Reforma da Previdência aprovada: como isso impacta seus investimentos?

Reforma da Previdência aprovada: como isso impacta seus investimentos?

Navegue por assunto


Por: Time Master Clear

23/10/2019 • Atualizado: 23/12/2021

3 minutos

Compartilhar:

Após muitas negociações, a reforma da Previdência foi finalmente aprovada pelo Senado e isso garantirá uma economia de R$ 800 bilhões em 10 anos.

A Reforma da Previdência é uma das principais alternativas do governo federal para tentar equilibrar as contas públicas e trazer maior confiança para a retomada da economia, sem falar na atração do capital estrangeiro e impulsionar a confiança do empresário. A alta recorde do Ibovespa nesta semana, que bateu 107.543 pontos, demonstrou claramente que a aprovação da reforma colocará a bolsa de valores em outro patamar.

Para esclarecer esta pergunta, dividimos nossa análise em aplicações de renda fixa e renda variável.

Renda fixa

A expectativa do mercado é de que o Banco Central reduza ainda mais a taxa de juro, com projeções mais agressivas para encerrar 2019 abaixo de 5%. Nesse cenário, investimentos em renda fixa tendem a ter a sua rentabilidade reduzida.

Ou seja, produtos como títulos públicos, CDB, LCI, LCA e mesmo a caderneta de poupança podem render menos do que atualmente.

Estes tipos de investimento são preferidos por perfis mais conservadores, que não veem problemas em abrir mão de rentabilidades mais atrativas em nome da maior segurança.

Renda variável

Com a expectativa de recuperação da economia por conta da agenda de reformas, aliada à taxa de juro em processo de queda, as empresas devem apresentar crescimento de lucro e isso será refletido diretamente na alta das ações. Neste cenário, aplicar em renda variável é a melhor alternativa para capturar essa virada da economia.

As aplicações renda variável são as mais rentáveis, mas antes disso, é preciso pesquisar pelas mais adequadas ao seu perfil de risco

É importante que você acompanhe de perto as notícias sobre as consequências da aprovação da reforma na hora de decidir mudar ou fazer novos de investimentos.

Perfil conservador: talvez neste momento de incertezas na economia externa, o investidor conservador prefira continuar em aplicações de renda fixa.

Perfil moderado: o investidor moderado poderá se beneficiar com os movimentos retomada do crescimento e melhora na economia.

Isso porque, é possível utilizar a estratégia da diversificação para buscar maiores ganhos com investimentos em fundos multimercados e em renda variável.

A queda nos juros tende a favorecer o investimento em ações. Neste caso, é possível aumentar a proporção da renda variável na sua carteira.

Perfil arrojado: a reforma da previdência deverá beneficiar os investimentos de renda variável, como o desejado pelos investidores arrojados.

As projeções indicam que o índice Ibovespa poderá chegar em torno dos 125 mil pontos até o final do ano.

Outra possibilidade é diversificar nos próprios ativos de renda variável. É o que acontece ao buscar ações de empresas de diferentes segmentos, minicontratos e alternativas que pagam dividendos.

A diversificação segue como uma das principais alternativas para minimizar riscos e manter o equilíbrio das suas contas, o mesmo equilíbrio que o governo tentará buscar a partir de agora, com as novas regras previdenciárias.