Análise Gráfica: Passo a passo, cuidados e dicas

Análise Gráfica: Passo a passo, cuidados e dicas

Navegue por assunto


Por: Time Master Clear

29/10/2020 • Atualizado: 24/03/2022

13 minutos

Compartilhar:

Entender a análise gráfica e saber como aplicá-la é um dos segredos para ter sucesso como trader, operando na bolsa de valores.

Seu objetivo é fazer o dinheiro render com a valorização de ativos financeiros, identificando as tendências dos preços, seja de curto, médio ou longo prazo.

Ou seja, é uma maneira de usar a volatilidade da bolsa a seu favor.

Por outro lado, quem já tem um pouco de experiência no mercado de ações sabe que se antecipar às tendências não é tão fácil assim.

É por isso que, antes tomar decisões com base na análise gráfica, você precisa estudar bastante.

Neste conteúdo, a gente dá uma ajuda valiosa para esse objetivo.

Ao longo do texto, você vai encontrar uma boa introdução sobre o assunto e, no final, dicas de cursos para se aprofundar.

Siga acompanhando!

O que é uma análise gráfica?

A análise gráfica é um método de avaliação de ações no qual a variação do preço do ativo é estudada em gráficos, com o objetivo de encontrar tendências e antecipar possíveis quedas ou altas nas cotações.

O método também é conhecido como análise técnica, e é completar à análise fundamentalista, na qual o investidor observa indicadores e demonstrativos da empresa que emitiu as ações.

Por suas características, a análise gráfica é a mais utilizada por quem busca a rentabilidade no curto prazo, o que é típico das operações no day trade.

Já a análise fundamentalista se mostra mais útil para ter resultados no longo prazo – ainda neste texto, você vai entender o porquê.

Entenda a Teoria de Dow na análise técnica

A Teoria de Dow, criada em 1884 por Charles Henry Dow, um dos fundadores da Dow Jones & Company, é a base para a análise técnica moderna.

Ela estabeleceu premissas importantes para os analistas dos gráficos, partindo do princípio de que o mercado de ações mede as condições dos negócios de maneira confiável.

Desse modo, ele defendia que, ao fazer uma análise, é possível identificar para qual direção estão as tendências do mercado e, provavelmente, das ações individualmente.

Os fundamentos da análise gráfica

A Teoria de Dow é mais conhecida por seis fundamentos, que explicamos abaixo:

O mercado desconta tudo

Essa premissa, hoje, é conhecida como hipótese do mercado eficiente.

Segundo ela, o preço de uma ação é o único número confiável, pois todos os aspectos a serem considerados (rentabilidade potencial, riscos, vantagem competitiva, qualidade da gestão da empresa, etc.) já operam por meio da lei da oferta e demanda.

O mercado tem 3 tipos de tendências

A tendência primária é a principal, que pode durar vários anos, e reflete o mercado como um todo.

Já a tendência secundária é composta por rápidas variações dos movimentos primários, que duram semanas ou poucos meses.

Por fim, a tendência terciária são pequenas variações dentro das tendências secundárias, com duração de poucas semanas, dias ou até horas.

Tendências primárias têm 3 fases

A primeira é a da acumulação, quando alguns investidores antecipam o resto do mercado e se movimentam na direção oposta à tendência anterior.

A segunda é a da participação pública, na qual o público investidor em geral segue a nova tendência. Por fim, existe a etapa da distribuição, onde o ciclo acaba e os investidores deixam suas posições.

Os índices confirmam uns aos outros

Com esse fundamento, Dow argumenta que os números de um índice do mercado estão sempre alinhados com os resultados dos demais índices.

Ou seja, todos são complementares.

O volume confirma a tendência

Quando o preço da ação está se movimentando na direção da tendência, o volume de negociações aumenta.

A tendência persiste até ser substituída por uma oposta

Uma tendência se mantém até que surjam sinais de que uma nova começou.

É preciso cuidado, porém, para não confundir uma tendência secundária com uma nova primária.

Como fazer uma análise gráfica?

homem segurando celular com plataforma trading aberta e notebook ao fundo

Uma análise gráfica é feita, como o nome já entrega, com a análise de gráficos que mostram a evolução do preço de uma ação no decorrer do tempo.

Essa visualização da oscilação revela tendências, e o objetivo do investidor é se antecipar a elas: comprar antes de o preço subir e vender antes que ele caia.

O modelo de gráfico mais utilizado é o de candlesticks, ou gráfico de velas.

Em vez de uma simples linha que sobe ou desce de acordo com o preço, neste gráfico, são usadas pequenas barras retangulares (os candles) para representar os movimentos de alta ou baixa.

Desse modo, o investidor consegue visualizar uma quantidade maior de informações sem que o gráfico fique excessivamente complicado.

Entenda, a seguir, os principais aspectos que precisam ser analisados no gráfico.

Período ou frequência para contabilizar as variações

Você precisa definir uma janela de tempo como ponto de partida de uma análise gráfica.

Vai observar a oscilação do preço da ação nos últimos anos, meses, semanas, dias, horas, minutos?

Vai depender da sua estratégia de investimento, é claro.

Um day trader, isto é, o investidor que compra e vende a ação no mesmo dia, precisa analisar um intervalo bastante curto.

Já quem pensa no longo prazo deve observar um período muito maior para saber em que momento da tendência primária o ativo está.

Preços e números considerados

Na análise gráfica, há muitos valores que importam tanto quanto o preço atual da ação.

São eles:

  • Preço de abertura do ativo dentro do período escolhido para ser analisado
  • Preço de fechamento, isto é, a cotação da ação no fim do período
  • Preço máximo que a ação atingiu dentro da janela de tempo analisada
  • Preço mais baixo a que a ação chegou no período em questão
  • Volume de negociações da ação dentro do espaço de tempo analisado.

Escalas: medindo perdas ou ganhos

Há dois tipos de escalas que podem ser usadas no gráfico.

Uma delas é a escala aritmética, na qual as distâncias são representadas a partir das unidades.

Por exemplo, a distância entre 1 e 2 é 1. Exatamente a mesma distância entre 10 e 11.

No mundo dos investimentos, porém, esses dois exemplos são bem diferentes, pois subir de 1 para 2 representa 100%, enquanto subir de 10 para 11 é apenas 10%.

Por isso, a escala logarítmica é mais utilizada no mercado financeiro, já que o que importa é a diferença percentual.

Por que a análise gráfica é a mais usada entre traders?

Como destacamos antes, o day trader é aquele que investe no curtíssimo prazo, comprando e vendendo um ativo no mesmo dia.

Para conseguir um lucro que valha a pena, ele precisa trabalhar com uma grande quantia de capital e antecipar as pequenas tendências diárias dos gráficos.

Mas por que esse tipo de investidor utiliza a análise técnica e não a outra opção, como a análise fundamentalista?

Porque a fundamentalista é preferencial daqueles que têm uma estratégia de investimento de longo prazo.

Eles estudam fatores macroeconômicos, o mercado em que a companhia atua, seus demonstrativos e diversos indicadores para tomar suas decisões.

Usam muito mais tempo para definir cada operação, é claro, mas fazem pouquíssimas operações na comparação com o day trader, já que seu intuito é ficar com o ativo por um bom tempo.

Além de o trader de curto prazo não poder gastar tanto tempo com cada decisão, as informações pesquisadas na análise fundamentalista só têm grande impacto no decorrer dos meses e anos.

Já as técnicas de análise de gráficos podem ajudar a antecipar tendências rápidas, que surgem e desaparecem em um piscar de olhos.

Cuidados necessários ao utilizar a análise técnica

Ao falar sobre análise gráfica, é preciso incluir vários pontos de observação.

Inicialmente, pode parecer uma maneira fácil de ganhar dinheiro, mas a realidade é que, sem os devidos cuidados, é bastante fácil perder tudo o que investir.

Confira nossas recomendações:

Procure conhecimento antes de aplicar o investimento

É claro que a experiência prática é a melhor maneira de aprender qualquer coisa.

Nesse caso, porém, é menos arriscado buscar bastante conhecimento teórico antes.

Mais à frente, vamos dar algumas recomendações de cursos para aprender tudo sobre a análise gráfica.

Utilize simuladores ou invista pouco inicialmente

Depois de acumular um bom conhecimento teórico, é hora de ir para a prática, certo? Mais ou menos.

Antes de investir o dinheiro de fato, use um simulador de day trade para saber se já está pronto.

Os simuladores exibem exatamente as mesmas condições que você experimentaria investindo de verdade, mas sem risco nenhum.

Assim, você coloca à prova o que aprendeu.

Os resultados estão sendo bons e consistentes? Aí, sim, chegou a hora de migrar para o investimento de verdade.

Saiba que há divergências sobre a efetividade da análise gráfica

Nem todo mundo acredita que é possível antecipar as tendências de alta ou baixa com a análise gráfica.

Então, vale a pena buscar compreender os argumentos de quem questiona a eficácia do método e tirar a sua própria conclusão.

Caso fique na dúvida, talvez você tenha um perfil de investidor mais conservador e deva investir em um prazo maior, usando a análise fundamentalista.

Fique atento às promessas de ganhos fáceis

Existe um número cada vez maior de pessoas que ganham a vida com o day trade, ou pelo menos dizem que ganham.

Fique alerta, pois pode ser que a principal fonte de renda dessas pessoas seja a venda de aulas e cursos sobre o day trade.

Ou seja, exagerar o potencial dessa atividade é uma estratégia para atrair clientes.

Os investimentos de curtíssimo prazo não são para todo mundo e não é tão fácil assim ganhar dinheiro só com isso.

É preciso estudar muito, ter disposição ao risco e levar em conta o último cuidado, que explicamos abaixo.

Só faça day trade quando valer a pena

Para quem tem pouco dinheiro para investir, o day trade não é a melhor opção.

As variações diárias do preço da ação geralmente são pequenas, então, só geram um valor considerável se a rentabilidade for em cima de um montante grande.

Também é necessário ter condições especiais, como uma taxa de corretagem fixa, uma boa plataforma de negociação e outras ferramentas que os planos mais básicos não cobrem.

Na Clear, a corretagem é zero!

Aproveite para abrir sua conta e investir agora!

5 Dicas para ter sucesso ao fazer a análise gráfica

homem mexendo no notebook com gráfico de candlestick aberto

Além das recomendações acima, listamos 5 dicas importantes para quem deseja começar a investir usando a análise gráfica.

1) Encontre tendências nos preços

Entenda que a lógica por trás da análise gráfica é identificação de tendências.

No cenário ideal, você deve identificá-las antes que seus sinais se tornem claros para todos os investidores.

Isso porque, quando a tendência é clara, todos a seguem, potencializando-a e puxando o preço para cima ou para baixo.

2) Domine a formação de candles

O gráfico de candlesticks, como destacamos antes, é o mais usado na análise gráfica.

Então dedique-se a entender completamente todas as informações que esse tipo de representação mostra.

Com o tempo, você conseguirá identificar as tendências de maneira muito rápida, com uma simples olhada no gráfico.

3) Inicie por topos, fundos, resistência e suporte

Os primeiros conceitos a serem dominados na análise gráfica são:

  • Topo: preço máximo da ação no intervalo estudado
  • Fundo: preço mais baixo do período
  • Resistência: formado por uma série de topos
  • Suporte: formado por uma série de baixas.

4) Estude sistematicamente as linhas de tendência

As linhas de tendência interligam os topos históricos entre si.

Observá-las é útil para entender para onde está indo o mercado, antecipando os próximos movimentos.

5) Tenha conhecimento prévio sobre os indicadores de análise gráfica

Indicadores de volume, momento, volatilidade e tendência, além da média móvel, são importantes para alertar reversões de tendências ou reforçar uma análise.

Cursos para aprender análise gráfica

Agora que você já entendeu o que é análise gráfica e alguns de seus fundamentos básicos, é uma boa ideia se aprofundar ainda mais.

Há diversos cursos disponíveis no mercado.

Na hora de escolher, procure sempre instituições de renome e confiança.

Veja algumas recomendações:

  • Xpeed School: escola da XP Investimentos, da qual a Clear Corretora faz parte, oferece diversos cursos sobre educação financeira e investimentos
  • B3 Educação: cursos e conteúdos produzidos pela empresa que administra a bolsa brasileira
  • Anbima: cursos diversos sobre investimentos da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais.

Conclusão: a análise técnica realmente funciona?

Chegando ao final do texto, você já tem uma opinião formada sobre a análise gráfica?

Será que ela funciona ou é muito difícil prever as tendências de alta e baixa de uma ação?

Você pode buscar a resposta estudando mais sobre o tema e simulando investimentos, com risco nenhum.

Caso dê certo, é uma ótima maneira de fazer o dinheiro trabalhar para você e multiplicar seu capital.

Se você gostou do artigo, compartilhe com seus amigos nas redes sociais.

E continue acompanhando o blog da Clear para mais conteúdos como este.