Market Making: o que é e como aplicar?

No mercado financeiro, o Market Making é uma estratégia essencial para melhorar a qualidade das negociações e ele surgiu como a solução de um problema de liquidez que dificultava o trabalho dos traders na Bolsa de Valores (B3).

Atualmente, o Market Making atua em diversas classes de ativos, proporcionando maior liquidez aos investidores. Todo o processo é feito por profissionais especializados que ajudam o mercado a operar com mais qualidade.

Quer entender o que é Market Making e como funciona essa estratégia dentro do mercado financeiro? É sobre isso que vamos falar neste conteúdo!

Acompanhe! 👊

Market Making: o que é?

Homem sentando em frente a um notebook aprendendo sobre market marking no Master Clear

O Market Making (ou formação de mercado) é uma forma de melhorar as condições de liquidez dos ativos do mercado financeiro. Esses ativos podem ser ações, opções e outros ativos da Bolsa de Valores (B3), da renda fixa e demais mercados.

Sua criação se deu em um momento em que a Bolsa de Valores (B3) oferecia uma liquidez muito baixa para negociações, o que desencadeava um alto spread entre as negociações e dificultava a negociação de ativos com mais qualidade para o investidor.

Essa é uma estratégia utilizada no mercado financeiro com o objetivo de aumentar a liquidez dos ativos.

Abaixo vamos explicar algumas características importantes dessa ação, para que seja possível entender como ela funciona, quem são os market makers, suas vantagens e riscos.

Como o Market Making funciona?

A prática dessa atividade é feita pelos market makers. Estes são profissionais que fazem a negociação de todos os tipos de ativos do mercado de forma constante, com preços predeterminados. 

O objetivo é estabelecer ofertas de compras e vendas em diversos níveis do book de ofertas e ajudar na mitigação dos riscos de manipulação de preços.

Então, o papel do market maker é fazer transações de compra e venda como forma de garantir a segurança e liquidez nas negociações para as duas partes dentro do mercado financeiro, tanto de compra quanto de venda.

Toda a prática de market making é regulada e fiscalizada pela CVM, (Comissão de Valores Imobiliários) e pela B3, a Bolsa de Valores (B3) brasileira. 

Para que essa seja uma prática legal, os market makers precisam seguir regras de conduta de modo para que os investidores não sejam prejudicados.

A atividade de market making garante que compradores consigam ofertas em diversos níveis do book, o que facilita muito na hora da negociação. Para os vendedores, essa estratégia ajuda a melhorar a liquidez no mercado, podendo o investidor ter a oportunidade de transformar seus investimentos em dinheiro com mais facilidade. 

Market Making e Renda Fixa

Alguns papéis de renda fixa, como as debêntures, são pouco conhecidos por investidores. 

Ainda assim, entre aqueles que conhecem, talvez eles não sejam muito populares, o que pode ocasionar em uma baixa liquidez para sua negociação, já que tem pouca gente investindo.

Nessa situação, os market makers são agentes que atuam para aumentar a liquidez desses papéis e permitir que eles sejam negociados com mais facilidade. 

Market Making e mercado de ações

No mercado de ações a situação é parecida. 

Existem aquelas ações que possuem alto volume de negociações, mas também existem aquelas de pequeno e médio porte que não possuem tanta liquidez na sua compra e venda. Isso dificulta e desestimula investidores a fazerem negociações.

Então, o market maker atua como agente para aumentar a liquidez e as oportunidades de negócio nesse tipo de ativo, possibilitando que investidores tenham mais segurança para fazerem suas aplicações na Bolsa de Valores (B3), principalmente em ativos com pouca rotatividade.

Quem são os market makers? 

No mercado financeiro, os market makers são as corretoras, bancos e outras instituições financeiras. 

Elas possuem especialidade em desempenhar a função e por isso são contratadas pelas empresas de capital aberto para desenvolver as ofertas de compra e venda de modo a possibilitar maior qualidade na negociação de determinado ativo.

Para tal atividade é realizada uma análise aprofundada do ativo nas suas negociações. Só assim é possível entender o seu comportamento no mercado e definir a estratégia correta de marcação de mercado que mais vai dar resultado de aumento de liquidez e segurança dos preços.

O Market Making é uma boa estratégia?

Os market makers ganham dinheiro com essa estratégia de operação por meio dos spreads das negociações executadas a fim de garantir a liquidez dos ativos. Então, para as empresas que são adeptas à prática, este pode ser um bom negócio, desde que suas estratégias estejam alinhadas.

Para o investidor o impacto também é positivo. Analisar a presença de market making de determinado ativo pode ser uma garantia de que ele terá melhores oportunidades de negociação ao fazer seus investimentos, seja comprando ou vendendo.

No mercado de opções, por exemplo, a presença de market making é muito bem vinda, já que este é um mercado que possui menos liquidez do que o de ações. 

Sendo assim, essa é uma das características a se analisar na hora de fazer um investimento em um ativo que originalmente não possui boa liquidez, o que pode ser um risco para o investidor.

Riscos do Market Making

Os riscos do market making afetam mais seus operadores, que são os bancos, corretoras e outras instituições financeiras. Dentre os principais, pode-se destacar a presença de eventuais acontecimentos que marcam o mercado e desencadeiam uma grande onda de venda, por exemplo. 

Neste caso, devido às fortes vendas, o Market Making pode tentar equilibrar as negociações provocando um alto volume de compra, mas a depender do acontecimento, isso pode não ser suficiente e a empresa pode ter grandes prejuízos com a desvalorização das ações.

Por isso, todos os agentes de market making acabam sendo grandes empresas financeiras que, além de conseguirem arcar com seus prejuízos, possuem profissionais com estratégias bem elaboradas que buscam fazer a mitigação de riscos para evitar grandes perdas.

Assistente de Inteligência Artificial

A fim de minimizar as perdas durante as operações de Day Trade, a AIA (assistente de inteligência artificial para traders), é essencial para desenvolver suas habilidades e conhecimentos. 

A ferramenta atua como uma espécie de personal trader, exclusiva apenas para clientes Clear, que auxilia em diversos aspectos relevantes para suas operações.  

Desse modo, nossos traders podem avaliar seu desempenho e identificar o que deve ser melhorado.  

Tendo ao seu lado uma ferramenta de alta tecnologia que conta com recursos que orientam os investidores a atingirem os seus objetivos, por meio de relatórios precisos, que auxiliam a garantir uma boa performance nas operações.

Assim, a AIA envia dicas em momentos importantes das operações. São eles:  

Durante o pregão: em que é possível receber as dicas via WhatsApp com avisos e alertas devidamente personalizados.  

  • Após o pregão: a AIA analisa padrões e avalia os comportamentos nocivos do trader por meio de números e pontuações.   
  • AIA Score (relatório de performance): score que analisa o que está prejudicando as operações, com o objetivo de educar o usuário e minimizar os riscos. 

Além disso, a Clear Corretora oferece diversas vantagens para nossos traders como corretagem zero, plataforma zero e sala de análise. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *