[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Mercado Financeiro: conheça as instituições, tipos e como funciona!

Mercado Financeiro: conheça as instituições, tipos e como funciona!

Navegue por assunto


Ainda não é um investidor do mercado financeiro?

Ao dar esse passo, você tem a possibilidade de fazer o seu dinheiro render e se multiplicar em vez de ficar parado.

Esqueça aquela história de que o mercado financeiro é exclusivo para especialistas ou para quem tem muito dinheiro. Qualquer um pode investir. Existem produtos para diferentes perfis de investidor e objetivos de investimento.

Basta aprender o básico sobre como o mercado funciona e encontrar fontes de informação confiáveis.

É justamente este o objetivo do blog da Clear: difundir conhecimento para tornar o mundo dos investimentos ainda mais acessível.

Então, siga a leitura e tire suas dúvidas sobre o mercado financeiro.

O que é o mercado financeiro?

Mercado financeiro é um conjunto de ambientes e instituições no qual investidores (pessoas físicas e jurídicas) compram e vendem ativos financeiros. Ele reúne quem compra, quem vende e quem faz a intermediação da negociação.

Para uma pessoa física, o mercado financeiro pode acelerar a realização de sonhos.

Afinal, com uma boa estratégia de investimento, as quantias aplicadas nele rendem mais dinheiro e aproximam o investidor de suas metas.

No caso de empresas, pode ser o caminho para financiar projetos de expansão e multiplicar os lucros do negócio.

Entre as instituições do mercado financeiro, estão as bolsas de valores, corretoras, fundos de investimento, bancos e o Tesouro Nacional.

Na categoria dos ativos, a lista é enorme. Veja alguns exemplos:

Como funciona o mercado financeiro?

O mercado financeiro é composto por uma série de instituições e regras.

Sua função é criar um ambiente de negociação que preserve os interesses de todos os envolvidos.

Sempre que possível, deve ser respeitado o princípio do livre mercado – quando as interações financeiras ocorrem de forma livre, com intervenções mínimas.

No mercado de ações, por exemplo, é a oferta e demanda que rege a cotação dos ativos: se a procura por participação na empresa X é alta, seu preço cresce; já na empresa Y, se muitos investidores estão vendendo os papéis, o preço cai.

Neste exemplo, portanto, as cotações são reguladas de forma orgânica pelo próprio mercado, e não por uma entidade que avalia o valor de mercado de cada companhia.

Essa liberdade, no entanto, não é absoluta.

Há normas, regulamentos, leis e órgãos de fiscalização públicos e independentes para impedir que certas condições sejam manipuladas na direção de determinado interesse.

Qual é a função do mercado financeiro?

O mercado financeiro tem a função de facilitador e intermediador, possibilitando que pessoas e empresas movimentem seu dinheiro e negociem ativos financeiros.

Ele amplia as possibilidades e economiza tempo de quem acumulou recursos e quer aplicá-los de maneira inteligente.

Imagine que você acredita que uma moeda estrangeira vai se valorizar e quer adquirir o equivalente a R$ 5 mil.

Mesmo se estivermos falando de dólares, a moeda que mais circula no planeta, se não existisse toda a estrutura do mercado financeiro, você teria muito trabalho para fazer essa troca.

Teria que encontrar uma ou mais pessoas dispostas a vender seus dólares a uma cotação justa e um meio seguro para efetuar a transação.

E, depois, quando a moeda tiver valorizado e você desejar consolidar a renda obtida, teria que passar pelo mesmo processo para vender os dólares.

Já pensou ter que fazer isso sempre que quiser investir o dinheiro em algum ativo?

Retornando ao exemplo, quem busca aplicar em uma moeda estrangeira recorre ao mercado de câmbio, uma subdivisão do mercado financeiro formado por bancos, casas de câmbio, corretoras e agências de turismo.

Neste e em qualquer outro exemplo, o mercado financeiro facilita e regula as transações, dando agilidade e segurança ao processo.

Como participar do mercado financeiro?

homem de pele branca e cabelos castanhos usando óculos olhando para notebook com dados do mercado financeiro

A chance de você já estar participando do mercado financeiro é grande. Basta ter uma conta em banco e algum depósito em poupança – que vale lembrar, não é uma boa escolha se você quer fazer seu dinheiro render.

Mas o fato de participar do mercado não quer dizer que você esteja aproveitando todo seu potencial.

Primeiro, você precisa ter em mente que, embora possa ter acesso a diferentes ativos pelo banco, esta não é a melhor instituição para investir.

Nas corretoras, a diversidade de opções é maior. Por isso, você encontrará mais facilmente investimentos que valem mais a pena para o seu caso, com condições melhores.

Quer começar a aumentar seu patrimônio? Abra sua conta na Clear.

Afinal, quais são as instituições do mercado financeiro?

Não há como investir no mercado financeiro sem criar um relacionamento com suas instituições.

Conheça abaixo as principais.

Bolsa de Valores

É o mercado organizado onde se compram e vendem ações de empresas e outros valores mobiliários, como títulos públicos e commodities.

Fundos de investimento

Trata-se de um conjunto de investidores que aplicam em uma carteira de investimentos e recebem o rendimento proporcional ao que investiram.

Corretoras

São empresas que atuam no mercado financeiro fazendo a intermediação da compra e venda de ativos financeiros.

O cliente que abre uma conta em uma corretora tem fácil acesso a diversos tipos de investimentos.

Órgãos reguladores

Para que o mercado funcione de forma justa e transparente, existem as entidades que atuam na sua regulação.

Leis, normas e portarias definem as regras para a atuação de instituições financeiras, em proteção aos investidores.

Entre os órgãos responsáveis por esta atribuição, podemos citar:

Quais são os tipos de mercado financeiro?

Ao acessar o mercado financeiro, onde é possível aplicar o dinheiro?

Conheça as opções!

Mercado de ações

É o ambiente em que os investidores podem comprar e vender ações, papéis que garantem um percentual de participação na companhia.

O preço das ações é definido de acordo com a oferta e demanda, e o objetivo do investidor é vender o ativo a um preço maior do que o que pagou.

Mercado de obrigações

As obrigações são títulos que garantem ao titular o recebimento periódico de juros referentes a um crédito.

Mercado de balcão

Este mercado é um ambiente onde são negociados títulos e ações fora da bolsa de valores.

Mercado de derivativos

Derivativos são investimentos cujo preço deriva de um ativo ou, então, de um índice de mercado ou taxa de referência.

Mercado de renda fixa

Quando você aplica em um investimento de renda fixa, as regras de rentabilidade já estão definidas antes da compra o ativo.

Entre as possibilidades, estão os ativos do Tesouro Direto, que são títulos da dívida pública.

Neste caso, o investidor empresta para o governo federal, que o devolve no prazo acordado e corrigido a partir de um indicador conhecido no momento da contratação.

Mercado de renda variável

Os ativos de renda variável são aqueles em que o investidor aplica sem ter certeza sobre a rentabilidade futura, mas que têm chances de uma rentabilidade maior. Confira os principais exemplos.

Ações na bolsa de valores

As ações podem se valorizar (quando a procura por elas aumenta) ou desvalorizar (quando a oferta supera a procura).

Fundos imobiliários

Seguem a mesma lógica dos fundos de investimento: vários investidores reúnem seus recursos para aplicar em empreendimentos imobiliários e partilhar os rendimentos.

Opções

As opções são o direito, por determinado período, de comprar ou vender, por um preço fixado, um lote de ações.

Mercado de câmbio

No mercado de câmbio, investidores trocam uma moeda por outra, apostando na valorização daquela que foi adquirida.

Mercado futuro

Nesse mercado, são comercializados contratos de compra e venda de produtos que só serão realizados em data futura.

Mercado financeiro: como investir? Passo a passo

Quer aproveitar melhor as possibilidades que o mercado financeiro tem a oferecer?

Siga o passo a passo abaixo.

  1. Estude e se informe

Continue buscando informações sobre o mercado financeiro, suas instituições e particularidades dos diversos ativos em que se pode investir.

E esteja atento às notícias sobre o mercado e a economia do país e do mundo.

  1. Organize suas finanças

Sem ter uma vida financeira organizada, você não vai poupar o dinheiro dos investimentos.

Acostume-se a anotar todas suas despesas e receitas em uma planilha.

  1. Economize

Não pense que você vai ganhar dinheiro fazendo um único investimento.

Além dos juros compostos, você vai precisar de aportes mensais para ter bons resultados.

Faça o possível para economizar e aumentar esses depósitos.

  1. Abra uma conta em uma corretora

Para ter acesso ao grande catálogo de investimentos disponíveis em uma corretora, você precisa abrir uma conta com ela.

Conheça a Clear e veja por que ela é a melhor escolha.

  1. Crie um plano de investimentos

É importante que você trace objetivos e uma estratégia de investimento que esteja alinhada com seu perfil de investidor.

  1. Aplique

Hora de partir para a prática.

Execute seu plano e faça os aportes mensais nos investimentos selecionados.

  1. Acompanhe

Confira periodicamente os rendimentos. Mas com moderação.

Caso invista em ações em uma estratégia a longo prazo, não ajuda ficar conferindo as cotações diariamente, pois o que importa é a curva do gráfico ao longo dos meses.

  1. Revise a estratégia

Com base nos resultados e no conhecimento que você continua acumulando, revise sua estratégia de tempos em tempos.

Quanto mais seguro se sentir, mais arrojados podem se tornar os investimentos, o que aumenta a rentabilidade possível.

  1. Tenha disciplina

Por fim, a última dica é ser consistente.

Ninguém fica rico da noite para o dia no mercado financeiro.

Tenha disciplina para continuar investindo até que os resultados apareçam.

Como está o mercado financeiro em 2020?

Não é segredo para ninguém que 2020 está sendo um ano completamente atípico.

A pandemia do coronavírus virou nossas rotinas do avesso, e é claro que o mercado financeiro foi duramente impactado.

Na economia real, empresas sentiram na pele os efeitos da quarentena, especialmente o comércio físico (enquanto o eletrônico cresceu), restaurantes e indústria do turismo.

O desemprego aumentou e o governo teve que elevar seu endividamento para pagar auxílio emergencial a milhões de brasileiros.

O dólar teve uma sequência forte de alta, superando a cotação dos R$ 5,50.

Com essa alta, empresas de alguns segmentos priorizaram a exportação em detrimento ao mercado interno, gerando uma inflação pontual em itens da cesta básica.

A taxa Selic continuou caindo, chegando a 2%, sem sinais de que será aumentada no curto prazo. Com isso, investimentos de renda fixa seguem pouco atrativos e a renda variável cresce como opção para quem busca uma rentabilidade maior.

5 Livros para saber mais sobre o mercado financeiro

Se você gosta de ir além do noticiário econômico e das dicas de investimentos, não faltam opções de livros para se aprofundar no mercado financeiro.

Confira 5 títulos que valem a sua leitura:

  • O Investidor Inteligente (Benjamin Graham)
  • Mercado Financeiro – Produtos e Serviços (Eduardo Fortuna)
  • Os segredos da mente milionária (T. Harv Eker)
  • Os Grandes Investidores (Glen Arnold)
  • O homem mais rico da Babilônia (George S. Clason).

Conclusão: vale a pena investir no mercado financeiro?

Esperamos que este texto tenha ajudado a esclarecer o que é e como funciona o mercado financeiro.

Nosso principal objetivo é desmistificar a ideia equivocada de que a ampla gama de investimentos em renda fixa ou variável só é acessível a quem tem muito conhecimento ou muito dinheiro.

Existem opções para todos os perfis de investidor, seja qual for seu salário e disposição para o risco.

Então, a resposta é: sim, vale a pena investir no mercado financeiro.

Na realidade, é imprescindível, pois se você deixar o dinheiro parado na conta corrente, ele estará apenas perdendo valor, por conta da inflação.

Se você gostou do artigo, compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

E continue acompanhando o blog da Clear para mais conteúdos como este.