[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Dividend yield: o que é e como calcular?

Dividend yield: o que é e como calcular?

Navegue por assunto


Entenda como esse indicador pode te ajudar a encontrar os melhores ativos para investir

Você sabe o que quer dizer dividend yield? Se você pretende lucrar com o pagamento de dividendos por suas ações, é bem importante que você entenda esse conceito. Também conhecido apenas como DY, este é um dos principais indicadores financeiros utilizados por quem investe em renda variável.  Continue lendo este artigo para aprender como calcular e interpretar o dividend yield para maximizar os seus ganhos. Boa leitura!

O que é o dividend yield?

Muita gente entra no mercado de ações apenas para lucrar com as oscilações dos preços dos ativos. Porém, existe um perfil de investidor que almeja ganhar também com o pagamento de proventos. Isso quer dizer que ele não se preocupa apenas em comprar na baixa e vender na alta, mas também em receber parte dos lucros da empresa emissora do ativo. Esses lucros são distribuídos aos acionistas por meio do pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio. O dividend yield, rendimento de dividendos em português, é justamente a relação entre esses proventos pagos pelas empresas e o preço dos papéis. No caso de fundos imobiliários (fiis), a mesma lógica pode ser utilizada para o pagamento de aluguéis.

Para que serve essa métrica?

Esse indicador serve para mensurar a performance de uma companhia em relação ao pagamento dos proventos. Por meio dele, é possível estabelecer uma relação entre os dividendos distribuídos ao longo de 12 meses e o preço atual da ação da empresa.

O DY serve para que o investidor consiga ter uma ideia de quanto determinada empresa poderá vir a pagar em proventos nos próximos 12 meses, analisando o que foi pago no mesmo período anterior. Com base nisso, é possível avaliar se o investimento é ou não vantajoso do ponto de vista dos dividendos.

Como calcular o dividend yield de uma ação?

Calcular o dividend yield de uma ação é bem simples e não exige nenhum cálculo completo. Para encontrar o indicador, basta dividir os proventos pagos por ação pela empresa nos últimos 12 meses pela cotação atual dos papéis da companhia. A fórmula é a seguinte:

Dividend yield = valor dos proventos (dividendos ou JCPs) por ação ÷ cotação da ação × 100

Vejamos um exemplo para ficar mais claro: imagine que uma empresa pagou R$ 2,00 por ação nos últimos 12 meses e, atualmente, sua ação esteja valendo R$ 20,00. Seu dividend yield seria de 10%. Caso um investidor tivesse adquirido 200 ações desta empresa por R$ 20,00 cada, com o investimento de R$ 4.000,00, teria recebido cerca de 400 reais em proventos, ou seja, 10% do investimento inicial.

Existem diversos sites que divulgam dados sobre o valor dos proventos por ação e alguns já apresentam até o DY calculado. De qualquer forma, o mais indicado é checar essas informações diretamente na página de Relação com Investidores (RI) da companhia, já que lá é possível encontrar outros dados que se somam à análise que deve ser feita do dy.

Como interpretar o DY?

Apesar de o cálculo ser fácil, a análise do resultado pode ser um pouco mais complexa. Com base nas informações acima, podemos notar que quem busca por empresas que paguem bons proventos, deve ficar de olho nas companhias que possuem os maiores valores de dividend yield. O DY varia de acordo com a oscilação dos preços das ações e também conforme o total de dividendos pagos no período. Dessa forma, se o preço da ação cair, o dividend yield irá subir. E quanto maior o dividend yield, melhor para o investidor.

Entretanto, é importante ter em vista que o dividend yield pode estar distorcido por conta de lucros que não sejam recorrentes. Por isso, o DY não deve nunca ser considerado de forma isolada, mas deve ser analisado levando em conta a procedência e recorrência dos dividendos, o payout (percentual do lucro que é distribuído entre os acionistas), a rentabilidade da empresa e suas margens.

Pode acontecer também de uma empresa com prejuízos pagar bons proventos com o objetivo de atrair capital, o que representaria um risco para investidores que se atentam apenas ao DY. Portanto, antes de escolher em qual ação investir, realize uma análise sólida e completa para reduzir riscos e aumentar as chances de sucesso.

Conclusão

Quem pretende montar uma carteira de investimentos com foco no recebimento de dividendos deve não apenas aprender a calcular o dividend yield, mas, principalmente, saber interpretar esse indicador e incluí-lo em uma análise mais completa em conjunto com outros dados que contribuam para uma decisão mais assertiva. Quem se preocupa em acompanhar os fundamentos da companhia constantemente, tem mais embasamento para identificar métricas distorcidas e não cair em ciladas. Bons investimentos!