias brasileiras e reúne dicas valiosas tanto para iniciantes quanto para traders avançados.

A obra da Editora Edipro reúne comentários, percepções e contrapontos de outros quatro investidores renomados: Christopher C. Davis, Joel Greenblatt, Paul Johnson e Seth A Klarman.

Ao dar exemplos, o escritor ensina diversas lições sobre estratégias de mercado, inclusive avaliando os próprios erros.

Conheça mais sobre o mercado de investimentos

Todos esses livros serão fundamentais para o seu futuro como day trader, mas existem ainda outras formas complementares de aprendizagem.

Nossa dica é você explorar ao máximo os canais que a Clear Corretora disponibiliza.

No blog da Clear você encontra os melhores conteúdos sobre análise técnica, bolsa de valores, plataformas e renda variável.

Já no canal da Clear no YouTube, estão disponíveis dezenas de vídeos entre cursos, tutoriais e apresentações, todos eles materiais valiosos para todo tipo de trader.

A Clear ainda oferece uma série de e-books com os temas mais relevantes sobre renda variável para você baixar gratuitamente.

Aproveite todos esses materiais relevantes para conhecer e aprender mais sobre o mercado de investimentos financeiros.

Conclusão

Viu como existem diversas formas de se qualificar para entrar ou se manter com sucesso no mundo dos day traders?

Aprimorar o seu conhecimento só depende de você, pois os recursos estão disponíveis ao seu alcance.

Para dar o primeiro passo, acesse o site da Clear e abra já sua conta para começar a operar.

Como cliente Clear, você tem acesso a vantagens únicas, como uma plataforma moderna e segura, além da taxa de corretagem zero para investir em renda variável.

Que tal começar agora?

Array

Array

Navegue por assunto


A gente sabe que poder contar com uma renda extra faz toda a diferença, seja no final do mês ou quando um imprevisto surge, por exemplo. 

Quando estamos com um dinheiro extra, podemos ficar tentados a colocá-lo em uma reforma, em um veículo novo, em uma viagem, um curso… Mas você já pensou em investir a sua renda extra? Afinal, investir no mercado financeiro é uma forma de adquirir renda passiva e, a depender do tipo de investimento escolhido, de ter mais ou menos rentabilidade nas suas aplicações. 

Além disso, se você já ouviu falar sobre operações trading, deve saber que operar na modalidade day trade, por exemplo, é uma das ideias para ganhar dinheiro extra com pouco investimento muito faladas atualmente, né? 😉 

Enfim… Eis a questão: renda extra, investir ou não investir? O que considerar nessa decisão? Confira a seguir! 

Renda extra: devo investir?

A foto mostra uma mulher em frente a uma mesa. Ela segura notas de dinheiro enquanto organiza contas e papéis na mesa, em referência ao investimento da renda extra.

Em primeiro lugar: você mantém um planejamento financeiro? Ele inclui uma reserva de emergência? Se a resposta para ambas as questões for “sim”, você já tem um bom caminho andado! 

Depois, é importante compreender o que caracteriza a renda extra, e em que momento do seu planejamento ela entra. 👩‍🏫 

Renda extra é todo aquele dinheiro que você recebe “fora do seu expediente” – por exemplo, se você tem um contrato CLT, tem a garantia de receber um salário mensal; o dinheiro que você adquire além desse previsto (fazendo freela ou recebendo dividendos das suas aplicações, por exemplo) entrará como uma renda extra. 

A partir desse entendimento, é possível dar um destino mais adequado para o seu dinheiro extra, entendendo se há necessidades mais urgentes de utilização dessa renda, ou se ela pode permanecer rendendo na corretora – e quando, então, é hora de tirar o dinheiro da aplicação? 

Seja como for, essa é uma decisão particular, que depende de avaliar a sua própria realidade e de quais são suas prioridades. Pensando nisso, trouxemos algumas vantagens e desvantagens para considerar na hora de fazer essa autoavaliação. Segue 👇 

3 vantagens de investir sua renda extra

Conheça as 3 principais vantagens de investir sua renda extra: 

1. Obter lucros

A foto mostra as mãos de uma pessoa segurando notas de dinheiro, enquanto faz contas em uma calculadora apoiada sobre uma mesa, em referência aos lucros que se pode obter investindo a renda extra

Quando você aplica os recursos da sua renda extra, pode fazer com que esse dinheiro cresça mais.  

O day trade, por exemplo, que mencionamos anteriormente, é uma operação de compra ou venda de ativos da Bolsa de Valores que acontece no período de um mesmo dia. Essa é uma forma de fazer uma renda extra da sua renda extra, pois as aplicações não exigem um valor mínimo para começar, e têm a possibilidade de trazer alta rentabilidade a curto prazo. 

Entretanto, é necessário sempre ter cautela. Para começar a operar em qualquer modalidade de trading, você deve estudá-las e praticá-las através de simulações em algum home broker, por exemplo. 🤓 

Além disso, procure não utilizar toda a sua renda extra em operações como essa, que apresentam alta volatilidade e exigem um bom controle emocional, além de serem próprias para pessoas com perfil investidor mais agressivo.

+Leia mais sobre vieses cognitivos e como afetam seus investimentos! 

2. Finalmente montar uma reserva de emergência

Se você ainda não conseguiu tirar a ideia da reserva de emergência do papel, com uma renda extra chegando, agora é a hora! 

A reserva serve para estarmos preparados para qualquer tipo de imprevisto — um vazamento, uma emergência médica ou veterinária, uma peça do carro quebrada… 🙁 

Assim, você pode destinar pelo menos uma parte da renda extra do mês à construção de uma reserva de emergência. E pode começar aos poucos, guardando sempre o mínimo que der.  

Se você quiser turbinar ainda mais a sua reserva de emergência, uma alternativa é investir o dinheiro em títulos como o Tesouro Direto, e em ações da Bolsa, por exemplo. 

+Quer saber mais? Veja tudo sobre onde investir sua Reserva de Emergência! 

3. Acesso a uma renda passiva

Renda passiva é aquele dinheiro que você recebe sem fazer esforço, contrário do que é recebido por causa de um trabalho ativo. 

Uma das formas de ganhar dinheiro extra sem precisar se esforçar é através de investimentos em produtos financeiros.  

É importante, nesses casos, ter um prévio conhecimento sobre o mercado — assistir vídeos no Youtube em canais que explicam sobre as oscilações da Bolsa, gerenciamento de risco e que explicam as diferenças entre os tipos de análise existentes, por exemplo, são um bom passo inicial. 

No vídeo abaixo, você entende um pouco mais sobre a jornada de autoconhecimento nos investimentos. Confira: 

Tudo isso vai servir como guia na hora de definir seus objetivos financeiros e de escolher o tipo de aplicação que mais se encaixa no seu perfil.  

Pode ser que você opte pelos fundos imobiliários, BDRs ou até mesmo ETFs. No final das contas, o que importa para ter uma renda passiva sem correr muitos riscos é manter a sua carteira diversificada. 😉  

E quanto às desvantagens? 

Assim como todas as coisas, existem vantagens e desvantagens em relação a investir sua renda extra.  

A principal desvantagem é não conseguir priorizar adequadamente o que fazer com esse dinheiro: Investir geralmente é uma excelente opção. Entretanto, em alguns casos, essa pode não ser uma ação prioritária. 

Se você está com uma dívida ativa, por exemplo, e estiver considerando aplicar sua renda extra em algum investimento que possibilita o resgate só daqui a 2 anos, que é seguro mas tem baixa rentabilidade, o mais indicado por especialistas é, primeiro, quitar a dívida com seu dinheiro extra. Caso ainda sobre um dinheirinho, aí sim, num segundo momento, pode fazer sentido investi-lo. 

Já deu pra perceber que isso depende muito de um planejamento financeiro, né? Além disso, é sempre bom ter em mente qual é o seu perfil investidor e quais investimentos cabem na sua carteira! 

Vai investir sua renda extra, mas onde?

Se você decidiu investir sua renda extra, e está atrás de uma boa rentabilidade, a questão agora é escolher como e onde investir. Olha algumas opções que separamos 👇 

Commodities 

Commodities correspondem a matérias-primas, produzidas em alta escala, e são um investimento de renda variável negociadas no mercado futuro.  

Quando se trata de contratos futuros, estamos falando de uma das ideias para ganhar dinheiro extra com pouco investimento, pois, aqui, é trabalhado o conceito de margem de garantia

Mas atenção: o mercado futuro é para quem já possui conhecimento prévio, não é indicado para iniciantes, ok? 😉 

Por fim, se você entendeu que tem o perfil ideal para investir em commodities, veja algumas dicas para otimizar sua performance:  

Tesouro Direto

Esse tipo de investimento é indicado para quem segue uma linha mais conservadora, por se tratar de uma aplicação segura e que pode ter alta liquidez

O Tesouro Direto é o agrupamento de uma série de títulos públicos, divididos em 3 categorias: Tesouro prefixado, Tesouro Selic e Tesouro IPCA+. Nesses casos, o Tesouro Nacional, garante a recompra diária de títulos públicos. 

Isso significa que você pode resgatar, todos os dias, os títulos adquiridos no Tesouro Direto, a preço de mercado

Quer saber como começar a investir no Tesouro Direto? Confira no vídeo abaixo: 

ETFs 

Os ETFs são fundos de investimento que replicam alguns dos principais índices mundiais, possuindo sua rentabilidade atrelada a eles, e são negociados na Bolsa de Valores. 

Eles são indicados para quem quer começar a investir na bolsa, mas ainda não sabe por onde. Um dos motivos é a facilidade de negociação e o acompanhamento do desempenho, que não precisa ser assíduo (ou seja, tem uma gestão passiva). 

Além disso, os ETFs são uma forma de aplicar sua renda extra diversificando sua carteira de investimentos, e sem precisar colocar uma grande quantia de dinheiro.  

Saiba como comprar ETFs no vídeo: 

Conclusão

Conseguiu decidir se vale a pena investir a sua renda extra? Lembre-se que, antes de fazer qualquer tipo de investimento, é preciso passar um bom tempo estudando e praticando com quantias menores. 

No final das contas, os investimentos são uma forma de fazer sua renda extra render ainda mais! 😄 

Decidiu investir? Vem pra Clear! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Muitos investidores com perfil moderado e agressivo optam pela Renda Passiva devido à margem de lucratividade superior proporcionada pelo mercado de ações. Com isso, é comum que surja a dúvida “como acompanhar meus dividendos?”. 

De fato, nem todos os acionistas de uma empresa de capital aberto ficam sabendo exatamente quanto e quando terão acesso às distribuições de proventos. Portanto, não deixe de conferir este conteúdo sobre o que são dividendos e como acompanhá-los! 

O que são dividendos? 

Para entender o que são dividendos, é preciso compreender primeiro como funciona o mercado de ações de empresas de capital aberto. 

Digamos que você adquiriu um pacote de ações de uma determinada empresa. A partir deste momento, você passou a ser dono de uma fração daquela companhia. Sendo assim, pela lógica, também obteve direito sobre uma porcentagem dos lucros da organização, assim como os demais acionistas e proprietários. 

No entanto, existem ocasiões em que a empresa não distribui todo o seu lucro, ou sequer distribui algum lucro aos acionistas. Isso se deve ao fato de que algumas empresas optam por reaplicar parte deste lucro para fomentar o crescimento da companhia. Esse movimento é mais comum em empresas em fase de crescimento, para consolidar a marca em meio à concorrência e incrementar seu valor de mercado. 

Porém, caso o lucro não seja reinvestido, toda empresa de capital aberto deve obrigatoriamente distribuir uma parte de sua rentabilidade anual aos seus acionistas, salvo em algumas condições, de acordo com o que determina a Lei das Sociedades Anônimas (SA).  

A porcentagem deste lucro é determinada pela companhia em assembleias para, posteriormente, ser repassada aos investidores em forma de dividendos ou de Juros sobre Capital Próprio (JCP) e outros proventos. 

Enquanto algumas empresas não estabelecem regras específicas para realizar essa distribuição, outras organizações elaboram uma agenda de dividendos. Dado o contexto, é por isso que muitas pessoas têm algumas dúvidas sobre o tema e tentaremos abordar todas elas, a seguir. Acompanhe!  

O que são dividendos provisionados? 

Na foto temos duas pessoas, dando as mãos, fechando um contrato. A imagem refere-se ao acordo entre um acionista, que investe em uma ação e a empresa a qual essa ação pertence. Palavra-chave de referência: meus dividendos.

Dividendos provisionados é o termo que se refere aos dividendos que, embora os investidores ainda não o tenham recebido, já têm uma definição de pagamento. Em outras palavras, é a informação mais precisa sobre a quantia que os investidores receberão. 

“Mas, como posso acompanhar meus dividendos?”, você provavelmente está se perguntando. Não se preocupe, pois, nos tópicos a seguir, mostraremos uma variedade de alternativas para que você tenha como saber os dividendos de uma ação. 

Meus dividendos: como conferir e acompanhar? 

Quem se pergunta “como acompanhar meus dividendos”, primeiramente, deve compreender como funciona o pagamento e quais os termos mais comumente usados. 

Fonte pagadora 

Trata-se da companhia que distribuirá os dividendos. Embora essa pareça ser uma informação óbvia, quem tem uma carteira de investimentos diversificada deve tomar cuidado para não se confundir, até porque os dados da fonte pagadora deverão ser declarados corretamente no Imposto de Renda

Forma de distribuição 

Mais uma vez, o Imposto de Renda envolve alguma burocracia, pois dependendo da forma como os proventos forem distribuídos, o lucro pode ou não ser retido na fonte, além do fato de que os preenchimentos dos campos na declaração são diferentes. 

A distribuição dos proventos pode ser feita nas seguintes formas: 

Valor a ser distribuído 

Antes da empresa liberar o valor total que cada investidor receberá conforme a sua participação acionária, em primeiro lugar ela informa a quantia que será distribuída e o valor por cota. 

Data-com e Data-ex 

Trata-se dos termos usados para se referir às datas em que os investidores terão direito ao recebimento dos proventos, isto é, uma espécie de agenda de dividendos. 

Quem mantém posse de ações até o final da Data-com terá direito a receber dividendos na distribuição seguinte. Quando este período chega ao fim, perde-se o direito de receber dividendo na próxima distribuição e inicia-se a Data-Ex. 

Data do pagamento 

Como consta no próprio termo, é a data em que os investidores recebem o valor ao qual têm direito na conta da corretora. 

Em quais lugares acompanho meus dividendos?

Foto de uma mulher, sentada em uma mesa de escritório, em frente ao computador, sorrindo e aprendendo como acompanhar os (seus) meus dividendos com a Clear.

Agora que você já sabe o que são dividendos, mostraremos algumas opções para que você saiba como acompanhar e onde são depositados os dividendos. 

Canal Eletrônico do Investidor (CEI) 

Disponibilizadoa pela Bolsa de Valores brasileira, B3, o CEI é uma plataforma que fornece acesso a uma grande variedade de informações importantes sobre seus investimentos e ativos adquiridos. 

O sistema conta com uma guia específica para proventos, inclusive sobre dividendos provisionados, onde são depositados os dividendos, quanto você tem a receber, além do histórico de transações e muito mais. 

Corretora de valores 

A corretora que faz a intermediação de seus investimentos em ações também tem todas as informações sobre a agenda de dividendos a serem pagos pelas empresas, especialmente os provisionados. 

Plataformas como a Clear Corretora notificam os investidores alertando-os sobre o recebimento de seus dividendos, entre outras informações relevantes a respeito de seu calendário, assim você pode acompanhar a evolução de seus proventos. 

Conteúdos sobre investimentos 

Blogs e em canais de comunicação digitais, como sites jornalísticos, redes sociais e o YouTube, por exemplo, são ótimas fontes de conteúdo para acompanhar o mercado financeiro, o andamento de investimentos em Renda Fixa e Renda Variável, o que é indispensável para quem tem capital investido em empresas, já que as mesmas utilizam essas mídias para informar seus investidores. 

Relação com Investidores das Empresas 

Normalmente, as companhias de capital aberto têm o seu próprio canal de informações oficiais para que os investidores acompanhem seus investimentos, que pode ser um site oficial uma aba denominada como “Relação com Investidores (RI)”. 

Na seção de RI é possível obter todos os dados relativos à empresa, decisões tomadas que podem ser interessantes para o acionista e a respeito dos proventos a serem distribuídos. 

Por que acompanhar meus dividendos? 

Deu para perceber que o investimento em ações de empresas de capital aberto pode ser bastante vantajoso, não é verdade? Mesmo com as subidas e descidas da Bolsa, os dividendos são uma ótima forma de obter parte do lucro de seus investimentos. 

Acompanhar seus dividendos é importante devido ao fato de que a Renda Variável oferece alto risco, porém, pode aumentar seu capital, ainda que aos poucos. Saber quando os dividendos serão pagos e quais seus valores é indispensável para que você planeje um destino adequado aos rendimentos. 

Para se manter por dentro da distribuição de proventos das empresas nas quais você investiu, e ter acesso aos principais investimentos do mercado financeiro, abra uma conta na Clear Corretora agora mesmo! É gratuito e sem taxa de corretagem! 

Array

Array

Navegue por assunto


Saber o que é renda passiva é um bom começo para quem persegue a liberdade financeira, ganhando dinheiro sem precisar trabalhar.

Isso mesmo: é possível aumentar o seu capital sem bater ponto ou abusar das horas extras.

Inclusive, tem muita gente que ganha a vida assim.

E não estamos falando de quem é herdeiro de uma família milionária ou ganhou um prêmio na loteria.

São pessoas que descobriram como fazer para o dinheiro trabalhar a seu favor.

Parece interessante? A gente concorda que sim.

Por isso, neste conteúdo, vamos te contar tudo sobre a renda passiva e os caminhos que levam até ela.

Fique ligado nas dicas!

O que é renda passiva?

Renda passiva é todo e qualquer tipo de receita que você recebe sem fazer esforço, sem contrapartida. Em outras palavras, é quando há aumento de capital sem que haja investimento massivo e contínuo de tempo e/ou mão de obra, por exemplo.

Esse é o sonho de muita gente.

Já imaginou? Ganhar dinheiro dormindo, sem precisar ficar se estressando em reuniões ou em cumprir prazos.

Muitos ganham a vida assim e essa também pode ser a sua realidade.

No entanto, não se engane: não estamos falando de nenhuma solução mágica.

O que é viver de renda passiva?

Viver de renda passiva é ganhar dinheiro somente com a valorização dele.

Por exemplo, durante anos, você contribuiu com um fundo de previdência privada, que foi rendendo juros durante todo o período que esteve na ativa.

Quando você se aposentar e resgatar o seu investimento, vai ver que ele aumentou e muito de valor.

O suficiente para se viver em função dele por um bom tempo.

O mesmo vale para muitos outros tipos de aplicações financeiras, como ações e fundos de investimento.

Investir bem seu dinheiro é a melhor forma de ganhar a vida com a sua rentabilidade – e de forma tranquila, construindo o futuro que sempre sonhou.

Vantagens de investir na renda passiva

Investir em renda passiva pode ser para você.

Se ainda tem dúvidas, listamos algumas vantagens para inspiração:

Quais os tipos de renda passiva?

Existem diferentes formas de classificar a renda passiva.

Há autores que a dividem em duas categorias: a com capital e a sem capital.

Outra forma de classificar a renda passiva é conforme o tipo de capital, que pode ser físico, financeiro e intelectual.

Como gerar uma renda passiva? 5 formas

mulher ao lado de homem, os dois usando óculos e sorrinho

Pegue mais leve com o trabalho.

Com base nos tipos e classificações mencionados, listamos cinco formas de você gerar renda passiva.

Acompanhe!

1. Crie cursos online ou escreva e-books

Nesse tipo de renda passiva, você só vai ter o trabalho de criar o produto digital uma única vez e, depois disso, aproveitar os rendimentos.

No caso dos e-books ainda tem a questão dos direitos autorais, que também somam na conta final e, quando comparado aos livros impressos, a vantagem é que o custo de produção é bem menor, quase zero.

2. Desfrute dos royalties

Se você tem algum talento para as artes plásticas ou para música, os royalties também são exemplos de renda passiva.

Assim como exemplo anterior, eles exigem, igualmente, esforço e tempo de dedicação, mas, depois, essa relação muda.

Para quem não sabe, os royalties funcionam como rendimentos pela licença de uso.

Se a sua obra fizer sucesso, como em projetos patenteados, por exemplo, podem gerar verdadeiras fortunas.

3. Alugue um imóvel

Sabe aquele imóvel que você recebeu de herança e está lá parado? Pois ele pode ser uma excelente renda passiva.

Mesmo o seu apartamento próprio funcionar assim.

Digamos que você vai viajar, ficar um bom tempo fora.

Em vez de só deixar as contas acumulando na caixa de correio, pode alugar o espaço e lucrar.

4. Lucre com produtos e serviços

Todo o lucro obtido que independe de um esforço pontual pode ser encarado como renda passiva.

Vamos supor que você compra uma camiseta de futebol por um preço x e, depois, consiga que a principal estrela do time a autografe, valorizando a peça.

Passado algum tempo, você vende ela por 2x.

O seu lucro de x é um rendimento passivo.

O mesmo vale para outros produtos e serviços.

5. Invista o seu dinheiro em produtos financeiros

Essa é a forma mais lucrativa e famosa de renda passiva.

Além disso, os investimentos são aqueles que oferecem a maior variedade de opções de rendimentos.

Isso porque existem vários tipos de ativos e fundos que possibilitam a criação de uma carteira diversificada.

Ao contrário do aluguel, onde o tempo pode ser um inimigo, em função da depreciação do imóvel, nas aplicações financeiras, os retornos a longo prazo são mais certeiros.

Isso sem falar nas opções de curto e médio prazo, que também podem render uma boa grana.

O segredo é conhecer o seu perfil de investidor, de acordo com a tolerância ao risco, assim como determinar objetivos financeiros – o que ajuda a escolher a aplicação certa para eles.

Renda passiva e renda ativa: qual a diferença?

A definição de renda passiva deve estar bem nítida na sua mente, mas ainda não falamos, diretamente, do outro tipo de renda: a ativa.

O exemplo mais claro dela é o seu salário.

Todo o mês (dia, semana ou quinzena, depende do caso), cai na sua conta a sua remuneração, certo?

Pois ela é um pagamento pelo seu esforço, dedicação, empenho, produtividade e tempo. Ou seja, funciona como uma contrapartida do seu empregador.

Em um simples jogo de palavras, podemos dizer que, na renda ativa, você trabalha pelo dinheiro.

Já na passiva, é ele que trabalha para você, gerando juros.

4 melhores ativos de renda passiva a longo prazo

Não há maneira mais eficiente e segura de conquistar seus objetivos financeiros do que investir em ativos de renda passiva a longo prazo.

Listamos quatro opções para você aplicar o seu dinheiro:

1. Ações

Investir em ações significa adquirir pequenas partes de uma empresa e se tornar sócio dela.

A partir daí, sua renda passiva pode se dar de duas formas.

Uma das mais conhecidas é o recebimento de proventos, como é o caso dos dividendos.

Em periodicidade que varia em alguns meses, os lucros da companhia são divididos entre seus acionistas.

É um valor que entra na sua conta sem esforço.

Além disso, você pode lucrar com a compra e venda das ações, que tendem a se valorizar bastante no longo prazo.

Leia o artigo sobre como investir na bolsa de valores para entender melhor.

2. Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários aplicam seu dinheiro em empreendimentos do setor, como imóveis de perfil residencial, shoppings, galpões logísticos e também em outros fundos.

A rentabilidade se dá na valorização desses investimentos.

Você participa como um cotista, tendo rendimento proporcional ao número de cotas.

Com a união de diversos investidores (cotistas), um fundo imobiliário permite a realização de aplicações de maior valor, que são administradas por um gestor profissional.

É bem menos burocrático e custoso do que comprar e alugar um imóvel, por exemplo.

Além de poder comprar aos poucos, seus rendimentos nunca ficaram zerados – como no caso de um apartamento não alugado.

3. Fundos multimercado

Esse é outro tipo de fundo de investimento que, como os imobiliários, são negociados em cotas.

Podem reunir ativos de renda fixa e renda variável, o que é uma possibilidade interessante, porque permite que você diversifique a sua carteira, investindo em diferentes mercados.

A sua capacidade de análise vai fazer toda a diferença na hora de escolher em quais cotas alocar seu capital.

Ficar de olho no desempenho do fundo nos últimos balanços pode ser uma boa tática.

Embora não haja garantia de repetição da performance, é um indicativo de solidez do fundo.

4. Fundos de índice – ETFs

ETFs são Exchange Traded Funds, um tipo de fundo de índice.

Como tal, ele replica o comportamento de algum indicador, que pode ser nacional ou internacional, mirando alcançar ou até superar seu desempenho.

Escolhendo um ETF vinculado a algum dos melhores índices de mercado, você dá um passo certeiro para se beneficiar de ótima valorização no longo prazo.

Afinal, como esse tipo de índice costuma reunir empresas sólidas e de grande potencial, a tendência é essa mesmo, de crescimento do índice e, por consequência, do seu rendimento.

5. BDRs

BDRs são os Brazilian Depositary Receipts, uma espécie de certificado que representa na bolsa brasileira a ação de uma empresa estrangeira que não é negociada por aqui.

Ao adquirir um BDR, então, você não investe diretamente nessa companhia, mas em um recibo que busca acompanhar a sua valorização.

Além disso, há BDRs que pagam dividendos, oferecendo uma forma de renda periódica para o investidor, além da própria rentabilidade do investimento

Como investir em renda passiva?

Investir em renda passiva não precisa ser complicado.

Como tudo na vida, é uma questão de aprendizado.

Com conhecimento de mercado, gerenciamento de risco e escolha de investimentos que combinem com seu perfil e objetivos, você já pode começar a dar os seus primeiros passos.

Veja quais são:

  1. Abrir conta em uma corretora de valores, como a Clear
  2. Transferir valores da sua conta bancária para a conta de investimento
  3. Conhecer e analisar ativos e fundos a investir
  4. Escolhido o investimento, emitir a ordem de compra
  5. A partir daí, é só acompanhar o desempenho e seguir fazendo aportes para ampliar seus ganhos.

3 riscos de viver somente de renda passiva

Mesmo que o momento sugira investir na renda passiva, isso não significa que você não precisa ter cuidados.

Listamos três riscos que merecem a sua atenção:

Não diversificar e acabar amargando prejuízo

Alocar todo seu capital em um único tipo de investimento é um risco que você não precisa correr.

Ainda que pareça uma ótima ideia escolher uma ação com tendência de alta e apostar tudo nela, não há garantia de que isso vai acontecer.

E, se não acontecer, você vai colocar tudo a perder.

A diversidade de produtos é um convite para fazer escolhas inteligentes.

Então, monte uma carteira equilibrada.

Acreditar em ganhos exorbitantes

Conforme você investe e passa a ter os primeiros ganhos, é até natural ser contaminado pela euforia.

Mas pegue leve, pois não há mágica.

Embora exista uma operação de curto prazo na bolsa chamada day trade, com a compra e venda de ações em um mesmo dia, esse pode não ser melhor projeto de renda passiva para você.

Focando no longo prazo, você dá um passo mais certeiro, pois se ampara na esperada valorização de empresas e índices.

Não ter uma reserva de emergência

Sim, você deve investir na construção da sua renda passiva, mas não pode depender apenas disso – ao menos no início do processo.

Significa dizer que investir todo o seu capital é um risco desnecessário.

Tenha também investimentos para formar uma reserva financeira, que vai garantir seu sustento em caso de imprevistos.

3 livros sobre renda passiva

O conhecimento sobre o qual tanto falamos pode vir dos livros.

Quer se tornar um investidor melhor?

Então, se inspire nestes três livros que trazem ótimas dicas para a sua vida financeira:

Perguntas frequentes sobre renda passiva

Ficou com alguma dúvida sobre o tema renda passiva?

Quem sabe não acabamos com ela nas questões abaixo?

Acompanhe!

Se aposentar com renda passiva é possível?

Sim, é plenamente possível.

E não apenas com fundos de previdência privada.

Outros produtos de rendimento a longo prazo são um exemplo disso, como acontece ao investir em ações.

Em determinado momento, sua rentabilidade pode ser tamanha que permita a você parar de trabalhar e viver de juros.

O que é renda passiva instantânea?

É aquela renda que traz um retorno quase imediato.

Um exemplo pode ser a revenda de um produto com uma margem de lucro em cima.

Qual a diferença de renda extra e renda passiva?

Uma renda extra não é necessariamente passiva: é só um dinheiro que complementa o orçamento.

Pode ser um trabalho freelancer, por exemplo.

Ou até a atividade de trader não profissional, comprando e vendendo ações na bolsa no seu tempo livre.

Investir em renda passiva pode ser para você

Arrojado, moderado ou mais conservador.

Não importa qual seja o seu perfil de investidor: a renda passiva é o caminho mais curto para você conquistar os seus objetivos.

Tudo o que você precisa fazer é dar o primeiro passo.

O ano tem se mostrado desafiador, mas também uma ótima oportunidade para se reinventar e mudar de hábitos.

Investir em renda variável pode ser a sua mudança.

Conclusão

Somente a renda é passiva. Já você precisa de atitude.

Atitude para acessar a Clear Corretora, abrir sua conta e começar a ganhar dinheiro investindo em ações.

Oferecemos produtos de renda variável com corretagem zero e dispomos das melhores plataformas de negociação.

Você tem autonomia e controle total para tomar as melhores decisões de investimento.

Conte com a gente para garantir o sucesso de seu projeto de futuro.

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Vem cá, você sabia que tem como juntar dinheiro investindo? 🤔 Sim, é verdade! E essa é só a primeira das dicas que nós trouxemos para você neste guia completo para aumentar seu patrimônio. 

Mesmo em momentos de crise e preocupação financeira, economizar e guardar dinheiro é possível e muito importante. 

Então, veja como juntar dinheiro em um passo a passo simples e confira, ainda, uma série de dicas práticas para começar mesmo se você tem dificuldade em guardar dinheiro. 

Se interessou? Continue acompanhando e bora pra cima! 🚀 

Como juntar dinheiro: 5 passos rápidos

Quer aprender como juntar dinheiro em um ano ou, quem sabe, em apenas alguns meses? Se souber os passos certos, pode ser mais fácil do que você imaginava. 

O primeiro passo é começar. E, para isso, os pontos abaixo podem ajudar. Basicamente, seu planejamento deve prever as seguintes etapas: 

  1. Pague suas dívidas; 
  2. Tenha objetivos; 
  3. Estabeleça uma meta mensal de economia; 
  4. Escolha o investimento adequado para você; 
  5. Comece devagar e seja persistente. 

Parece complexo, mas quando olharmos mais de perto você verá que podemos simplificar. Vamos conferir o que fazer em cada uma delas? Veja só: 👇 

Passo #01: Pague suas dívidas

As dívidas atrapalham a proposta de juntar dinheiro justamente porque comprometem qualquer possibilidade de economia. Isso vale especialmente para aquelas em que os juros só crescem, mês após mês – como é o caso do crédito rotativo do cartão. 💳 

Portanto, para começar, faça uma lista com detalhes de todos os seus débitos, incluindo informações sobre valor, total pago, o que falta pagar, taxa de juros e prazo. 

Essa lista vai servir para você priorizar o que pagar primeiro. 

Um dos mandamentos da educação financeira recomenda priorizar as dívidas mais caras. Se puder, negocie o pagamento à vista para obter um desconto maior na quitação. 

Passo #02: Tenha objetivos

Livre de dívidas, chegou a hora de traçar um objetivo a perseguir. Essa será a sua motivação, a razão pela qual vai fazer um esforço extra para juntar dinheiro. 

Uma forma clássica de fazer isso é definindo três tipos de objetivos e estabelecendo prazos para eles. Por exemplo: 

A verdade é que os objetivos dependem daquilo que você deseja para sua vida, podendo incluir desde a compra de um apartamento até atingir sua independência financeira

No entanto, quanto mais específicos eles forem, mais fácil de você traçar um caminho para alcançá-los. 

Passo #03: Estabeleça uma meta mensal de economia

Agora que você estabeleceu objetivos e prazos para eles, é hora de definir quanto precisa economizar mensalmente para que sejam realizados. Esse valor vai depender da sua capacidade atual. Por isso, você deve conhecer todas as suas despesas e receitas antes de começar. 

É possível estabelecer um valor fixo para guardar (como R$ 200,00) ou estabelecer um percentual (como 5% da sua renda). Mas no fundo, o que importa é que esse valor ou percentual seja respeitado, ou seja, você deve ter disciplina de sempre juntar esse dinheiro. 

Passo #04: Escolha um investimento adequado para você

A melhor estratégia de como juntar dinheiro rápido é fazer com que ele trabalhe a seu favor. 😎 

Mesmo que a sua economia inicial seja de R$ 50 por mês, já dá para começar a investir em títulos públicos do Tesouro Direto.  

Até mesmo a compra de ações é possível, já que você pode adquirir de 1 a 99 papéis no mercado fracionário, alguns deles custando centavos de reais. 

Ainda neste conteúdo, vamos trazer dicas para você escolher onde investir, então fique de olho! 👀 Mas, desde já, saiba que será importante conhecer e respeitar o seu perfil de investidor, além de atender os objetivos que você definiu para o dinheiro. 

Passo #05: Comece devagar e seja persistente

Uma pesquisa da Anbima, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, revelou que 75% dos brasileiros não guardam dinheiro. 

Isso pode ser explicado, em parte, pela falta de um plano ou pela pressa nos resultados. 

Por isso, o nosso quinto passo recomenda cautela.  

Você já eliminou dívidas, definiu objetivos, começou a economizar e a investir. 

Não tenha receio de começar devagar, poupando e investindo pequenas quantias mês a mês. 

Esse esforço será importante para ver os resultados de suas ações conforme aumenta sua confiança e segurança para voos maiores no mercado financeiro.  

Dessa forma, é possível juntar dinheiro em 6 meses ou até menos tempo. 

 A imagem mostra uma pessoa, vestindo uma roupa azul e branca com um laço preto na cintura, segurando um porquinho rosa com o braço esquerdo.
Muitas pessoas acabam não economizando por pensarem que é necessário ganhar uma quantia muito grande para isso, mas essa não é a realidade! É possível economizar ganhando pouco, e nós mostramos como!

Como juntar dinheiro ganhando pouco: 5 dicas!

Segundo levantamento, apenas 21% dos brasileiros das classes A, B e C tiveram acesso à educação financeira ainda quando crianças. A falta de conhecimento e informação não apenas atrasa a realização de sonhos, como ainda sustenta mitos perigosos. 

Entre eles, está a ideia de que investir é apenas para pessoas ricas. 

Para ver como isso não é verdade, confira mais 5 dicas sobre como juntar dinheiro rápido, especialmente se você tem pouco dinheiro

Dica #01: Poupe o que conseguir

Lembre-se do que falamos antes: poupe o que puder investir. Mesmo que seja pouco, apenas comece. O ponto principal aqui é criar o hábito de juntar dinheiro. 

Hoje, você começa com R$ 30. Em dois meses, talvez suba para R$ 50. Quando se der conta, em um ano, estará poupando R$ 100 por mês. 

Cada quantia economizada vira um novo aporte financeiro em seus investimentos, o que ajuda na meta de juntar dinheiro rápido, pois os juros trabalham a seu favor.  😉 

Dica #02: Economize suas horas extras

Se você trabalha no regime de CLT, planejar as horas extras pode ser uma boa oportunidade para começar a juntar dinheiro. 

Vamos supor que uma hora normal custe R$ 10,00, mais o adicional de 50%. Isso representa: 

‍10 x 1,5 (50%) = R$ 15,00 para cada hora extra 

Se você realizar 4 horas extras no mês, já são R$ 60,00 que podem ser economizados e investidos. É uma forma de começar. 

Mas não se esqueça da sua saúde, física e mental. Algumas horas extras podem não valer o esforço. Você é prioridade! 

Dica #03: Use seu 13º salário 

O 13º é um salário concedido ao trabalhador é garantido por lei. Ele geralmente é pago em duas parcelas, uma no meio e outra no final do ano. 

Caso você não possua dívidas, o 13º pode ser uma excelente opção para começar a juntar um dinheirinho e investir em aplicações que combinem com o seu perfil de risco

Quer saber mais sobre o que é e como funciona o décimo terceiro? Confira nosso conteúdo completo sobre o assunto aqui! 

Dica #04: Procure cortar gastos

Muitas vezes, basta você deixar de gastar dinheiro para sobrar uma quantia no final do mês. 

Por exemplo, quando foi a última vez que você negociou o plano do seu celular? Ou a anuidade do cartão de crédito? E aquele seu combo de telefone e internet? Já cancelou um serviço que você nem usa faz alguns meses? Aliás, você ainda usa telefone fixo? 

Acredite: as oportunidades de economia são muitas. Se você negociar os valores ou mesmo cancelar, isso pode gerar uma grande economia – e mais dinheiro livre para investir. 💰 

Dica #05: Faça comida em casa

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE, os gastos com alimentação representavam 22% do orçamento familiar em 2019. 

Só era menor que com habitação (39,2%), pesando bastante no orçamento. 

Isso se explica muito pelo hábito do brasileiro de fazer suas refeições fora de casa, em restaurantes, onde a comida é mais cara do que cozinhar. 

Experimente fazer o próprio almoço em um ou dois dias da semana e perceba como isso já ajuda a juntar dinheiro. Além de aproveitar uma comidinha caseira.  

5 dicas práticas para juntar dinheiro e construir seu patrimônio financeiro!

Pensa que as dicas acabaram? Ainda não! 

Está na hora de conferir maneiras práticas de como juntar dinheiro rápido, seja qual for o seu nível de renda. Veja só: 👇 

Dica #01: Crie desafios

Você já deve ter ouvido falar do desafio das 52 semanas, certo? Caso não conheça, é bem simples de entender. Essa técnica consiste em juntar uma quantia a cada semana e ir dobrando esse valor nas semanas seguintes. 

Por exemplo, você pode começar com R$ 1,00 na primeira semana. Na segunda, passa a R$ 2,00. Na terceira, R$ 4,00. E assim por diante. 

Mas a questão é: adianta guardar um valor tão pequeno? 🤔 

Faça as contas: em um ano você pode ter até R$ 1.378,00 acumulados. Se começar em R$ 5,00 e ir dobrando o valor, você pode chegar à quantia de R$ 6.890,00 economizados em um ano. Vale a pena, concorda? 

E se você tem pouco dinheiro, pode fazer esse desafio de forma mensal, começando com R$ 15,00 e ir dobrando o valor a cada mês. 

Dica #02: Venda o que não usa mais 

Uma das formas para aprender como juntar dinheiro rápido é através da venda de itens que já não usa mais. Podem ser roupas usadas, livros antigos ou até algum eletrodoméstico que está parado na sua casa. 

Sites como o Mercado Livre, Enjoei e eBay são ótimas ferramentas para isso. Aproveite! 

Dica #03: Tenha uma renda extra

Na crise atual, confiar apenas no seu trabalho como fonte de renda pode não ser a melhor opção. Uma alternativa para solucionar essa questão, por exemplo, pode ser alugar um quarto do seu apartamento pelo Airbnb, ou tornar-se motorista via Uber, ou entregador pelo iFood. 

Isso sem falar nas possibilidades do mundo digital, como programas de afiliados e criação de conteúdo e cursos online. Se você é bom em algo, por que não dividir sua experiência e conquistar alunos? 

Dica #04: Invista para maximizar sua reserva

É preciso destacar mais uma vez o papel dos investimentos para maximizar sua reserva financeira. São os investimentos que irão possibilitar que seu dinheiro não perca valor, que seu patrimônio cresça e ainda possa gerar uma renda extra. 

Ao investir em ações, por exemplo, você pode ser remunerado periodicamente com dividendos pagos pelas empresas. 

Leia nosso artigo sobre como viver de dividendos para entender melhor. 

A imagem mostra uma pessoa contando notas de dinheiro com um caderno aberto na mesa, uma caneta e um acelular ao lado para auxiliar nas contas.
Um bom investimento para colocar suas economias deve seguir, primeiramente, seu perfil de investidor, seja ele conservador, moderado ou agressivo.

Melhores investimentos para seus objetivos

Agora, você já sabe que investir é parte importante do seu projeto para aprender como juntar dinheiro. Mas onde investir? 

O mercado oferece uma série de aplicações financeiras, e a escolha passa por dois pontos importantes: conhecer seu perfil de investidor e ter objetivos determinados. 

Como a gente acredita que você seguiu as dicas anteriores e já tem essas informações bem claras, vamos apresentar agora alguns dos melhores investimentos para cada perfil: 👇 

Por que investir na Bolsa pode ser para você

A bolsa de valores oferece uma série de oportunidades para aumentar seu patrimônio – e não apenas para investidores de perfil agressivo. Ter na sua carteira ativos de renda variável é importante para fins de diversificação, já que você equilibra ganhos e perdas na relação com a renda fixa. 

Além disso, as opções são muitas, combinando com os mais variados objetivos financeiros. 

Outro ponto a destacar é que é possível investir na bolsa com pouco dinheiro. Como comentamos antes, ações no mercado fracionário custam a partir de centavos. Mesmo nas grandes empresas, é possível investir com poucos reais. 

No caso de fundos, como os imobiliários, a aplicação é feita por cotas, o que permite a você começar com pouco e, mesmo assim, escolher grandes e rentáveis opções no mercado. 

Isso sem falar em toda a praticidade que o meio digital trouxe para as negociações em bolsa. De onde você estiver, inclusive da própria casa, você pode operar com as melhores ferramentas. 

Com as plataformas da Clear, você acompanha as cotações de ações e investe na bolsa e em outros ativos à sua escolha. E o melhor: a taxa é zero na corretagem! 

Conclusão 

Aprender como juntar dinheiro rápido é possível para qualquer pessoa, independentemente da renda ou atividade que ela exerça. Com a ajuda de mudança de hábitos, planejamento e investimentos, você pode adquirir sua liberdade financeira com segurança e bom planejamento. 

Aproveite as dicas que conferiu ao longo deste conteúdo para começar agora mesmo. E sabe qual é o próximo passo? Abrir sua conta na Clear gratuitamente! 

A primeira corretora com taxa zero na corretagem é a melhor escolha para você juntar dinheiro rápido investindo. 

Bora pra cima! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Estamos acostumados a pensar mais no presente, no aqui e agora, mas se prevenir para enfrentar problemas inesperados é muito importante. 

Desta forma, imprevistos não desorganizam a nossa vida financeira e resolvemos as pendências de imediato. É para isso que devemos constituir uma reserva de emergência

Mas o que é, exatamente, uma reserva de emergência? Como construir uma? E onde colocar essa reserva de emergência? 

A resposta dessas e outras perguntas você encontra aqui! Vem ver! 👇 

Antes de qualquer coisa, o que é a reserva de emergência?  

A reserva de emergência nada mais é do que um dinheiro reservado para resolver eventualidades que a vida traz inesperadamente. É para cobrir imprevistos que existe a reserva de emergência, também chamada pelos economistas como fundo de emergência. 

Imprevistos acontecem na vida de todo mundo, e justamente quando a gente menos espera. 😕 

Um carro não escolhe o dia para deixar de funcionar, assim como um cano não estoura com hora marcada, apenas para citar dois dos imprevistos mais comuns.  

Por isso, para resolver estas pendências inesperadas, é preciso ter algum dinheiro guardado. 

Como ela funciona? 

A reserva financeira – outra forma como a reserva de emergência é conhecida – não é sazonal, ou seja, deve existir sempre, continuamente.  

Por um motivo simples: se você não teve imprevistos para cobrir até aqui, que ótimo, mas em algum momento isso pode acontecer e você precisará utilizar o seu fundo de emergência. A reserva emergencial cobre a imprevisibilidade. 

O fundo de reserva traz segurança financeira, pois quando um imprevisto acontece você não precisará se desorganizar financeiramente para resolvê-lo.  

E aí está o pulo do gato da reserva de emergência: você pode resolver o problema imediatamente, sem a necessidade de recorrer, por exemplo, ao seu cheque especial que, convém lembrar, cobra um dos juros mais altos do mundo. 

Para proteger seu patrimônio, resolver problemas de saúde, se segurar durante um período sem trabalho ou diante de qualquer tipo de acidente é preciso constituir o hábito de poupar todo mês um pouquinho.  

E – atenção – é fundamental não mexer neste fundo, deixando-o aplicado no mercado financeiro para buscar uma rentabilidade que o turbine. 

Para que ela serve e qual sua importância? 

O próprio nome desta reserva financeira explica para que serve e qual é a sua importância: é uma reserva de emergência.  

Se organizar financeiramente para dar conta de todos os seus compromissos é fundamental, e a reserva de emergência é mais um ponto a considerar no seu planejamento financeiro

A reserva emergencial vai permitir que você cubra qualquer imprevisto imediatamente, resolvendo-o, sem se atrapalhar financeiramente.  

O que é melhor para o seu bolso: ter que tomar um empréstimo para resolver o problema do motor fundido do seu carro, pagando juros por isso e se desorganizando financeiramente para saldar o compromisso, ou simplesmente retirar o dinheiro da sua própria conta e pagar o conserto à vista? 

A reserva financeira resolve problemas imediatamente –quando eles acontecem –e lhe oferece segurança. Simples assim! 

Reserva de emergência: Onde investir?

A foto mostra um homem sentado à mesa. Há um notebook à sua frente, papéis e cadernos, nos quais faz anotações sobre onde investir a reserva de emergência.

Como falamos, a reserva de emergência não deve ser sazonal. Portanto, você irá constituí-la continuamente, depositando uma pequena soma todos os meses.  

É claro que a gente torce para que não seja preciso utilizá-la, e enquanto isso não acontece é preciso aplicar o montante para vê-lo crescer. A inflação não perdoa dinheiro parado, não é verdade? 

A questão é: como e onde aplicar a sua reserva emergencial? 🤔 

É preciso montar uma estratégia, ou mesmo uma carteira de investimentos para fazer esse dinheiro se multiplicar.  

E alguns cuidados precisam ser tomados. O principal deles é buscar uma aplicação que ofereça liquidez, se possível até mesmo diária.  

Afinal, estamos falando de emergências e imprevistos, e talvez você precise de dinheiro para um mesmo dia. 

Mas onde investir a reserva de emergência? Existe um melhor investimento para reserva de emergência? É o que respondemos agora, confira! 👇 

1.Tesouro Direto 

O Tesouro Direto é o investimento mais seguro da nossa economia pois é um título público que representa os ativos de renda fixa emitidos pelo Governo para o pagamento de dívidas públicas.  

Essa aplicação tem uma rentabilidade superior ao da poupança, oferece alta liquidez e é um investimento conservador, o que é excelente para aqueles que não estão preparados para as oscilações da renda variável

2.CDBs 

Os Certificados de Depósito Bancário – os chamados CDBs – são uma ótima possibilidade para rentabilizar sua reserva de emergência, principalmente se você é um investidor iniciante.  

Os CDBs estão disponíveis em todos os bancos, e são muito populares, e as corretoras costumam oferecê-los com uma remuneração ainda maior do que o oferecido pela rede bancária. 

Eles são utilizados pelas instituições financeiras para a concessão de empréstimos, e por conta disso oferecem remuneração aos investidores.  

A liquidez pode ser diária e, em geral, o valor mínimo a ser aplicado é bem baixo. Outra vantagem: não há taxa de administração

3. Ações da Bolsa de Valores 

Sim, você pode aplicar seu fundo financeiro emergencial na Bolsa de Valores, comprando ações.  

Essa aplicação oferece alta liquidez, afinal você poderá vender seus papéis a qualquer momento. 

Nunca é demais lembrar que ações sofrem alta oscilação, portanto há um risco do qual o investidor não pode se livrar. Isso faz parte do jogo. Mas os ganhos também podem ser apetitosos, e cabe a quem investe tomar esta decisão. 

+ Saiba como comprar ações: passo a passo para começar! 

Afinal, quais são as vantagens? 

Agora, você já sabe onde deixar a reserva de emergência, mas qual é a vantagem de aplicar esse dinheiro?  

Essa é a pergunta mais fácil de todas: para vê-lo crescer e não perder seu poder de compra.  

Enquanto o imprevisto não vem, seu dinheiro vai rendendo, tornando seu fundo emergencial ainda mais forte e capaz de atender aos problemas que a vida pode lhe trazer inesperadamente. 

E as desvantagens? 

Tudo nesta vida tem vantagens e desvantagens.  

No caso da aplicação da sua reserva de emergência, a desvantagem é precisar do dinheiro já e a aplicação não oferecer liquidez imediata.  

Pode acontecer, por exemplo, de você precisar do dinheiro imediatamente e a aplicação necessitar de dois ou três dias – se não mais – para liberá-lo.  

Portanto, fique bem atento a esta questão! 

Conclusão 

A foto mostra uma mulher, que leva uma das mãos no óculos para ajeitá-lo, em frente a um computador, analisando as alternativas que a reserva de emergência oferece.

Contar com uma reserva de emergência, portanto, é investir na sua segurança financeira e dar conta de qualquer eventualidade inesperada sem se desorganizar e, principalmente, sem ter a necessidade de buscar um empréstimo bancário. 

Trata-se de um hábito importante, que faz parte da sua educação financeira, e enquanto o dinheiro não precisa ser utilizado deve ser aplicado, em busca de rentabilidade.  

Se você se interessa por assuntos como esse, especialmente quando falamos sobre investimentos, continue acompanhando os conteúdos que a gente lança, semanalmente, tanto no nosso canal do Youtube quanto aqui no Master Clear. 

Também dá pra acompanhar a gente nas redes sociais: 

Torne-se um expert em investimentos com a Clear! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


A imagem mostra as mãos de uma pessoa segurando alguns papéis e uma caneta, em uma mesa repleta de documentos, um óculos e um notebook aberto.

O novo ano já está batendo na porta. Hora de mudar para uma alimentação mais saudável, iniciar uma atividade física regular, correr atrás dos nossos sonhos e… prestar contas com o Leão do imposto de renda. 🦁 

Caso você esteja se perguntando quem precisa declarar imposto de renda, em 2021, nada menos do que 34.168.166 contribuintes declararam IR referente ao ano anterior, o que significou um crescimento de 6,8% em relação a 2020.  

Mas, afinal, quem precisa declarar imposto de renda? Se você quer saber se está entre aqueles que são obrigados por lei a se entender com o Leão do Fisco, em 2022, confira nosso conteúdo até o final e saiba quem precisa declarar imposto de renda

Boa leitura! 

Quem precisa declarar imposto de renda? 

Como questionamos, quem é obrigado a declarar imposto de renda em 2022, referente ao ano-calendário de 2021? Bom, há algumas condições que definem quem precisa declarar imposto de renda. Confira: 👇 

Rendimentos tributáveis 

Para começarmos, o contribuinte tem que declarar IR se recebeu rendimentos tributáveis em 2021 acima de R$ 28.559,70. Se esse for o seu caso, fique atento! 👀 

Rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados na fonte 

Por outro lado, também precisa declarar imposto de renda quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, no valor superior a R$ 40.000,00. 

Ganhos de capital e operações na Bolsa de Valor 

Em relação aos ganhos de capital e operações na Bolsa de Valores, precisam declarar imposto de renda aqueles que obtiveram, ao longo do ano: 

Atividade rural 

Também deve fazer a declaração relativa à atividade rural os que obtiveram receita anual bruta superior a R$ 142.798,50 e quem pretende compensar prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2021. 

Bens e direitos 

Além disso, precisa declarar imposto de renda quem tinha, em 31 de dezembro, bens e direitos no valor superior a R$ 300 mil. 

Residente no país 

Finalizando, quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro de 2020 deve declarar também. 

Onde posso declarar o imposto de renda? 

Agora você já sabe se precisa ou não declarar imposto de renda, mas, caso precise, onde isso é feito? 🤔 

De acordo com a Receita Federal, a declaração de ajuste anual deve ser elaborada exclusivamente com o uso de: 

Quais são os documentos necessários? 

Ao preencher e enviar a declaração do Imposto de Renda, não é preciso enviar à Receita Federal documento algum. No entanto, eles são necessários para que você preencha sua declaração corretamente, evitando erros. 

Assim, você precisa ter em mãos: 

A imagem mostra uma mesa repleta de papéis, algumas moedas douradas e três letras que formam a palavra "taxa"
Não é necessário enviar nenhum documento para a Receita Federal junto com a declaração do Imposto de Renda, no entanto, você precisa ter alguns dados em mãos para o preenchimento do documento.

Dê o primeiro passo para conquistar sua liberdade financeira. Abra sua conta na Clear e aproveite corretagem zero e outras vantagens. 

Passo a passo para declarar IR! 

Chegamos ao momento tão aguardado, a hora de colocar em prática o que vimos até aqui e fazer a declaração. Declarar IR é simples, e seu passo a passo é bem fácil. Confira: 👇 

Passo #01 – Download do programa 

Antes de iniciar você deve baixar, na página da Receita Federal, o programa para declaração do IR, que está apto para o preenchimento e envio. 

Passo #02 – Preenchimento da declaração 

Em seguida, é preciso ter em mãos todos os dados relacionados aos rendimentos tributáveis e não-tributáveis, bem como despesas que podem ser declaradas (como recibos de médico, dentista e educação).  

Com estes dados, você deverá preencher a declaração, em posição offline. O próprio programa oferece um FAQ para que você tire todas as suas dúvidas. Além disso, ele promove um check-up geral e aponta possíveis erros. 

Passo #03 – Envio 

Após preenchida a documentação, a declaração deve ser enviada, e nesta hora você precisará estar conectado à internet. Como já dissemos, o próprio programa se encarrega desta tarefa. 

Agora, basta imprimir a declaração, o recibo e, se for o caso, os boletos para pagamento de imposto. 👍 

Qual o prazo para declarar IR? 

A declaração deve ser entregue à Receita Federal normalmente entre os dias 1 de março e 31 de maio.  

Em 2020, o prazo foi estendido um pouco por conta da pandemia da covid-19. 

O que acontece caso eu não declare dentro do prazo?  

Todo contribuinte é obrigado a apresentar sua declaração dentro do prazo previsto. Caso isso não aconteça, você terá que pagar multa e juros.  

Segundo a Receita Federal, a multa é de 1% ao mês ou fração de atraso, incidente sobre o imposto devido, ainda que integralmente pago, observados os valores mínimos de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido.  

Inexistindo imposto devido, a multa é de R$ 165,74. Caso a multa não seja paga pelo contribuinte até a data de vencimento, haverá incidência de juros de mora, com base na taxa Selic. 

Aqui vale lembrar que a apresentação de declaração de ajuste anual retificadora não está sujeita a multa por atraso na entrega.  

Portanto, os contribuintes que não conseguirem preparar a declaração até o prazo são orientados a apresentar o documento de qualquer jeito, para não perder a data de vencimento. 

Quem NÃO precisa declarar imposto de renda? 

É importante destacar que são isentos todos que não se enquadram nos critérios definidos pela Receita Federal. Saiba, agora, quem está isento da declaração do IR. 

Dependentes 

Aqueles que constam como dependentes na declaração de uma outra pessoa física (e cujos rendimentos, bens e direitos são informados nesta declaração) não precisam prestar contas a Receita Federal. 

Portadores de determinadas doenças graves 

Também estão isentas as pessoas que apresentam as seguintes condições: 

• Tuberculose Ativa; 

• Cardiopatia Grave; 

• Neoplasia Maligna; 

• Nefropatia Grave; 

• AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida); 

• Paralisia Irreversível e Incapacitante; 

• Doença de Paget em estados avançados; 

• Espondiloartrose Anquilosante; 

• Esclerose Múltipla; 

• Fibrose Cística (Mucoviscidose); 

• Hanseníase; 

• Contaminação por Radiação; 

• Doença de Parkinson; 

• Hepatopatia Grave; 

• Cegueira (inclusive monocular); 

• Alienação Mental. 

Bens em comum 

Por fim, são isentos aqueles que têm bens em comum declarados pelo cônjuge, desde que esses bens não ultrapassem o valor de R$ 300 mil em 31 de dezembro de 2021. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário e confira outros conteúdos no Master Clear para ficar por dentro do assunto! Te esperamos lá. 

Bora pra cima! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


A imagem mostra Três pessoas, duas sentadas uma ao lado da outra enquanto seguram uma folha nas mãos e analisam ao mesmo tempo. A outra pessoa está sentada do outro lado da mesa, olhando para uma pasta vermelha, também repleta de papéis.

Muitos microempresários individuais, também conhecidos como MEIs, têm dúvidas se precisam declarar imposto de renda MEI como empresários e também o IR como pessoas físicas. 🤔 

No segundo caso, a obrigatoriedade da declaração depende de uma série de fatores determinados pela Receita Federal, como faturamento anual e valor de bens próprios, por exemplo. 

Mas quando pensamos na empresa, ela é obrigada a declarar o imposto de renda MEI, sim. Mas como isso deve ser feito, quando e qual é a penalidade para quem não cumpre o prazo?  

São muitas questões que podem ficar confusas, não é mesmo? Mas não precisa se preocupar. Separamos este conteúdo completo para você saber como funciona o imposto de renda MEI e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto. 

Continue acompanhando e faça uma boa leitura!  

Imposto de renda MEI: O que é? 

Toda atividade profissional, que gera renda, é passível de ser taxada pelo IR. Como o próprio nome diz, o imposto é sobre a renda, incluindo o Imposto de renda MEI.  

Pessoas físicas podem ser isentas ou não desta condição, dependendo de uma série de fatores, mas pessoas jurídicas precisam declarar. 

Neste sentido, todo microempresário individual (MEI) é obrigado a prestar contas de suas atividades profissionais ao Leão do Fisco. 🦁 O imposto de renda MEI é chamado de Declaração Anual do Simples Nacional do MEI (DASN-Simei). 

É muito importante pontuar que esta declaração refere-se à atividade da empresa do microempresário individual. Como pessoa física, o MEI também terá que fazer sua declaração do imposto de renda, a não ser que seja isento por conta das condições definidas pela Receita Federal. 

Todo MEI precisa declarar? 

Sim, todo microempresário individual precisa fazer a Declaração Anual do Simples Nacional do MEI, mesmo que seu faturamento tenha sido zero, ou seja, mesmo que ele não tenha fechado negócio algum. 

Por isso, fique de olho! 👀

Como calcular o imposto de renda MEI? 

No imposto de renda MEI nunca há imposto a pagar ou a restituir. Os impostos já foram pagos mês a mês, ao longo do ano, pelo microempresário individual. Na verdade, trata-se apenas de uma declaração anual, para controle do Simples Nacional e, claro, da Receita Federal. 

Portanto, o microempresário individual não precisa se preocupar com a ideia de que poderá pagar ainda mais imposto de renda por conta de sua atividade profissional. Simplesmente não há cálculos no imposto de renda MEI

No entanto, aqui vale lembrar que o lucro da empresa é uma coisa, a renda tributável do MEI é outra bem diferente.  

Com o lucro da empresa, o microempresário individual pode, por exemplo, comprar mais uma máquina ou um notebook, por exemplo, para incrementar sua atividade.  

Por outro lado, o que sobra para ele, ou seja, a distribuição do lucro, é que vai definir se ele também deve declarar imposto de renda enquanto pessoa física ou não.  

Uma MEI pode faturar até R$81 mil anuais, e se o empresário receber da empresa mais do que R$28.559,70 anuais terá que prestar contas ao Leão também como pessoa física. 

A imagem mostra uma mulher olhando com uma cara de dúvida para o seu notebook. Ela está sentada em uma mesa repleta de materiais de escritório, como canetas e papéis.
O imposto de renda MEI é obrigatório para toda microempresa individual, no entanto, a declaração do IR enquanto pessoa física deve seguir as condições estabelecidas para confirmar se é ou não necessário. 

Atenção ao declarar os ganhos no imposto de renda pessoa física  

Se você tiver que declarar imposto de renda como pessoa física, por conta dos ganhos que alcançou com a sua microempresa individual, é importante saber que parte do lucro recebido é isento de imposto. 

É fácil descobrir a parcela isenta. Basta multiplicar a receita bruta pelo percentual definido pelas regras do MEI, segundo a atividade exercida: 

Imagine que o faturamento anual da empresa foi de R$ 80 mil, e seu segmento é de serviços. A parcela isenta corresponde a 32% dos R$ 80 mil, ou seja, R$ 25,6 mil. 

Imposto de renda MEI: Passo a passo 

Muito bem, já entendemos os conceitos do imposto de renda MEI, as como fazer, de fato, a declaração? 🤔 O microempresário individual não precisa se preocupar, pois o preenchimento do imposto de renda MEI é bem simples, rápido e fácil de fazer.  

A declaração é online, portanto é preciso estar conectado à internet para acessá-la e preenchê-la. 

Passo 1: acesso ao site do Simples Nacional 

O primeiro passo do imposto de renda MEI é acessar o site do Simples Nacional, onde a declaração deve ser feita. Para acessar a declaração, é preciso inserir, antes de tudo, o CNPJ da empresa MEI.  

Feito isso, você deve clicar em “continuar”. Uma nova tela aparecerá, onde deve-se selecionar o tipo de declaração: na linha “original” o MEI deve marcar o ano e deixar os demais campos em branco, clicando em “continuar”. 

Passo 2: preenchimento de valores 

Em uma nova tela, dois importantes campos devem ser preenchidos. No campo “Valor da receita bruta total de comércio, indústria, transportes intermunicipais, interestaduais e fornecimento de refeições”, o MEI deve preencher o valor total de produtos vendidos no ano.  

Se não houve venda de produtos, apenas de serviços, preencha o campo com o valor “zero”. 

No campo “Valor da receita bruta total dos serviços prestados de qualquer natureza, exceto transportes intermunicipais e interestaduais”, deve-se colocar o valor total dos serviços realizados. 

Seguindo o mesmo padrão, se não houve prestação de serviços, preencha com o valor “zero”. 

*Não custa repetir: mesmo que a empresa não tenha faturado, o imposto de renda MEI tem que ser declarado. 

Passo 3: finalizando e transmitindo a declaração 

Agora seu imposto de renda MEI está quase pronto. Na mesma tela, informe se a empresa MEI empregou algum profissional (MEIs só podem empregar uma pessoa).  

Em seguida, o próprio programa do DASN-Simei listará os pagamentos mensais de tributos feitos pelo microempresário individual. 

Espere esta etapa, clique em “transmitir” e o imposto de renda MEI está feita e devidamente entregue. Na próxima tela, é possível imprimir o recibo de entrega da declaração, que deve ser guardado por cinco anos. 

Bem fácil e rápido, não?  

Até quando posso declarar? 

De acordo com o portal do MEI, o prazo para entrega da DASN-Simei, o imposto de renda MEI, é até as 23:59 do dia 31 de maio de cada ano. 

O que acontece se o IR não for declarado no prazo? 

imposto de renda MEI deve ser entregue dentro do prazo. Caso isso não seja feito, pelo motivo que for, a multa vai de R$ 50,00 ou de 2% ao mês calendário ou fração, que incidem sobre o montante dos tributos informados através da DASN-SIMEI. 

Além disso, o MEI não poderá emitir o boleto para pagar o imposto mensal, o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), e pagará multa sobre isso também.  

O microempresário individual passa a ser considerado inadimplente e, nesta condição, perde os benefícios, como a cobertura previdenciária.

A imagem mostra uma microempreendedora individual, utilizando um terno preto e óculos, sentada em seu escritório. Ela segura o celular com uma das mãos enquanto escreve com a outra.
Para a declaração do imposto de renda MEI é importante estar atento ao prazo estipulado para evitar possíveis prejuízos.

 Declarando investimentos 

Mas, ao contrário da declaração de imposto de renda de pessoa física, no imposto de renda MEI não é necessário declarar investimentos feitos. A declaração se limita ao passo a passo informado anteriormente. 

Dê o primeiro passo para conquistar sua liberdade financeira. Abra sua conta na Clear e conte com corretagem zero e outras vantagens.  

Melhores investimentos para MEI  

O melhor investimento financeiro é aquele que é feito sob medida para o investidor, ou seja, que respeita suas características.   

Há investidores agressivos, moderados e conservadores, e é este o ponto de partida que define o melhor investimento para um microempresário individual. Há que se considerar outras determinantes, como, por exemplo, a necessidade de liquidez rápida.  

A seguir, listamos três investimentos muito procurados por MEIs: 👇 

Investimento #01: CDB  

Os Certificados de Depósito Bancário (CDB) são investimentos de curto prazo. Eles oferecem diferentes prazos, rentabilidade e liquidez, inclusive diária.  

Além disso, também oferecem segurança por serem garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em até R$ 250 mil por CPF e por instituição. 

Investimento 2: Tesouro Selic 

O Tesouro Selic também é um investimento de curto prazo. Trata-se de um título público com rentabilidade atrelada à taxa Selic.  

O Governo Federal garante o Tesouro Selic, portanto são considerados os títulos públicos mais seguros do país. 

Investimento 3: ações 

Se o microempresário individual é mais arrojado, pode investir em ações. É um mercado volátil, é verdade, mas a possibilidade de ganho em curto prazo é grande também.  

É possível aferir lucro dentro de um próprio dia, com a compra e a venda de um lote de ações. 

Para negociar ações é preciso fazê-lo por meio de uma plataforma trader ou um aplicativo de investimentos, de uma corretora de valores que ofereça um atendimento personalizado, proativo e especializado, exatamente como faz a Clear

Gostou do conteúdo? Agora você está por dentro do Imposto de Renda MEI e poderá tirar de letra o assunto, não é mesmo?  

Confira outros conteúdos no Master Clear e bora pra cima, time! 🚀 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


A imagem mostra uma pessoa em seu escritório. Ela está sentada em frente a uma parede branca, vestindo uma blusa também branca enquanto segura alguns documentos do DARF com as mãos. Na mesa podemos ver um abajur branco, uma planta, um notebook e algumas cartolinas ao fundo.

Se você começou a sua jornada no mundo dos investimentos recentemente e acabou de descobrir o que é Renda Variável, é muito importante também começar a se aprofundar no conceito de DARF.  

Afinal, essa guia fará parte de sua rotina todos os meses e, pagá-la corretamente e em dia, garantirá o bem do seu bolso e evitará problemas com a Receita Federal. Então é bom ficar de olho, não é mesmo? 

Diferente de como ocorre com as operações financeiras de Renda Fixa, que você já deve ter o costume de realizar, as operações na Bolsa de Valores exigem que o próprio investidor realize o cálculo do Imposto de Renda. 

Além disso, ela também exige que o investidor seja o responsável pelos pagamentos dentro do prazo. Desse modo, o DARF é a ferramenta ideal para simplificar esse processo. 

Pensando nisso, para você entender o que é DARF, para que serve, qual a sua importância para os investidores, como calcular e emitir o imposto, entre outras informações cruciais sobre o assunto, preparamos este conteúdo especial. 

Continue acompanhando para saber mais detalhes e bora pra cima! 😉 

DARF: o que é? 

Muito bem, o que é DARF? O Documento de Arrecadação de Receitas Federais, também conhecido como DARF, é uma guia de recolhimento de contribuições, taxas e tributos à Receita Federal.  

Semelhante a um boleto, o contribuinte deve emitir o DARF sempre que precisar pagar impostos ao Governo Federal, provenientes de rendimentos tributáveis, como determinadas operações no mercado financeiro

Entre os impostos recolhidos pelo DARF estão: 

Entender o que é DARF é um assunto indispensável para quem investe, visto que grande parte das operações realizadas no mercado financeiro são suscetíveis ao recolhimento de Imposto de Renda (IR). 

Dessa forma, se uma pessoa investe em Ações e obtém lucro com a sua venda, por exemplo, existe uma grande possibilidade de que ela precise recolher uma parte desse rendimento, dependendo da quantia, em forma de IR. 💰  

Assim, esse recolhimento é feito por intermédio de um Documento de Arrecadação de Receitas Federais.  

Para que serve o DARF? 

Como o próprio nome diz, o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) é uma via de recolhimento de impostos para a Receita Federal que abrange uma grande variedade de contribuintes, sejam empresários, investidores ou até mesmo profissionais autônomos e colaboradores. 

Há uma enorme variedade de segmentos que utilizam o DARF para realizar o pagamento de impostos, porém, neste conteúdo, focaremos em investidores do mercado financeiro que desejam saber como emitir e realizar o recolhimento de tributos. 

Esses tributos são, de modo geral, relativos às suas movimentações na Bolsa de Valores e rendimentos provenientes de investimentos em CommoditiesFundos Imobiliários, Opções, Ações e outros tipos de investimentos de Renda Variável. 

Fundos de Investimentos e rendimentos gerados pela Renda Fixa, com tributação retida na fonte, são ótimos exemplos de categorias que não exigem que o investidor pague a DARF, pois os tributos já são descontados. 

Já, no caso dos ativos da Bolsa, é preciso que o recolhimento dos impostos seja realizado por meio do DARF, por isso esse documento é fundamental. 

DARF: principais tributos 

Agora que você já sabe o que é DARF e para que serve essa guia de recolhimento de impostos à Receita Federal, separamos alguns dos tributos mais importantes que integram esse documento. 

Continue acompanhando e confira com a gente! 👇 

IRPF (Imposto de Renda de Pessoa Física) 

Os rendimentos de uma pessoa física que ultrapassam o limite de isenção de faturamento (estabelecido pela Receita Federal) são apurados e têm incidência do IRPF. 

Geralmente, o prazo para realizar o Imposto de Renda de Pessoa Física começa no primeiro dia útil de março e termina no último dia útil de abril. Porém, em 2020 por conta da pandemia causada pelo coronavírus, o prazo foi estendido. Portanto, fique de olho! 👀 

IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica) 

Todas as organizações que possuam um CNPJ ativo têm a obrigação de pagar um tributo federal chamado IRPJ (isentas somente algumas exceções), um dos impostos de competência da União. 

A porcentagem atribuída para a base de cálculo do IRPJ varia de acordo com o Regime Tributário no qual a pessoa jurídica está enquadrada, podendo ser recolhido mensal, trimestral, anualmente ou por evento. 

IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro) 

O IOF é um imposto que incide sobre operações financeiras de diversas naturezas. Além de operações de Crédito, de Câmbio e de Seguro, como consta no próprio termo, o IOF também abrange Títulos ou Valores Mobiliários

Por incidir sobre diversos tipos de movimentações financeiras, é considerado um imposto complexo, com bases de cálculos e fatos geradores de forma distinta. 

Em resumo, seu objetivo é atuar como um regulador da economia brasileira. 

A imagem mostra duas pessoas sentadas, uma do lado da outra, em um sofá cinza. Ambas estão vestindo calças de moletom e meias com um arco-íris estampado. Uma delas está segurando um notebook no colo.
O DARF é uma guia, composta por variados tributos, como IOF e IRPJ, utilizada para o recolhimento de impostos à Receita Federal.

Tipos de DARF 

Seguindo para os tipos de DARF, existem dois principais com finalidades distintas, são eles: 

👉 DARF Comum: sua abrangência envolve pessoas físicas, jurídicas e investidores; 

👉 DARF Simples: deve ser emitido somente por empresas de pequeno e micro porte. 

Nós separamos para você, a seguir, algumas das principais características de cada um. Não tem segredo, confira: 

DARF Comum 

Pode-se afirmar que o DARF Comum tem a finalidade de recolher impostos federais de pessoas físicas e jurídicas, ou seja, de cidadãos comuns e empresas, mas também abrange a classe de investimentos, visto que, nele, também é recolhido o IOF. 

DARF Simples 

Enquanto isso, o DARF Simples, por sua vez, é uma guia de recolhimento de uso exclusivo para pessoas jurídicas que estejam enquadradas no Regime Tributário do Simples Nacional. Isto é, micro ou pequenas empresas. 

Este regime conta com um sistema de recolhimento unificado, no qual alguns tributos federais são recolhidos em um único imposto, como: 

Se houver convênio, impostos municipais e estaduais também poderão ser incluídos, como ISS e ICMS. 

Desde que o Regime Tributário do Simples Nacional foi criado, em 2011, o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) substituiu o DARF Simples, o que fez com que micro e pequenas empresas não precisassem mais emitir o DARF. 

Quem precisa emitir DARF? 

Até aqui você já viu o que é Darf, para que ele serve e também algumas questões mais específicas, mas de grande importância, não é mesmo? Mas uma pergunta que não quer calar: quem precisa, de fato, emitir essa guia? 🤔 

É simples: qualquer pessoa física, jurídica ou investidor que tenha impostos federais para recolher deve pagar o DARF. 

Por exemplo, quem investe no mercado imobiliário e obtém renda proveniente de aluguéis. Ou, ainda, quem negocia na Bolsa de Valores deve emitir mensalmente uma guia do DARF relativa a todos os rendimentos gerados pelas operações. 

Quando o investidor deve emitir DARF? 

Nem todas as operações financeiras, necessariamente, exigem a emissão do DARF, visto que, até a data em que este artigo foi publicado, há isenção no Imposto de Renda para vendas de ativos no valor de até R$ 20 mil por mês. 

Isso significa que qualquer negociação que o investidor realizar em um determinado mês abaixo desta quantia, não exigirão que o DARF seja emitido. 

Porém, é preciso destacar que determinados papéis negociados na Bolsa não são isentos dessa tributação, como no caso dos Contratos Futuros, Fundos Imobiliários, Opções, ETFs, Ações e outros tipos de investimentos de Renda Variável. 

Se for o caso, o investidor terá que emitir uma guia do DARF sempre que realizar movimentações de Renda Variável que registram lucros de capital na Bolsa ou, ainda, quando a venda dos seus ativos ultrapassarem R$ 20 mil no mês. 

Invista com a 1ª corretora no Brasil com corretagem zero em todos os produtos. Abra sua conta na Clear!  

Operações financeiras que entram no DARF 

Para facilitar a sua compreensão sobre o assunto, nós separamos alguns exemplos simples sobre operações registradas no mercado financeiro, mais especificamente investimentos de Renda Variável, que devem entrar no DARF.  

Lembrando que as alíquotas para base de cálculo variam conforme a modalidade de negociação e também de acordo com o produto.  

Veja 8 exemplos top que os analistas Clear separaram para você e fique por dentro! 👇 

Operação financeira/investimento #1 

Operações financeiras ou investimentos em Ações, de mais de um dia, cuja alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda seja de 15%. 

Operação financeira/investimento #2 

Operações financeiras ou investimentos em Ações cuja compra e venda ocorram no mesmo dia, isto é, de Day Trade. Além disso, que tenham a alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda de 20%. 

Operação financeira/investimento #3 

Operações financeiras ou investimentos em Contratos Futuros, de mais de um dia, cuja alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda seja de 15%. 

Operação financeira/investimento #4 

Operações financeiras ou investimentos em Opções cuja compra e venda ocorram no mesmo dia, isto é, de Day Trade e que tenham a alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda de 20%. 

Operação financeira/investimento #5 

Operações financeiras ou investimentos em ETFs, de mais de um dia ou Day Trade, cuja alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda seja de 15%. 

Operação financeira/investimento #6 

Operações financeiras ou investimentos em Fundos Imobiliários, de mais de um dia ou Day Trade, cuja alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda seja de 20%. 

Operação financeira/investimento #7 

Operações financeiras ou investimentos em Opções, de mais de um dia, cuja alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda seja de 15%. 

Operação financeira/investimento #8 

Operações financeiras ou investimentos em Contratos Futuros cuja compra e venda ocorram no mesmo dia, isto é, de Day Trade e que tenham a alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda de 20%. 

A imagem mostra uma pessoa escrevendo com uma  caneta dourada em uma agenda de anotações. Ela está sentada apoiando seus materiais em uma mesa de vidro.
Existem variadas operações registradas no mercado financeiro que devem entrar no cálculo do DARF, principalmente em relação aos investimentos de Renda Variável. 

Como calcular DARF? 

Para calcular o valor do DARF a ser pago, em primeiro lugar, você precisa saber o que entra na conta para calcular o lucro, como a alíquota de Imposto de Renda para cada tipo de investimento. 

Lembrando que o DARF deve ser pago todos os meses, o que significa que na hora de apurar os valores, é preciso consolidar todas as negociações realizadas em cada mês calendário.  

Por exemplo, quem obteve lucro no mês de junho, tem até o último dia útil de julho para calcular, emitir e realizar o pagamento do DARF referentes ao mês de junho. 

Confira agora e bora pro game! 🚀 

Tenha os documentos em mãos 

Para começar, junte todas as notas pertinentes à corretagem do mês de referência. Como citamos, o investidor que negociou ativos em junho, terá até o último dia útil de julho para emitir a guia do DARF.  

No entanto, caso ele não tenha essas notas de corretagem ou o extrato da conta corrente em mãos, poderá emitir comprovantes das operações diretamente no site da instituição de investimento. 

Conheça as alíquotas 

Se o investidor realizou uma operação de compra e venda de investimentos de Renda Variável no Day Trade, a alíquota para base de cálculo do Imposto de Renda que incidirá sobre os lucros será de 20%, sendo 19% pagos por meio do DARF e 1% retido na fonte. 

Haverá incidência de Imposto de Renda sob a alíquota de 15%, se for o caso de uma operação normal realizada em dias distintos, sendo 0,005% retido na fonte.  

Já, no caso de rendimentos com a venda de Ações, não haverá incidência do tributo se as operações não ultrapassarem R$ 20 mil no mês. 

Por fim, no caso de FIIs e ETFs, independentemente de qual seja o valor vendido no mês, não há isenção. 

Aproveite e confira nosso conteúdo completo sobre o que é volatilidade e entenda mais sobre o assunto! 

Calcule os impostos 

Agora, é preciso apurar o valor dos lucros obtidos nas negociações. Por exemplo, digamos que o investidor comprou 10 cotas de um FIIs (frações ideais de um patrimônio), sendo R$ 100 o valor de negociação por cada unidade.  

Seguindo o raciocínio, o valor de compra seria de R$ 1 mil. Mas, após 20 dias, a unidade subiu para R$ 120 e o valor de venda ficou em R$ 1.200 mil. 

Nesse cenário, poderíamos afirmar que o lucro seria representado pela diferença entre os montantes de compra e venda, correto? Contudo, o investidor ainda teria que descontar os custos operacionais, como a custódia e a taxa de corretagem. 

Pensando que esses custos tenham ficado em R$ 10, o investidor teria o lucro de R$ 210. Então, para chegar ao valor que deveria ser pago de IR, bastaria multiplicar por 0,15 ou 15%, chegando a R$ 31,50. 

Múltiplas compras 

Existem situações em que diversas compras no mesmo ativo são feitas a preços diferentes, antes mesmo de que uma venda seja realizada. Em casos como este, o cálculo do IR deve ser realizado tendo como base de cálculo o preço médio de aquisição. 

Digamos que o investidor comprou 10 ETFs por R$ 200 a unidade, em julho. Depois, em agosto, comprou mais 15 unidades por R$ 180 cada.  

Para chegar ao valor médio de aquisição, ele também precisará levar os custos operacionais em consideração (que, nesse exemplo, resultaram em R$ 10 por compra) e calcular o preço médio de cada uma. 

Dado o contexto, será necessário aplicar a seguinte fórmula: 

👉 PM = (custos operacionais + valor da aquisição) / quantidade total de produtos financeiros comprados 

Ainda no cenário hipotético acima, o preço médio de aquisição da primeira compra em julho seria (10 + [10 x 200]) / 10) = R$ 201. Enquanto a compra feita em agosto, seria (10 + [15 x 180]) / 15) = 180,66.  

Para se chegar ao valor médio de aquisição, basta ponderar a média entre ambos, isto é: ([10 x 201]) + [15 x 180,66]) / 25 = R$ 188,79

Se esse investidor conseguiu obter R$ 230 com a venda de 25 contas, tendo R$ 10 de custo operacional por unidade, seu lucro líquido será de R$ 1.020,25, ou seja, com todos os custos operacionais já descontados. 

Isso significa que o valor recolhido na DARF, sobre essa operação, com base na alíquota do IR, será de R$ 153,03

Na Clear, você tem as melhores vantagens para operar com facilidade e agilidade. Abra sua conta, é online, rápido e 100% grátis. 

Como emitir e pagar DARF? 

Agora que você já sabe calcular o Imposto de Renda relativo aos rendimentos tributáveis provenientes de investimentos no mercado financeiro, mostraremos como emitir a sua guia do DARF para recolher os tributos à Receita Federal. 

Passo 1. Baixe o Sicalc 

Primeiramente, é preciso baixar a ferramenta Sicalc, um software oficial da Receita Federal que permite que o investidor emita e calcule os tributos com muito mais segurança e eficiência.  

O seu principal benefício se deve ao fato de que o sistema é mensalmente atualizado em relação à variação da taxa Selic

+ Leia também: O que é IPO! 

Além do mais, o Sicalc também realiza automaticamente o cálculo de juros e multas pendentes. Caso o investidor nunca tenha realizado o recolhimento do DARF antes, o programa disponibilizará a sua guia com os valores devidamente atualizados. 

Existe, ainda, outra alternativa para emitir a guia do DARF, se você preferir. Basta acessar o Internet Banking da sua instituição bancária e procurar pela opção pertinente.  

Lembrando que isso só será válido se todos os rendimentos tributáveis relacionados às movimentações financeiras constarem em seus extratos bancários. 

Passo 2. Preencha os dados 

Após baixar o software da Receita Federal, é preciso acessar a aba “Pagamento”, na qual será preciso preencher as lacunas com os dados relacionados aos valores pertinentes às operações realizadas no mês.  

Entre as informações solicitadas, estarão: 

Em “Valor Principal”, o investidor deverá informar o valor do tributo acumulado em relação aos lucros que obteve com suas movimentações financeiras na Bolsa de Valores.  

Enquanto isso, no campo “Referência” não será preciso preencher nenhuma informação, pois não se aplica a esse caso. 

Passo 3. Emita o boleto do DARF 

Após informar todos os dados solicitados no sistema, o investidor poderá gerar o DARF no sistema Sicalc e imprimir o boleto. O valor poderá ser pago em casas lotéricas, bancos, instituições financeiras autorizadas ou até mesmo diretamente de seu smartphone pelo Internet Banking. 

Dica extra 

Agora uma dica PRO to PRO para você: o DARF também poderá ser impresso por meio das seguintes alternativas: 

Onde se paga o DARF? 

Como dito anteriormente, a guia do DARF é uma espécie de boleto pelo qual a Receita Federal recolhe o Imposto de Renda relacionado a rendimentos de investimentos.  

Portanto, pode ser paga em casas lotéricas, bancos, instituições financeiras autorizadas e pelo Internet Banking com o código de barras. 

A imagem mostra uma mesa com alguns itens de papelaria presentes, como uma calculadora e um caderno. Podemos ver as mãos de uma pessoa que escreve em uma folha de papel enquanto faz um conta utilizando uma calculadora.
Sendo uma espécie de boleto referente aos tributos e impostos recolhidos pela Receita Federal, o DARF também pode ser pago em instituições como casas lotéricas e bancos. 

Como calcular DARF em atraso? 

Para realizar o pagamento de uma guia do DARF em atraso, em primeiro lugar, será necessário calcular os juros, multas e acréscimos legais pelo atraso do imposto. 💸 O procedimento pode ser realizado automaticamente pelo sistema Sicalc, da Receita Federal. 

O que acontece se atrasar o DARF? 

Se o investidor emitiu uma guia do DARF relacionada aos seus ganhos obtidos em movimentações na Bolsa, mas não realizou o pagamento dentro do prazo de vencimento, estará sujeito aos juros e à multa pelo atraso. 

Sistema Sicalc 

Como já mencionamos, o Sicalc atualiza automaticamente os valores atrasados referentes ao pagamento de suas guias do DARF em aberto, usando como base a correção mensal da taxa Selic.  

Sendo assim, as guias emitidas após o prazo de vencimento serão calculadas da forma mais correta possível. 

O que são os acréscimos legais para imposto atrasado? 

De forma simplificada, acréscimos legais para o DARF em atraso são os valores pertinentes aos juros de mora e à multa, incidentes sobre o valor da contribuição ou tributo em questão, que são aplicados quando o contribuinte não cumpre com o prazo de pagamento de sua obrigação tributária. 

Sua finalidade é desincentivar que os pagamentos sejam realizados fora dos prazos determinados pela legislação. Como esses acréscimos só podem ser aplicados após a data de vencimento da contribuição ou tributo, essa data é o ponto de partida para o cálculo e cobrança dos mesmos. 

Qual é o valor dos acréscimos legais? 

A multa por atraso do DARF é de 0,33% ao dia, tendo o limite de 20% sobre o valor devido.  

Enquanto isso, os juros relativos ao atraso são calculados mês a mês, tendo a taxa Selic como base de cálculo. 

Como calcular? 

É simples, a multa diária pelo atraso do DARF é de 0,33% e começa a ser contada a partir do primeiro dia útil após a data do vencimento do imposto.  

Já a aplicação dos juros, baseados na Taxa Selic, começam a ser aplicados a partir do mês seguinte. 

Como pagar DARF sem código de barras? 

Caso você tenha emitido o DARF, mas não tenha gerado um código de barras, o pagamento do documento pode ser realizado da mesma forma. Normalmente, o Internet Banking ou os caixas eletrônicos das instituições bancárias contam com uma opção de “Pagamentos”.

Nessa opção, há uma subcategoria para “Pagamento de Impostos”. Ao selecionar a alternativa correspondente, procure pela opção “Pagamento sem código de barras”. Você verá que a nomenclatura e a ordem podem variar de um banco para outro. 

Feito isso, basta confirmar e está pronto, sem segredos! 👌 

Redarf (Retificação de DARF): como fazer? 

Redarf é o nome do procedimento de retificação de uma guia do DARF emitido errada ou em duplicidade. O problema ocorre comumente por falta de conhecimento ou de atenção e, se não for resolvido, pode levar o contribuinte a ter prejuízos financeiros. 

Como fazer a REDARF? 

Para solucionar um problema de emissão equivocada do DARF, isto é, a retificação do documento, será preciso preencher um novo formulário. O procedimento pode ser realizado diretamente do site da Receita Federal, com uso do Certificado Digital, ou presencialmente em qualquer unidade da RF. 

É importante destacar que o REDARF deverá ser preenchido em duas vias diferentes. Você deverá entregá-las na Receita Federal juntamente a alguns documentos (CPF, CNPJ, se for o caso, e a guia original do DARF). 

Mercado de investimentos em Renda Variável 

Resumidamente, investimentos em Renda Variável são produtos, ativos ou contratos financeiros que não ofereceram garantia ou um ganho fixo, tampouco a devolução do capital que foi investido, podendo variar para menos ou para mais. 

Isso significa que o investidor pode perder ou ganhar dinheiro sobre o valor do produto (Ouro ou Ações, por exemplo) ao cair ou subir durante o período investido.  

Basicamente, o investidor não tem como saber com antecedência se o seu capital irá render em um determinado período e poderá receber menos ou mais do que aplicou. 

Entre os principais tipos de ativos de Renda Variável, podemos citar: 👇 

Ações 

São papéis que representam uma “fração de sociedade” da empresa que decidiu abrir a sociedade para investidores interessados. Dessa forma, quem compra uma Ação torna-se sócio da empresa.  

As Ações são negociadas na Bolsa de Valores. Confira também o que são Ações Ordinárias e o que são Ações Preferenciais! 

Fundos de Ações 

São fundos de investimento que aplicam especialmente em Ações. Os valores de suas cotas podem cair ou subir em relação aos ativos aos quais são atrelados. 

Fundos multimercados 

São fundos de investimento em ativos que têm Renda Variável, como o Ouro, que pode ser negociado por meio de contratos na Bolsa de Valores ou como um ativo físico, comprado em peso. 

Câmbio 

São investimentos em moedas, como Libra, Euro ou Dólar. 

Derivativos 

Tratam-se de contratos negociados na Bolsa, cujos valores variam de acordo com o ativo ao qual estão atrelados, podendo ser financeiros, como uma taxa de juros, ou físicos, como Ouro, Café, uma Ação etc. 

Se você tem interesse em começar a realizar investimentos de Renda Variável de maneira segura e eficiente, a plataforma da Clear Corretora é uma das melhores alternativas do mercado financeiro.  

Além de contar com uma interface intuitiva e funcionalidades simplificadas, a Clear não cobra taxa de corretagem e oferece uma vasta gama de opções para negociar nos principais segmentos da Bolsa. 

Quer saber mais sobre como investir em Renda Variável com segurança? Então baixe agora o aplicativo da Clear Corretora, comece a sua jornada pelo universo dos investimentos e bora pro game! 🛫 

Clique e abra sua conta na Clear

Array

Array

Navegue por assunto


Uma foto de um homem sentado no sofá segurando uma tigela, inclinado para a frente olhando a TV, em referência aos filmes sobre mercado financeiro.

O cinema diverte, emociona, inspira, informa e nos ensina muito. Já parou pra pensar em quantas perspectivas diferentes uma boa história nos apresenta?  

Hoje propomos uma boa ideia: utilizar a sétima arte para aprender, se preparar ou aprimorar suas formas de investir e multiplicar seu dinheiro. Nossa lista de filmes sobre mercado financeiro será interessante tanto para quem está começando a investir na Bolsa agora quanto para aquelas pessoas que já têm mais experiência na área. 

E como nosso propósito é amplificar ao máximo o seu potencial para investir na Bolsa, deixamos, como indicação extra, os cursos da XPeed School, desenvolvidos pelos especialistas do grupo XP Inc. Você pode fazer parte da escola de investimentos ou de trading, por exemplo, e também existem MBAs para quem quer ser pro. É pra ficar de olho, hein! 

📘 Cursos sobre educação financeira 

Então vamos descobrir quais são os filmes para investidores mais populares entre a crítica. Pipoca na mão e muita atenção! 

1. Jogo do dinheiro (2016) 

Pôster do filme Jogo do Dinheiro, com Julia Roberts e George Clooney.
Fonte: Pinterest

Um dos filmes sobre mercado financeiro dirigido pela atriz Jodie Foster, estrelando Julia Roberts, Jack O’Connell e George Clooney, que faz o papel de Lee Gates, um apresentador do programa de TV “Money Monster”, com o objetivo de oferecer dicas sobre o mercado. 

Gates é um verdadeiro popstar no mundo das finanças, e a reviravolta acontece quando ele tem de lidar com a fúria de um investidor insatisfeito, que invade o estúdio de TV e obriga o apresentador a vestir um colete cheio de explosivos. 

Onde assistir: 

2. O homem que mudou o jogo (2011) 

Pôster do filme O homem que mudou o jogo, com Brad Pitt sentado em um campo de baseball.
Fonte: Mercado Livre 

Estrelado por Brad Pitt e baseado em fatos reais (dá até aquele frio na barriga por ter lido isso, né?), “O homem que mudou o jogo” conta a história de Billy Beane, dirigente do time de baseball Oakland Athletics nos anos 80.  

Billy (Brad Pitt) desenvolve um sofisticado sistema de estatísticas, que ajuda a tirar o time de posições medianas, transformando-o em uma das principais equipes de baseball da época. Lutando contra tudo, inclusive com a falta de recursos, Billy pode ser uma inspiração para quem decide administrar seu próprio negócio, enfrentando contratempos, dificuldades e frustrações.  

Este é um dos filmes para investidores que querem ter contato com inovação, gestão estratégica e como se comportar frente às diversidades do mercado (e, por isso, ele pode ser um dos filmes para traders para colocar na sua lista também). 

Onde assistir: 

3. O lobo de Wall Street (2013) 

Pôster de O lobo de Wall Street, com Leonardo DiCaprio.
Fonte: Quero Posters 

Este filme sobre Bolsa de Valores tem como protagonistas Jonah Hill, Margot Robbie e Leonardo DiCaprio, e foi dirigido pelo memorável Martin Scorsese. A história gira em torno de Jordan Belfort, interpretado por DiCaprio, e dá uma verdadeira aula sobre os bastidores do mercado de ações. 

Belfort é extremamente ambicioso e pretende ficar rico investindo na Bolsa de Valores de Wall Street. Tudo encaminhado e, bem no dia em que começa a atuar, ocorre a temida Black Monday, com queda brusca das ações.  

Desempregado, ele começa a negociar ações que estão fora do pregão e, inesperadamente, ganha muito dinheiro, mas não apenas devido à sorte ou competência. Enfim, recomendamos a sessão. 

Onde assistir: 

4. Fome de poder (2016) 

Pôster do filme Fome de poder, com Michael Keaton e o símbolo do McDonald's ao fundo.
Fonte: IMDb

Este filme sobre mercado financeiro conta a história de uma das maiores cadeias de fast food do mundo: o McDonald’s. “Fome de poder” (do original “The Founder”) foi dirigido por John Lee Hancock e é estrelado por Michael Keaton, em uma interpretação muito elogiada. 

Ray Kroc é personagem de Keaton: um vendedor ambulante de multimixers, que convence os irmãos McDonald, donos de um drive-in (ou drive-thru) que estavam à procura de um grande número de multimixers para comprar, a contratá-lo para tocar um plano de expansão de franquias. 

Aí é que a história do McDonald’s dá um start. Depois disso, Kroc adquire uma parte dos negócios e, pouco a pouco… você já deve saber como essa história termina. 

Onde assistir: 

5. Inside Job (2010) 

Pôster do filme Inside Job com um homem virado de costas, em cima de uma pilha de dinheiro.
Fonte: Pinterest 

Uma verdadeira lição de economia: ao apresentar a realidade de Wall Street antes e durante um de seus momentos mais críticos, a crise de 2008, Inside Job ganhou o Oscar 2011 como melhor documentário. Com direção de Charles Ferguson, que mergulhou sobre o maior tsunami financeiro desde a quebra da bolsa, em 1929, o filme conta com uma narrativa dinâmica e surpreendente. 

Com certeza, é um dos filmes para investidores ao qual você deve assistir. O resultado de Inside Job vem de uma pesquisa profunda e de entrevistas a pessoas ligadas às finanças, políticos e jornalistas, criando uma representação do funcionamento do capitalismo na sua etapa de financeirização.  

Onde assistir: 

6. Money Dopers – Documentário (2021) 

Pôster do documentário Money Dopers, com o título escrito junto à frase "A jornada do fracasso".
Fonte: moneydopers.com.br 

O documentário “Money Dopers – A jornada do fracasso” estreou em 2021 e é um filme para traders ao qual vale a pena dar aquela atenção. Henrique Bredda, um dos maiores gestores brasileiros de fundos, teve participação ativa nas gravações. 

São 34 minutos de filme, distribuídos entre a história de um vendedor de curso de day trade e sua posterior e luxuosa vida graças aos ganhos na Bolsa de Valores. A partir daí, especialistas do mercado financeiro debatem a ideia do sucesso neste mercado.  

Onde assistir: 

7. Crypto (2019) 

Pôster do filme Crypto com quatro rostos divididos.
Fonte: Pinterest

Mais um dos filmes para traders para adicionar à lista dos filmes obrigatórios. Crypto se desenrola ao redor das criptomoedas, e foi dirigido por John Stalberg Jr, estrelado por Beau Knapp, Kurt Russell e Luke Hemsworth.  

Esse suspense, que prenderá sua atenção do início ao fim, conta a história de um jovem agente antilavagem de dinheiro que precisa investigar uma perigosa rede de corrupção em Nova Iorque, envolvendo criptos e pessoas poderosas da cidade. 

Onde assistir: 

8. Outsider (2016) 

Pôster do filme Outsider com um homem parado no meio da rua com uma pasta na mão.
Fonte: AdoroCinema

Este também é um dos filmes sobre mercado financeiro baseado em fatos reais, com direção de Christophe Barratier, estrelado por Sabrina Ouazani, Arthur Dupont e François-Xavier Demaison. 

Outsider é uma narrativa sobre Jérôme Kerviel, jovem comerciante que se tornou famoso após participar de uma das maiores fraudes bancárias da história mundial, no banco parisiense Société Générale, em 2008.  

Onde assistir: 

9. A grande aposta (2015) 

Pôster do filme A grande aposta.
Fonte: AdoroCinema

O elogiado filme sobre Bolsa de Valores pelo qual você, pessoa investidora que gosta de correr riscos, vai se identificar. Baseado em fatos reais, “A grande aposta” revela a complexa crise imobiliária dos Estados Unidos em 2008 e tem Christian Bale, Ryan Gosling, Melissa Leo e Marisa Tomei no elenco. 

A crise serve como pano de fundo para a história de Michael Burry (vivido por Bale), dono de uma empresa de médio porte, que decide investir o dinheiro do fundo que coordena, apostando no mercado imobiliário estadunidense. 

Onde assistir: 

10. Margin Call – O dia antes do fim (2011) 

Pôster do filme Margin Call com atriz e atores principais.
Fonte: Pinterest

Pra fechar a lista dos 10 filmes sobre mercado financeiro, nossa indicação é “Margin Call – O dia antes do fim”, com direção e roteiro de J. C. Chandor. O filme é estrelado por Kevin Spacey, Zachari Quinto e Demi Moore, e também tem como contexto a crise de 2008.  

O analista de investimentos Peter Sullivan (vivido por Quinto) obtém informações secretas sobre o mercado, que podem arrasá-lo. Em 24h, Sullivan reflete sobre o potencial de destruição de suas decisões na vida de todas as pessoas comuns. Margin Call é um suspense rico em detalhes sobre as estratégias do capitalismo.  

Onde assistir: 

Mas a gente sabe que só isso não é o bastante 

Sabemos que, caso decida assistir a esses 10 filmes sobre o mercado financeiro ou somente a alguns deles, você não sairá das sessões tendo conhecimentos práticos sobre as operações. 

Por isso, se você quiser conhecer um pouco mais sobre as várias opções que a Bolsa de Valores, o trading, a renda variável e o mercado financeiro como um todo, nossa equipe de analistas é preparada para responder a todas as questões e realizar análises e indicações de acordo com o seu perfil e necessidade. 

Por último, se você ainda não tem conta na Clear, esse pode ser o momento perfeito para conhecer nossos investimentos em renda variável e nossas plataformas para traders e, quem sabe, abrir sua conta com a gente.  

Na Clear você tem corretagem zero em todos os produtos, além da maior alavancagem do mercado no day trade. Abra a sua conta e comece hoje mesmo a cuidar do seu futuro. 

Clique e abra sua conta na Clear