[xp_hellobar][/xp_hellobar]

Vale a pena investir no mercado fracionário?

Vale a pena investir no mercado fracionário?

Navegue por assunto


Com possibilidade de baixo investimento inicial, opção pode ser indicada para iniciantes e pequenos investidores

No Brasil, menos de 1% da população investe na bolsa de valores. Já em outros países, mais de 50% das pessoas aloca recursos na renda variável. Um dos motivos para isso é que muita gente acredita que apenas os ricos podem investir na bolsa. Se você gostaria de comprar ações, mas acha que precisa engordar a conta bancária antes, este artigo é para você!

O mercado fracionário se apresenta como uma boa opção para quem não tem muitos recursos no momento, mas acredita que pode lucrar na bolsa de valores. Este é também um ótimo espaço para investidores iniciantes que desejam aprender como o mercado funciona sem correr grandes riscos.

Achou interessante, mas tem dúvidas sobre como o mercado fracionário funciona? Neste artigo, você irá entender as principais diferenças entre o mercado convencional e o fracionário, se vale a pena investir e o que é preciso fazer para negociar nesse mercado. Vamos lá?

Mercado convencional x mercado fracionário

A principal diferença entre esses dois mercados é a quantidade de ações que pode ser negociada. No fracionário, as negociações são realizadas sem um lote mínimo. É possível comprar de 1 até 99 ações. Já no mercado normal, só dá para negociar o lote completo, ou seja, 100 ações.

Se você tiver interesse em adquirir papéis da Vale, por exemplo, no mercado convencional, precisará ter a quantia suficiente para comprar 100 ações de uma só vez.  O mercado fracionário traz a solução para esse impasse. Nele, mesmo quem não pode arcar com os custos de um lote inteiro de ações da Vale consegue investir na empresa.

Outro aspecto que é interessante observar é que os dois mercados são independentes, ou seja, as cotas e a liquidez não estão ligadas. Geralmente, o mercado fracionário apresenta ofertas de venda um pouco mais altas do que o mercado convencional. Já os valores para compra são um pouco mais baixos.

Se você quiser comprar, por exemplo, uma ação que custa R$10,00 no mercado convencional, no fracionário pode ser que ela seja vendida a R$ 10,10. E o mesmo pode acontecer na hora da venda. No fracionário, talvez você encontre comprador apenas por R$ 9,90. Devido ao menor volume de negociações, a liquidez no mercado fracionário é menor. E é por isso que as ações costumam ter um spread (diferença entre preço de compra e venda) maior do que no lote padrão.

Mercado Fracionário: Vale a pena?

Você já entendeu as principais diferenças entre os dois mercados e agora deve estar se perguntando se vale ou não a pena entrar no mercado fracionário. A resposta certa para essa pergunta é: depende.

Um dos pontos que você precisa avaliar é o custo da operação. Impostos, emolumentos e corretagem são exatamente os mesmos em ambos os mercados.  Para valer a pena, você precisa estar atento para a diluição dos custos na sua ação. Quanto menor o investimento, menos diluída fica a taxa cobrada pela corretora e maior será o seu impacto.

Por exemplo, se considerarmos uma taxa de corretagem de R$10,00, para um investimento de R$20,00 ela representa 50% do valor. Já para um investimento de R$ 20 mil, o percentual seria de 0,05%, o que é expressivamente menor. Para valer a pena, os custos de uma operação nunca podem ocupar mais do que 10% do valor investido. Se você assim como eu investe pela Clear, essa será uma preocupação a menos já que a corretagem é ZERO para ações, fundos imobiliários e contratos futuros.

Diante disso, entrar no mercado fracionário é interessante quando você pensa em um investimento de longo prazo, no qual você acumula ações aos poucos para depois poder negociar no mercado padrão, amortizando os custos. Já para o curto e médio prazo, é necessário mais liquidez e um número maior de ações para conseguir bons resultados e, portanto, o mercado fracionário não é recomendado.

Para quem não possui o valor suficiente para adquirir um lote padrão, o mercado fracionário pode ser um bom começo. Além disso, trata-se de um ótimo ambiente de teste para quem está aprendendo como funciona a bolsa de valores, já que possíveis perdas seriam proporcionais ao pequeno montante investido. Outra vantagem é a possibilidade de montar uma carteira diversificada.

Como fazer?

Se você decidiu entrar no mercado fracionário, saiba que é muito fácil começar. A operação é idêntica a do mercado convencional.  Antigamente, investir na bolsa de valores não era algo acessível para qualquer pessoa.

Porém, graças à tecnologia, hoje é um processo muito simples, ao alcance de qualquer um que queira se aventurar pelos mares dos investimentos de renda variável. Basta ter um CPF e abrir conta em uma corretora de valores.  Na hora de operar, procure no home broker a ação desejada e acrescente a letra F (de fracionado). Por exemplo, a Vale3 fica VALE3F no mercado fracionário.

Devagar se vai ao longe

Como vimos, o mercado fracionário está aí para ajudar o pequeno investidor que não deseja fazer um aporte muito alto em apenas uma empresa, mas que gostaria de construir um patrimônio em ações. Pequenos valores podem somar grandes quantias no longo prazo. O mercado fracionário também é uma excelente alternativa para quem pretende começar devagar e testar se o coração está realmente preparado para esse tipo de investimento.

Se você quer comprar ações no mercado fracionário, não se esqueça de ficar atento ao spread, à liquidez, às cotações das ações e aos custos da operação.

Na Clear, você não paga corretagem e já começa o seu aporte com vantagem na rentabilidade.