Compra na baixa e vende na alta [Resumo Semanal 03/07]

Compra na baixa e vende na alta [Resumo Semanal 03/07]

Navegue por assunto


Por: Time Master Clear

03/07/2020 • Atualizado: 11/12/2021

3 minutos

Compartilhar:

Confira o que aconteceu no mercado na última semana (29/06 a 03/07) e quais são as perspectivas futuras

Sem dúvida esse é o grande segredo para ter consistência na bolsa de valores e neste começo de semestre essa cartilha literalmente deve ser seguida uma vez que estamos em um processo de congestão.

No último resumo semanal foram apresentados dois cenários (segunda onda de COVID e recuperação rápida) quanto ao rumo da economia pós-quarentena e pelas conclusões bem divergentes dá para entender todo o receio dos investidores neste começo de semestre. E isso está refletindo diretamente na bolsa de valores.

Desde a segunda semana de junho o Ibovespa está literalmente travado entre 98 mil pontos e 90 mil pontos, ao passo que essa congestão foi ficando ainda mais estreita no decorrer do mês e agora está concentrada entre 98 mil pontos e 94 mil pontos conforme representada pelo retângulo púrpura.

Gráfico bolsa de valores, compra na baixa e vende na alta.

Em mercados desta natureza, que na análise técnica chamamos de congestão, a melhor estratégia é operar os extremos do retângulo, pois são neles que o investidor encontrará a melhor relação de risco x retorno e em mercados congestionados ter isso em mente é fundamental para não cair na armadilha do falso rompimento.

Quando o mercado está travado, ou seja, com pontos horizontais bem definidos de resistência e suporte, os traders costumam defender os pontos. Traduzindo: quando você pensa que “agora vai” vem uma chuva de ordens protegendo aquela resistência ou suporte e aquele forte movimento minga rapidamente. O pregão de quinta-feira (2) é um bom exemplo.

Por isso, quando identificar uma congestão como estamos vivendo e especialmente quando for operar contra a tendência de curto prazo, que no caso do Ibovespa é de baixa, é preciso aguardar a confirmação do rompimento para trabalhar fora da congestão.

Em termos práticos, atualmente temos duas opções: i) rompimento dos 98K; ii) rompimento de 94K. Como venho falando nos Fechamentos de Mercado e nos últimos blogs, a primeira opção na minha visão é mais difícil de ocorrer por basicamente ser contra a tendência de curto prazo (entenda melhor a tese clicando aqui), ao passo que venho aproveitando os testes da base superior da congestão para proteger a carteira por meio da venda de BOVA11.

Se estiver errada a tese, que seria a consolidação do rompimento de 98K, meu stop loss será muito curto e o risco vale a pena. Agora, se ela estiver correta, que seria o rompimento de 94K, o retorno irá mais do que compensar o risco tomado.

Por isso, neste começo de semestre, a teoria de comprar na baixa e vender na alta nunca fez tanto sentido e assim vamos trabalhando as alocações até uma definição da congestão.

Calendário econômico da próxima semana

A segunda começa com as vendas no varejo (6h00) na Zona do Euro de maio e o PMI industrial (10h45) dos EUA de junho. Na quarta será a vez do resultado do varejo brasileiro (9h00) também de maio.

Na quinta a novidade foi a decisão da B3 de não fechar o pregão em virtude do feriado municipal da Revolução Constitucionalista. Por fim, na sexta, atenção especial para o IPCA (9h00) de junho.