[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Agora não é hora de comprar [Resumo Semanal 05/06]

Agora não é hora de comprar [Resumo Semanal 05/06]

Navegue por assunto


Confira o que aconteceu no mercado na última semana (01/06 a 05/06) e quais são as perspectivas futuras

No texto passado expliquei porque o “sell in may and go away” não fazia o mínimo sentido neste ano e neste vou explicar a razão de estar realizando lucro das posições ao invés de ir para o risco.

Antes um disclaimer bem importante: assim como as análises justificando a compra no final de março somente usarei gráficos e dados públicos. Não verás qualquer notícia ou viés político na construção (primária) do cenário.

Vamos começar estruturar o cenário para justificar que agora não é hora de comprar pela volatilidade, sendo que o indicador mais utilizado no mercado financeiro para isso é o VIX (Volatility Index – CBOE), popularmente conhecido como “índice do medo”.

Ele é calculado a partir das opções de compra e venda de S&P 500 e para simplificar ao máximo a explicação do índice vou usar um velho jargão do mercado: “bolsa de valores sobe de escada e desce de elevador”. Se você pensar em medo de perder conseguirá entender essa analogia.

Depois de atingir seu pico em março na faixa de 65, que a mesma região atingida durante a crise do subprime, o VIX está em uma região que apelido como “neutra”, que seria uma espécie de equilíbrio entre o “acabou o mundo” (linha vermelha) e o “pode comprar que vai subir” (linha verde):

Gráfico demonstrativo pra ver se agora é hora de comprar

Obviamente não existe um manual de interpretação do VIX, mas gosto muito desse indicador por capturar claramente momentos de pânico e euforia, ao passo que utilizar seus extremos sempre ajudou entender se estamos em região de topo ou de fundo. No caso estamos no meio do caminho e na minha opinião no meio do caminho não são tomadas as melhores decisões.

Para corroborar com essa leitura eu vou direto na análise técnica, pois por meio dela consigo identificar os movimentos do mercado e ela vai ajudar responder o melhor momento para comprar/vender, afinal não adianta ter uma tese, acreditar que está certo, mas no momento errado.

Olhando somente para o nosso mercado (vou restringir análise para não ficar muito extenso) duas coisas corroboram com a tese que não é hora de comprar: a) tendência de baixa no curto prazo; b) sinais de euforia em uma região forte de resistência.

Para responder a primeira pergunta vale dar uma olhada no gráfico semanal do Ibovespa:

Gráfico demonstrativo pra ver se agora é hora de comprar

Como pode-se observar pelas linhas vermelhas o mercado está em tendência de baixa no curto prazo e corrigiu em 50% a perna de baixa que compreende a máxima histórica em 119.593 pontos e a mínima do ano em 61.690 pontos (fundo de 2017), que, pela teoria da análise técnica, seria o ponto onde o mercado começaria encontrar maior pressão para retomar sua tendência principal de curto prazo (no caso de baixa).

Ao mesmo tempo o índice está diante da média móvel exponencial de 72 períodos do gráfico semanal, que é considerada uma importante referência de resistência dentro da análise técnica (pelo menos no meu setup).

Portanto, quando olhamos o gráfico semanal do Ibovespa encontramos dois argumentos fortes dentro da análise técnica que sugerem um relaxamento do movimento de alta visto no curtíssimo prazo, esse engatilhado no rompimento de 83.000 pontos, a fim de retomar sua tendência de baixa principal.

Para justificar a alternativa b) vale dar uma olhada no IFR (Índice de Força Relativa) de 14 períodos do gráfico diário. Esse indicador técnico ajuda entender se determinada ação está sobrevalorizada ou subvalorizada utilizando as premissas: 1) acima de 70 o papel está sobrevalorizado (caro em termos técnicos); 2) abaixo de 30 o papel está subvalorizado (barato em termos técnicos). A análise não é tão simples assim, mas vamos usar do artifício do ceteris paribus.

Utilizando como base o último fechamento (04/06/20), quando compilados os IFRs das ações que fazem parte do Ibovespa chegamos nos seguintes números: a) 23% acima de 70; b) 54% entre 70 e 60; c) 22% entre 60 e 50; d) 1% entre 50 e 30. Ou seja, grande parte das ações estão esticadas.

Levando em conta essa primeira leitura já fica bem claro que agora não é um bom momento para entrar, mas sim aguardar um pullback para a faixa de 83 mil pontos para analisar um novo aporte vide que o mercado parece esticado e a relação de risco x retorno pouco favorável.

Obviamente existem outros argumentos para colocar em pauta como o lado das projeções econômicas, juros futuros, dólar, múltiplos de mercado/empresas, como também não podemos deixar de fazer a análise do mercado norte-americano, mas ficaria algo muito extenso (faço isso na minha comunidade do InfoTrade) e fica como uma lição de casa ao interessado.

O mais importante e verdadeiro intuito deste post é mostrar que antes de tirar qualquer conclusão sobre o mercado é preciso fazer uma mínima análise cenário e essa análise não estará estampada nas manchetes, mas sim avaliando dados.

Agenda econômica da próxima semana

No domingo (16h00) serão revelados os dados da balança comercial chinesa em maio, enquanto na terça (6h00) a versão revisada do PIB da Zona do Euro.

Na quarta logo pela manhã (7h00) está programada a reunião da Opep e às 9h00 o IPCA de maio, sendo que às 15h00 teremos a reunião do Fed. Na quinta temos o feriado de Corpus Christi no Brasil e será preciso aguardar o posicionamento da B3 se realmente não haverá pregão.

como_investir_na_bolsa_home_broker