[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Engolfo de baixa: saiba tudo sobre esse padrão de reversão

Engolfo de baixa: saiba tudo sobre esse padrão de reversão

Navegue por assunto


Você sabe como identificar um engolfo de baixa em um gráfico de candlestick?

Esse é um conhecimento que pode fazer a diferença entre uma operação com lucro e outra com prejuízo no mercado de renda variável.

Trata-se de um padrão gráfico formado por duas velas (candles) que indica uma possível reversão de uma tendência de alta.

Assim como outros sinais emitidos pelo gráfico de preços em uma análise técnica, o engolfo de baixa não prevê o futuro. Ou seja, ele apenas sinaliza qual a maior probabilidade do que deve acontecer.

O investidor, então, deve considerar outros elementos antes de tomar qualquer decisão, mas esse é um daqueles que não podem ficar de fora da estratégia.

Quer saber como ocorre a formação do padrão e quando considerá-lo em decisões sobre investimentos?

Prossiga a leitura, porque é disso que vamos tratar nas próximas linhas.

E se ainda não investe em Renda Variável, abra sua conta na Clear e invista com taxa de corretagem zero! 

O que é um engolfo?

Engolfo é um padrão gráfico formado por dois candles de cores diferentes: o primeiro menor e o segundo, maior.

Um engolfo pode ser de baixa ou de alta, dependendo de onde a formação aparece e da cor do segundo candle.

Para ser um engolfo de baixa, o segundo candle (maior que o primeiro) precisa ser negativo (vermelho ou preto).

Para ser um engolfo de alta, precisa ser positivo (verde ou branco).

Candles são as velas do gráfico de candlestick (candelabro), o gráfico mais utilizado por traders para analisar ativos de renda variável.

Cada vela representa um período de tempo, que pode ser minuto, dia, semana ou mês.

Juntas elas formam os gráficos e seus movimentos, que em última análise refletem as decisões de todos os operadores do mercado.

Se no final do pregão o candle de determinado ativo ficou verde, significa que o preço de fechamento foi maior que o de abertura. Ou seja, o ativo se valorizou ao longo do dia.

Se o candle ficou vermelho, ocorreu o contrário: o ativo caiu de preço ao longo daquele dia.

O engolfo é a união de dois candles de cores e tamanhos diferentes, no qual o corpo do segundo candle “engolfa” (“engole”) o corpo do primeiro.

Engolfo de baixa

O engolfo de baixa (do inglês bearish engulfing) é um padrão gráfico de confiabilidade média que sinaliza a reversão de uma tendência de alta.

Para entender melhor, saiba que um ativo está em tendência de alta quando cria movimentos nos quais as velas formam topos e fundos ascendentes.

Ao traçar uma linha ligando os fundos, a inclinação fica evidente e fácil de visualizar.

A formação do engolfo de baixa pode indicar o fim desse movimento altista e a reversão para uma tendência de baixa.

Para tanto, são necessários dois candles de tamanhos e cores diferentes. O primeiro é menor e tem fechamento positivo.

O segundo necessariamente precisa ser maior que o primeiro e ter fechamento negativo.

O tamanho da primeira vela não é tão importante na sua análise.

Pode ser média ou pequena. Mas não pode ser um doji – candle praticamente sem corpo definido.

O padrão quer dizer que a força compradora até apareceu no início, mas perdeu força no decorrer do tempo.

Mesmo que a abertura tenha sido positiva, os vendedores apareceram em maior número e puxaram o preço para baixo, fechando o candle abaixo da abertura do anterior.

Assim que o corpo do segundo candle “engolfa” o do primeiro, está formado o sinal.

As sombras das velas, neste caso, não precisam ser consideradas.

Sabemos que os preços são formados pela constante disputa entre compradores e vendedores.

Em resumo, o engolfo de baixa pode ser entendido da seguinte forma:

  • Primeiro candle positivo (corpo menor): última demonstração de força do lado comprador
  • Segundo candle negativo (corpo maior): abertura pode até ser acima do fechamento anterior, mas a pressão vendedora aumenta no decorrer do período e empurra o preço para baixo.

O resultado pode ser a inversão de uma tendência de alta.

No entanto, por ser um padrão de média confiabilidade, o engolfo de baixa carece da confirmação de outros elementos.

Em outras palavras, ele faz parte da análise de ativos, mas não isoladamente.

É sobre isso que vamos falar na sequência.

Principais características e aspectos importantes do engolfo de baixa

Assim como outros padrões gráficos que se formam através dos candles, o engolfo de baixa precisa ser analisado em conjunto com outros sinais.

Quando surge em longas tendências de alta, o sinal tem peso maior e geralmente indica exaustão do movimento.

Mas como é uma formação de confiabilidade média, pode resultar em uma leitura precária do contexto de mercado sem elementos complementares.

Assim, as principais características do engolfo de baixa são:

  • Surge após um movimento de tendência de alta
  • É composto por dois candles de cores e tamanhos diferentes
  • O primeiro candle é de alta (verde ou branco), mas de corpo pequeno
  • O segundo candle é de baixa (vermelho ou preto), mas de corpo grande
  • O corpo do segundo candle precisa encobrir o corpo do primeiro
  • As sombras podem ser desconsideradas.

Exemplo de como o engolfo de baixa funciona

Para ver na prática o que explicamos até aqui, vamos a um exemplo sobre o engolfo de baixa.

Imagine, então, um ativo em clara tendência de alta. Os preços estão se movendo em zigue-zague, mas sempre para cima.

Entusiasmados com a escalada do papel, mais investidores entram na ponta compradora, elevando ainda mais os preços.

Em determinado momento, o rali começa a perder fôlego. Alguns investidores decidem realizar os lucros e garantir o ganho de capital.

De repente, surge próximo a uma área de resistência um engolfo de baixa: um pequeno candle positivo engolido por um grande candle negativo.

O segundo candle não encobriu apenas o primeiro, mas outros dois anteriores. O volume está alto, indicando que a reversão pode ser real e imediata.

Nos candles seguintes, o sinal se confirma e o papel começa cair. Quanto mais se desvaloriza, mais investidores pesam a ponta vendedora.

Segue assim em uma longa tendência de baixa até que a direção se reverta novamente.

O exemplo hipotético mostra como o comportamento das pessoas influenciam os sinais gráficos e, também, como os sinais gráficos influenciam o comportamento das pessoas.

Importância do stop

Em estratégias de curto prazo focadas nos movimentos de preço, o stop é uma ferramenta muito útil ao investidor.

Trata-se de uma ordem de encerramento automático disponível nas plataformas das corretoras, que pode ser configurada a critério do investidor.

Para evitar perdas, usa-se o stop loss. Para realizar ganhos, o stop gain.

O stop pode salvar um investimento (ou parte dele), principalmente quando os preços não se movem na direção esperada pelo trader.

É um limitador de prejuízos, um paraquedas.

Afinal, ninguém sabe exatamente como os ativos irão performar.

O futuro é constantemente precificado no presente, com base nas expectativas do mercado financeiro, que mudam o tempo todo.

Mesmo que vários sinais apontem para uma mesma direção, segui-los é uma estratégia especulativa que necessita de um bom posicionamento de stop.

Uso do engolfo de baixa: quais são as limitações?

O engolfo de baixa é um padrão gráfico de confiabilidade média, logo, tem suas limitações.

O sinal de reversão de tendência, portanto, precisa ser analisado em conjunto com outros elementos que potencializem suas probabilidades.

A análise técnica (também chamada de análise gráfica) possui diversas ferramentas que podem ser combinadas, de acordo com a estratégia de cada analista ou investidor.

Além da formação dos padrões gráficos, muitos operadores usam indicadores para confirmar ou não uma determinada mudança de direção.

Quanto mais elementos, mais robusta a análise e melhores as possibilidades de acerto de uma operação. mas cuidado, o acúmulo de ferramentas pode confundir o trader.

Médias móveis, bandas de bollinger e MACD são alguns indicadores usados por analistas na leitura e interpretação dos gráficos.

3 fatores que potencializam a inversão do engolfo de baixa

Além dos indicadores que citamos antes, há outros fatores que podem fortalecer ou enfraquecer um engolfo de baixa.

É sobre eles que vamos falar agora.

Corpo do segundo candle encobre mais de um candle anterior

O engolfo de baixa, como vimos, é formado por duas velas, sendo a primeira menor com fechamento positivo e a segunda maior com fechamento negativo.

O preço de abertura da segunda vela pode ser no mesmo nível ou acima do preço de abertura da primeira.

Durante o período de formação do candle, que pode ser minuto, hora, dia ou mês, a força vendedora puxa o preço para baixo.

Quando o corpo do segundo candle encobre não apenas a primeira vela, mas outras velas anteriores, temos uma probabilidade maior de reversão da tendência de alta.

Significa que os vendedores estão com muito apetite e isso estimula compradores a reverem suas posições.

Volume alto no segundo candle

O volume também potencializa a força do sinal.

Se está alto, quer dizer que muitos investidores estão interessados em negociar o papel naquela faixa de preço.

Como o engolfo de baixa sinaliza o fim de uma tendência de alta, volume alto indica que muitos traders interpretaram o mesmo sinal e estão tomando decisões parecidas.

Se mais investidores se posicionarem na ponta vendedora, o movimento ganha mais força, potencializando a formação do padrão.

Formação do engolfo de baixa próximo a uma área de resistência

Linhas de suporte e resistência são importantes elementos da análise gráfica que ajudam investidores a entenderem dentro de que faixa de preços um ativo está se movimentando.

Suporte é a linha inferior, que funciona como se fosse o piso. Ao chegar na região de suporte, os preços geralmente param de cair e voltam a subir.

Resistência é como se fosse o teto. Os preços encostam na linha e tendem a voltar a cair.

Quando um engolfo de baixa é formado próximo a uma área de resistência (teto), as chances de reversão da tendência são maiores.

Saiba mais sobre o mercado financeiro

Uma carteira de investimentos bem estruturada, com ativos de qualidade e que atenda a seus objetivos e metas, exige dedicação e constante busca por conhecimento.

Quais são suas necessidades? Aposentadoria ou uma viagem de férias no próximo ano?  Ativos geradores de renda ou para ganhos de capital?

Seja qual for o propósito, a escolha de bons investimentos inevitavelmente deverá passar por diferentes análises.

Em renda variável, a análise técnica, da qual os padrões gráficos fazem parte, é útil a diferentes tipos de operação.

Serve ao trader que opera diariamente comprando e vendendo ativos em busca de lucro no curto prazo com a volatilidade do mercado.

E também ao holder, que investe pensando no longo prazo e preza pelos fundamentos que sustentam os números.

Não é necessário ser um analista para investir seu dinheiro de maneira eficiente. Mas é preciso estudar para tomar decisões cada vez mais acertadas.

Para ajudar você nessa jornada, a Clear tem vários canais com muito conteúdo educativo sobre renda variável.

No nosso blog, você encontra artigos exclusivos sobre variados temas do mercado. São conteúdos relevantes, abordados com profundidade, à sua disposição.

Você pode acompanhar também os conteúdos em vídeo no canal da Clear no YouTube, com playlists, salas ao vivo com analistas, lives, entrevistas e muito mais.

Com a Clear, investir na bolsa pode ser para você. E o melhor: sem taxa de corretagem e de custódia em todos os produtos de renda variável.

Se ainda não é cliente, abra sua conta gratuitamente e aproveite todas as vantagens.

Conclusão

Seja para o day trade, swing trade ou qualquer outra estratégia de investimentos, entender o que dizem os padrões gráficos é fundamental para o investidor de renda variável.

O engolfo de baixa é apenas um dos vários elementos que a análise técnica tem a oferecer.

Importante ressaltar que nenhuma análise será capaz de prever o futuro, mas os padrões refletem o comportamento das pessoas.

E as pessoas têm comportamentos previsíveis.

Se os padrões se repetem, entendê-los aumentam suas chances de fazer boas operações e obter bons resultados.

Estude com calma e profundidade as teorias, indicadores e sinais que sustentam a análise gráfica. Aprimore seus conhecimentos.

Com a Clear, você tem à disposição todos os recursos para uma completa análise do mercado.

Portanto, se ainda não é cliente, abra sua conta gratuitamente e tenha à disposição uma infinidade de ativos para operar sem taxa de corretagem ou de custódia.

Gostou das dicas deste artigo? Então deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

Conheça também outros conteúdos relevantes sobre finanças e investimentos preparados com exclusividade para você.