[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Maiores altas Small Caps: conheça as ações que subiram até 2.000% em 5 anos

Maiores altas Small Caps: conheça as ações que subiram até 2.000% em 5 anos

Navegue por assunto


Saiba quais são as empresas que mais se valorizaram e quais fatores fizeram delas as maiores altas small caps nos últimos cinco anos

maiores altas small caps

Quando você pensa em investir na Bolsa de Valores, provavelmente virá na sua cabeça as grandes empresas, chamadas de blue chips, como Petrobras, Vale, Itaú e outras mais. Porém, existem também ações de menor expressão que podem proporcionar ganhos expressivos e esses verdadeiros “tesouros escondidos” são conhecidos como small caps.

Pelo seu pequeno valor de mercado e liquidez reduzida, essas ações geralmente não estão no radar da grande massa e nem por isso devem ser negligenciadas. Para provar isso, separamos as maiores altas small caps que subiram até 2.000% nos últimos 5 anos. Confira!

+ Você sabe o que é follow on?

Maiores altas small caps: 5 ações que valorizaram até 2.000% em 5 anos

Magazine Luiza (MGLU3)

Com alta de 2.200% nos últimos cinco anos, o papel chegou a valer centavos em 2015 por conta do forte crescimento da dívida e queda brusca da receita em um período de recessão do Brasil, mas a virada veio em 2016, quando Frederico Trajano virou presidente do grupo e mudou totalmente o “coração” do business, trazendo ganhos exponenciais de eficiência e focando nas operações digitais, que representam o grande potencial da empresa.

Com todo esse sucesso, a empresa foi “reconhecida em 2017 como uma das mais inovadoras da América Latina”** e foi pioneira no Brasil no chamado omnichannel, hoje tendência no varejo mundial uma vez que integra lojas físicas, virtuais e compradores.

Unipar (UNIP6)

Com valorização de 1.650% em cinco anos, a empresa é um caso de investimento muito interessante e por isso está na nossa lista. A “Unipar tem como principal atividade a fabricação de cloro (e derivados) e soda cáustica”*, atividades, que no mercado brasileiro, estão inseridas em um oligopólio e isso refletiu diretamente em seu resultado.

Tendo como base os últimos resultados apresentados pela empresa entre 2014 e o ano passado, “a taxa de crescimento anual composta do Ebitda cresceu cerca de 34%, ao mesmo tempo que a relação Dívida Líquida / Ebitda caiu 24%, atingindo a fração de 0,93x no passado, saindo de 2,35x em 2017” ****.

Além dos excelentes resultados apresentados, “o desfecho positivo da briga societária entre os minoritários, liderados por Luiz Barsi Filho, um dos maiores investidores pessoa física da bolsa brasileira, e a holding controladora Vila Velha, no final de 2017 destravou ainda mais valor”*.

Locamerica (LCAM3)

Com alta acumulada de 1.300% nos últimos cinco anos, a empresa sofreu bastante para ganhar a confiança do investidor, já que sua concorrente direta era a já consolidada Localiza. Porém, a virada de chave da empresa veio em 2016, quando a companhia começou “imitar” sua rival e investir em diversificação de seus negócios, principalmente no segmento de aluguel de veículos.

“Em 2018, com a junção da Unidas, a empresa deu um grande passo e hoje é líder na América Latina em terceirização de frotas, considerando receita e tamanho de frota, sendo que neste mesmo quesito está em segundo em rent a car”*. Essa virada de chave da empresa levou a forte alta das ações e refletiu diretamente nos resultados, com a “taxa de crescimento anual composta da receita líquida e Ebitda subindo 45% e 43%, respectivamente, entre 2014 até o ano passado” *****.

Sinquia (SQIA3)

Registrando alta de 400% nos últimos cinco anos, a companhia, antes conhecida como Senior Solution, atua no desenvolvimento de software e serviços para o setor financeiro (bancos, corretoras, seguradoras etc.), “nicho que tem grande potencial de crescimento em um mundo que demanda cada vez mais tecnologia”*.

Adotando esse modelo de negócio e através de nada mais do que 12 aquisições nos últimos 15 anos, a empresa conseguiu escalar seu crescimento e seu fluxo de caixa. Para se ter uma ideia do ritmo de crescimento, “a empresa fechou o ano de 2018 com receita líquida de R$ 142,1 milhões, o que representou um aumento de 5,3% em relação ao resultado de 2017 e cravando o 14º ano consecutivo de crescimento nesta linha de resultado” ******.

“Com todo o potencial do seu negócio e capitalizada para aumentar seu portfólio, a “nova empresa” está preparada para registrar mais um ano consecutivo de crescimento de receita, investindo em capacidade instalada, modernização da infraestrutura e apostando na estratégia de consolidação do setor, hoje extremamente pulverizado” ***.

SLC Agrícola (SLCE3)

Com alta acumulada de 200% nos últimos cinco anos, a empresa se beneficiou diretamente do ciclo de alta das commodities, uma vez que está focada na produção de algodão, soja e milho. Esses anos de bonança refletiu diretamente nos seus resultados e foi chave para seu resultado em Bolsa.

“O ano de 2018 marcou o segundo ano consecutivo que a margem Ebitda ficou acima de 30%, resultado, como consequência, da forte expansão do Ebitda do período, que praticamente triplicou em relação ao visto anos atrás” *******.

Agora que você já sabe quais são as principais altas maiores altas small caps dos últimos cinco anos e os fatores que levaram esses papéis a explodirem para cima, é hora de tirar proveito. Aproveite a corretagem ZERO da Clear e fique com 100% da sua rentabilidade ao investir nas maiores altas small caps. Portanto, lembre-se: diversifique sua carteira. Essa atitude garante retornos equilibrados e minimiza os riscos.